Coleção pessoal de brunocidadao

1 - 20 do total de 284 pensamentos na coleção de brunocidadao

⁠CORES DO DIA
Se formos dividir o mundo, será:
as que enxergam e as que veem.
Há gente que vê com os olhos,
outros, impossibilitados, com o tato.
Mas há também os que enxergam,
estes podem usar os olhos ou tato,
mas todos usam o coração.
Pessoas que apenas veem
são cinzentos, tudo está como filme
em escala de cinza, é tedioso.
Pessoas que enxergam
são coloridas, brilham como filme
de animação infantil.
Ora, menina, seu coração
enxerga as cores do dia,
mas agora você apenas está vendo:
o dia passar, a noite chegar,
os sonhos ruirem e o tempo avançar.
Em que lugar está a menina
que não se esconde num sorriso falso,
onde está a menina que sonha
mesmo com os pés descalços?
Insisto que se responda,
a mim já respondi:
essa menina está no coração
que enxergava o azul das nuvens,
o cinza do asfalto, o verde da melancia,
o branco da igreja, o vermelho da vida.

Bruno Cidadão

DESPEDIDA
Hoje tu vai embora.
Mas fica no meu coração.
Um dia vou te ver.
Outro dia te levar.
Certo dia vou casar.
Em casa vamos ficar.
Te levo contigo,
Me leva contigo,
E nós levaremos
Pra sempre, o amor.

Bruno Cidadão

DESESPERO DE DOMINGO

⁠Tem dias que parece que estou
Sempre tão sozinho
Tem dias que você não aparece
E não fala comigo
Me sinto invadido
Pela sua falta
E pela sensação ruim
De não te ter comigo
E só ser mais um amigo
Que você esquece assim
Eu sei, sou complicado de amar
Mas você também não colabora
Toda vez que me tem nas mãos
Me faz ir embora
Eu queria muito ficar
Eu queria muito te amar
Eu queria muito completar
essa nossa história
Vem me amar
Bate o interfone
Sobe as escadas
Grita por meu nome
Basta me procurar
Você tem meu telefone
Sabe onde me encontrar
E sabe o meu nome

Bruno Cidadão
Tags: domingo desespero

⁠ABRAÇO APERTADO

Tá em falta no mercado,
na pandemia está proibido,
só se produz pra estocar.
Mesmo em falta,
anda bem desvalorizado,
já que muitas vezes
ele foi negociado como porta de entrada
de um golpe lascado.

Abraço apertado é que nem café:
só serve quente e na hora.
É também que nem sorvete:
derrete fácil quando demora.
Não existe coração humano que resista
a um coração abraçando o peito
de forma bem apertada
com braços reforçando o ato.

Bruno Cidadão
Tags: abraço apertado

⁠DESFECHO IDEAL

Nem tudo é como eu queria
e isso me dá nervos
porque às vezes dói e dói muito,
nada sai como eu queria.

Por isso, me peguei pensando:
não seria o caso de desenhar
um desfecho ideal para aquele dia?

Já pensei de imediato e lembrei:
se sobre livros eu não tivesse
conversado aquele dia,
hoje essa dor eu não sentiria.
Se sobre sua faculdade
eu sequer tivesse te perguntado
seu descrédito hoje eu não teria.
Se naquele lanche eu não tivesse ido
certamente esse meu mau humor de hoje
nem sequer se manifestaria.

Percebi, no entanto, que meu desfecho ideal
é apenas um mundaréu antagonista,
um sem-número de experiências não vividas,
um poço de expectativas não postas à prova.
Concluo, então: sou quem sou
porque os desfechos não foram ideais,
antes, foram reais.

Bruno Cidadão

QUANDO VOCÊ RESOLVER FICAR

Minha querida amiga,
meu doce e pueril amor,
quando você chegar
e quiser,
por vontade própria,
ficar comigo,
saiba que não irá
nem hoje nem amanhã
ter que algum aluguel pagar.
Sabe, meu bem,
eu não quero que você fique
a menos que realmente queira.
Por aqui, muita gente passou:
uma até ficou, eu não tratei bem,
ela deu meia volta e vazou.
Por aqui, algumas já chegaram
e da porta não passaram
porque viram toda a bagunça
e nem animaram.
Mas saiba que aqui é espaçoso
e bem aconchegante.
Às vezes tem espinho e fede,
mas eu limpo e amacio antes.
Às vezes eu cozinho,
outras vezes nem louça lavo.
Só quero que venha se aceitar
fazer parte de um plano.
Não o meu,
o plano de uma vida a dois.
Quando quiser ficar,
se esqueça do que sei fazer.
Porque eu quero ser inútil,
mas importante pra você.
Quando quiser ficar,
saiba que há outro lugar.
Quando quiser ficar,
saiba demonstrar.
É, meu bem,
eu não sei.
A propaganda não é boa,
imagina o conteúdo?
Talvez você se agarre
na dúvida
e está tudo bem.
Mas se for ficar,
fica pra sempre, tá bem?

