Coleção pessoal de ellonreis

Encontrados 5 pensamentos na coleção de ellonreis

Procura-se uma esposa a moda antiga.

Uma esposa romântica, carinhosa, meiga, inteligente e esperta. Uma esposa que não faça questão de trabalhar fora. Se trabalhar fora, tudo bem, mas que o lar seja a sua prioridade.
Uma que não se importe em ter uma vida de dondoca, ir ao salão de beleza, academia, viagens de férias e ganhar roupas bonitas, mas que não seja fútil e saiba o valor do dinheiro ajudando a construir, ao invés de delapidar, o patrimônio da família. Uma que não se importe em depender financeiramente do marido, mas sim tenha orgulho disso, porque ele a ama e cuida dela com amor e se importa com seu bem estar. Uma esposa que cuide emocionalmente do marido para que ele possa sair para o trabalho e enfrentar o mundo se sentindo o homem mais poderoso do planeta, apto a enfrentar os problemas como um leão feroz e assim cumprir seu papel de provedor. Que ela sinta falta dele durante o dia e ele sinta falta dela, pois não vê a hora de voltar pra casa porque sabe que seu lar é seu refúgio. Procura-se uma esposa a moda antiga.

Ellon Reis
1 compartilhamento

A Plenitude da imaturidade!

Quando nos casamos, éramos ambos apaixonados e românticos. Não conseguíamos ficar no mesmo ambiente sem trocar olhares, abraços, toques. Dormir ou sair do mesmo ambiente significava uma despedida que exigia um beijo ou abraço. Acordar ou voltar ao ambiente representava um reencontro que também exigia o mesmo. O sentimento era: “Que alívio que vc está de volta”! Isso transmitia amor, saudades, alegria e uma imensa sorte por termos encontrado um ao outro. Com o passar do tempo, pouco a pouco isso foi se perdendo. Pouco a pouco um coração dizia ao outro: “Você não é mais tão importante. Não sou tão sortudo ou sortuda por ter você ao meu lado. Não sinto sua falta quando você sai nem quando vc viaja” Com isso um coração ouvia: “ Não sou mais amado!” Dura convicção imatura. Imensa dor infantil que só uma criança sabe como dói. Os adultos sabem apenas que é bobagem. Mas a dor da criança, neste caso um adulto, é real. Ao refletir, o adulto reconhece que o que foi perdido não significa que o amor se foi, mas sim que surgiu uma nova forma de amar. Uma forma mais fria, mais distante, menos intensa, com menos desejo, menos carinho, menos emoção, porém mais madura. A adaptação a essa nova forma é sofrida e dolorosa. O coração se questiona: “Será que vou me adaptar? Será que quero me adaptar? Essa nova forma é capaz de trazer plenitude? “ Não sei a resposta. Só sei que nesse momento almejo um amor maior! Gostaria de ter permanecido na imaturidade!

Ellon Reis
9 compartilhamentos
Tags: casamento amor

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato.
E então, pude relaxar.
Hoje sei que isso tem nome... Autoestima.
Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades.
Hoje sei que isso é... Autenticidade.
Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.
Hoje chamo isso de... Amadurecimento.
Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo.
Hoje sei que o nome disso é... Respeito.
Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável... Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo.
Hoje sei que se chama... Amor-próprio.
Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro.
Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo.
Hoje sei que isso é... Simplicidade.
Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei muitas menos vezes.
Hoje descobri a... Humildade.
Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.
Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... Plenitude.
Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.
Tudo isso é... Saber viver!

Kim e Alison McMillen
24 mil compartilhamentos

NADA COMO O TEMPO

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela.

Percebe também que aquele alguém que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente não é o "alguém" da sua vida.

Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você.

O segredo é não correr atrás das borboletas... é cuidar do jardim para que elas venham até você.

No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!

desconhecido
40 mil compartilhamentos

Felicidade e infelicidade descrevem um estado de espírito de média a longa duração, que não podem ser alterados de forma imediata!
Eventos rápidos e pontuais definem apenas nossas emoções momentâneas. É a soma dessas emoções, que definirão se somos felizes ou infelizes.
Temos a opção de escolher um comportamento que resultará em uma emoção negativa ou positiva e assim estaremos gradualmente construindo um estado de espírito de médio a longo prazo!
Que emoções você tem gerado naqueles que estão ao seu redor? Que emoções vc tem gerado a si mesmo? Mude e redirecione o seu comportamento para que você possa construir um estado de espírto verdadeiramente feliz e que não poderá ser abalado pelas pontuais intemperes da vida!

Ellon Reis
1 compartilhamento
Tags: felicidade infelicidade