Bruno Cidadão

⁠DIÁ-LOGO
Não existe animal outro
que consiga palavras falar,
talvez por isso, nós humanos
temos sempre que pensar.
Ora é diálogo, ora é o-diá (lo ou lá),
mas é sempre logo
porque pra amanhã
hoje não será.
A poesia é sangria,
mas o afago sempre vem.
Pois mais bem sinto
em diálogo
do que do silêncio
sendo refém.
Sabe, moça, você é meu presente
não que eu sonhava ter,
mas o que eu precisava
nessa hora de me moldar.
Paciência você me tira,
mas pego sempre a sua
de forma a revidar.
Nosso diálogo
daquela noite
foi todo de invejar,
nunca antes conseguimos
por muito tempo sem brigar.
Eu acho que a gente está,
sem querer querendo,
perto de um lugar:
a convivência pacífica,
o lar.
Menina, mulher.
Teu jeito me cativa
e não canso de falar:
você é toda piradaça
e isso é meu desandar.
Ah, se você soubesse
ou mesmo se pudesse
ao lado estar,
lhe veria com meus olhos
e escutaria meu falar
de um jeito tão doido
que nem sei explicar.
Como diria Dominguinhos,
"que falta eu sinto de um bem",
ou como diria Renato Russo,
"quero colo...",
mas também como Raimundos,
"complicada e perfeitinha",
ou como Jão,
"cê vai me destruir",
porém como Tiago Iorc
"espero aqui pra ver o sol nascer",
e como Titãs,
"devia ter aceitado as pessoas como elas são",
e ainda como Djavú,
"o que pensa que eu sou,
se não sou o que pensou".
Às vezes te percebo nas músicas,
outra vez em poemas,
às vezes no Instagram,
de vez em quando no cinema,
às vezes te sinto como eu,
de longe, rebenta,
às vezes sei que sou
pra você um dilema,
outras vezes me enxergo nada
ou parte de um esquema,
só não espero de você
a cessação do diálogo
ou a manipulação de um tema,
pois diferentes que somos,
já temos um problema:
assumamos hoje ou não,
ficar distante um do outro
já virou problema,
pois sentimos falta da presença,
do valor de um diálogo,
da noite sem algema,
da princesa sem maquiagem
e do príncipe sem vitória,
não importando se é dia
ou noite,
importa somente o diálogo
e a sentença.

Bruno Cidadão
Tags: diálogo menina

⁠Embora a Lua reflita pouquíssima luz, é nela que nos deleitamos em observação. Isso diz sobre o nosso gosto pela falsa sensação de perfeição que o distante e inacessível nos apresenta.

Bruno Cidadão

⁠DEMISSEXUALIDADE
É sobre gostar sem tocar,
amar sem pedir,
apaixonar sem beijar
e encantar só com um olhar
ou com todo um falar.
É dominante, cheio de furor,
muitas vezes cego e incapaz
de enxergar sua própria cova
sendo cavada
por tanto relacionamento
sem futuro, só cilada.
Se, em resumo, for possível
acabar com todo o empecilho
é provável que haja amor
sem qualquer desatino.
Mas se empecilho for colocado
de duas uma: ou ele ama
ou então se destrói
em lágrimas alagado.
Geralmente tudo acaba,
ou em lágrimas ou em risos,
todos desesperados.

Bruno Cidadão
Tags: demissexual resumo

⁠INTIMIDAÇÃO
Se nem um capotamento,
as madrugadas escuras e frias,
os mendigos e curiosos,
os bandidos e criminosos,
não tive medo de enfrentar,
vou ter medo de
com uma intimidação lidar?
Ora, não.
Pra quem já negociou com bandido
pra não levar seu celular,
pra quem já correu
pra não se deixar roubar,
pra quem já teve arma
pra si apontada,
pra quem já foi embora
e na praça precisou dormir,
pra quem tomou tapa na cara
de quem nunca imaginava,
pra quem ameaça,
pelo celular, recebia,
pra quem várias vezes
teve a bicicleta furtada,
pra quem passou por isso aí
e com tranquilidade
anda pela estrada vazia,
uma intimidação vale pouco
ou quase nada.
Na verdade, o que a intimidação faz
é revelar uma característica oculta
da pessoa que outrora
era ou poderia ser amada.

Bruno Cidadão
Tags: intimidação palavras

⁠DRAMA DO AMOR
Eu sei ser bem louco
quando posso me ser.
Eu sei ser bem ávido
quando consigo te ver.
Eu sei ser bem pálido
quando converso com você.
Eu sei ser idiota
quando risadas quero ter.
Eu também sei ser dramático
o tempo todo do meu ser.
Eu quero ter o seu amor
se em liberdade você me escolher.
Eu quero ser privilegiado
pelo seu beijo conhecer.
Eu quero ser o primeiro
- até quem sabe o último -
pensamento do seu amanhecer.
Eu posso ficar ferido
se você me ignorar.
Eu posso me machucar
se com você eu não falar.
Eu posso até mesmo me calar
se essa condição precisar.
Eu posso ser um filme dramático
se um final feliz puder te dar.
O amor é dramático, eu posso provar
o que ele não é
é incapaz de tudo suportar
para ver dois seres juntos
conhecerem o mar.

Bruno Cidadão

⁠IDEALIZAÇÃO
Enquanto te ouço pelo celular
não consigo pensar em algo:
tudo que penso é estar ao seu lado.
Enquanto te vejo na rua,
seja passeando ou indo à luta,
meu coração vibra
por você ser tão sua.
Enquanto te sonho numa noite qualquer,
te guardo no peito
como quem sabe o que quer.
Te peço pra Deus:
"Papai, se puder, me traz essa mulher".
Enquanto te escuto,
sua voz alcança meus sentidos
e promove algo sem explicação.
Acho, com certeza, que é
efeito da minha paixão.
Enquanto te penso,
ouço o deslizar de seus dedos na minha pele
e sinto a sua voz ecoando em meu pescoço
com um olhar sempre quente,
quase que um pedido de socorro.
Será que eu sou ausente demais
da realidade contradissente?
Ou será que fui abduzido
pela paixãodelinquente?
Sabe-se-lá o que for,
é com você que me encanto
e quero ir pra todo canto
te chamando de amor.
Aliás, apelido, você já tem tantos:
é furacão, baby, florzinha, meu amor.
Quero mesmo é seu sobrenome
no cartório, na certidão
e nos frutos do nosso amor.
Quero mesmo é você
me batendo, me surrando
só porque gosta de irritar.
Quero eu te estressando
com meu jeito bem chato
de tentar te amar.

Bruno Cidadão
Tags: apelido certidão

⁠DISCORDÂNCIA
Eduardo e Mônica não discordavam,
eles apenas eram antagônicos,
mas não é por isso que era fácil
uma vida a dois.
O poder da discordância é,
ainda hoje, um poder caro.
Requer maturidade e capacidade,
requer talento e empatia,
requer segurança e uma fala fria.
Comecei a minha análise
em um ponto pouco explorado,
tive uma concepção errada,
fui chamado de mentiroso,
então fiquei agoniado.
Pode parecer que é longe,
mas é perto e tênue
a linha do afeto.
O poder da discordância também
é colocado para o além,
para as coisas que se falem
de Deus e que os homens não sabem.
Nessa infinitude de interpretações
suas certezas me dominam
como um ponto cego em linha reta
ou barco em alto mar.
Mas foi também pela discordância
que um bravo capitão, dito Kakay,
nos fez então unir e concordar.
Ora, pois, mudou de ideia ou
apenas se deu a conformar?
Acho que nesse ganha-ganha
só não ganha mesmo
quem abre mão de discordar.
Porque eu ganhei o dia
ao te ver me olhar.

Bruno Cidadão
Tags: kakay discordância

⁠CLICHÊS vs TRAGÉDIAS
Sou shakesperiano assumido,
prefiro as tragédias aos clichês.
Gosto de entender que há realidade
em tudo que é belo,
e que há aprendizado
em tudo que é feio.
Sou romântico progressista assumido,
prefiro a devoção ao autocuidado.
Gosto de fazer existir histórias
onde só havia ilusão,
gosto de ver luz
no meio da escuridão.
Deveria eu assumir as tragédias
e então reproduzí-las?
Ou inspirar-me em clichês do cinema,
em histórias não vividas?
Prefiro viver uma história de cada vez,
um sentimento de cada vez,
para que quando a hora enfim chegar
haja tanta realidade que já não se sabe
se é uma tragédia ou um clichê.

Bruno Cidadão
Tags: clichês tragédias

⁠INTENSA E DESCALIBRADA
Garota, mulher,
tão feminina,
sabe o que quer.
Sonha em Medicina,
até alucina,
mas tem medo do que vier.
Acho que em ti,
por mais bela
que seja sua fé,
reside a desesperança
ou aflição
da falta de uma autoestima
calibrada sobre quem é.
Ora você duvida,
ora você confia,
gosta de ser crítica,
tem a intensidade que quiser.
Às vezes até chora
se de TPM estiver.
Aos poucos se conhecendo
você irá desenvolver
uma imagem melhor
sobre quem, de fato, é.
Assim, certamente, encontrará
alegria e tranquilidade
mesmo no caos
de decidir o que quiser.
Você chama de vida adulta
as responsabilidades
que virá a ter.
Mas te digo:
logo hoje, responsável
e adulta, é você, mulher.
Talvez eu devesse,
ou talvez não,
me alongar neste poema
ou rimas,
chame do que quiser.
Às vezes eu só quero
dizer pra você
que tenho alegria em
dizer algo pra você:
Seu jeito imponente,
louco ou maluco,
descalibrado,
inocente e desconfiado,
doce e amargurado,
sensível e descontrolado,
controverso e desalienado,
é um jeito lindo
de ver alguém
sendo ela mesma.
Que sua viagem seja boa,
e seus dias sejam terríveis,
para que você perceba
sua força e riqueza,
capaz de enfrentar
até mesmo a natureza,
mesmo em condições de tristeza.
E assim, percebendo isso,
saiba esperar, confiar e acreditar
que tudo é possível,
até mesmo sonhar e realizar.
Que você fique com o abraço
que jamais te dei
e que é provável,
nunca vou te dar.
Ficarei com teus olhos,
sua intensidade e seu falar,
passarás, passarás.
Mas neste momento específico
durarás, durarás.

Bruno Cidadão

⁠RECEITA DE INSUCESSO
Comigo disseram
que eu não era transparente
então me joguei,
deixei conhecer minha mente,
o resultado foi uma
paixão delinquente.
Comigo disseram
que eu era intenso
e precisava a barba aparar,
o resultado foi um
afastamento crescente.
Comigo disseram
que eu não era independente,
mas logo que fui
o resultado foi ver
a outra com um adolescente.
Comigo disseram
que eu fui "ok"
outra vez que fui "bem",
mas a ausência de replay
me diz que ela mente.
Comigo disseram
que gelo eu precisava dar,
mas me cortei no gelo
e tive como resultado
um coração ardente.
Comigo disseram,
e várias vezes disseram,
que me amavam,
mas que amor é esse
que hoje alcança,
amanhã apunhala?
Que hoje sente,
amanhã é ausente?
Que não está comigo
e sim com outro em minha frente?
Comigo disseram,
várias vezes disseram,
que eu não namorava
e que estava perdendo tempo.
Mas como namorar
se a cada paixão eu errava
e paciência ninguém tinha
para um pirralho louco,
carente e sem exemplo em casa?
Comigo disseram
que a receita era ter carro,
não adiantou ter nem usar,
todas hoje têm namorado.
Comigo disseram
que a receita era ser trabalhador,
mas engraçado que trabalho,
trabalho e trabalho,
mas não tem ninguém
ao meu lado.
Comigo disseram
que minhas mãos
não deviam ser lisas,
perguntei-me:
que tipo de atração é essa
que se preocupa com a mão
e não com a vida?
Comigo disseram
que eu não devia expor a dor
deveria omitir parte do que sou,
ora, ora, me senti desgraçado
por não poder ser transparente
com quem estava ao meu lado.
Comigo me disseram
que eu era formal demais
para estar ao seu lado,
isso me feriu pra caramba,
ora pois eu descobria não servir
pra ser seu namorado.
Comigo disseram
que eu precisava dar atenção,
carinho, presente e devoção.
Mas eu desafio alguém
a somar as viagens, ligações,
e tempo à disposição
e mesmo assim
tudo acabou por outra razão.
Comigo disseram:
escolha alguém da sua igreja.
Conheci, me aproximei e me feri
porque o que faz a pessoa
não é estar ali,
o que faz a pessoa é crer
e nunca desistir,
é disposição para amar
e também para servir,
coisa que é difícil encontrar
por alguém que está ali.
Comigo disseram:
você precisa aprender
a pôr tudo na mesma moeda,
você precisa aprender
que tudo tem retorno,
você precisa aprender
que eu não sou brinquedo.
Neste momento, descansei
como quem é abatido por um tiro,
afinal que soldado ferido
não sentiria descanso
ao finalmente acabar com a dor
de um coração partido?

Bruno Cidadão
Tags: coração partido

⁠É impossível barrar o processo, mas é possível acelerá-lo quando já se passou pelo caminho uma vez.

Bruno Cidadão

⁠É preciso buscar fazer a coisa certa mesmo quando isso não está dando certo.

Bruno Cidadão

⁠Cordões umbilicais familiares não cortados impedem a constituição de um novo núcleo autônomo familiar.

Bruno Cidadão
Tags: família cordão

⁠A generosidade é o princípio da fartura.

Bruno Cidadão
Tags: generosidade fartura