Thaél Olegário Junior

Encontrados 2 pensamentos de Thaél Olegário Junior

Notícias Tristes!

O Amor caiu em desuso! O amor agora é Démodé!
O romantismo tão em alta na década de 1920, também está fora de moda!
Murchou como as flores que outrora eram presenteadas em forma de paixão e afeição (as do campo sempre foram as minhas preferidas!).
O amor e o romantismo de mãos dadas perderam-se no tempo, como páginas gastas e amareladas que foram arrancadas de um velho e empoeirado livro de poemas...
Ser romântico é brega, REPITO! O romantismo está fora de moda! Amor líquido é a ultima tendência! As paixões líquidas também estão em alta!
O romance tornou-se algo quase que repulsivo, vergonhoso, doentio, embolorado e cheirando a mofo!
Nocivo, como o chocolate que adoçava os beijos apaixonados... “Pare! O açúcar e o chocolate também estão fora de moda! Você não sabia?” Romantismo açucarado enjoa!
O amor está fora dos “padrões” modernos, tornou-se ultrapassado, quadrado e antiquado.
O amor existe apenas de uma forma lírica e contemplativa, preservado nas páginas dos livros...
Com os avanços da internet que lê livros? Que piegas, que piada! O amor é uma piada! (Risos).

Diante dessas tristes noticias, os românticos incontroláveis e à moda antiga, estão raleando, desaparecendo, morrendo, e alguns estão se matando!
Causas das mortes: Tiros de ilusão que acertaram direto no peito! (Ou foi na cabeça?).
Facadas e punhaladas deflagradas pelas costas! Flechas inflamadas por todo o corpo.
Os eternos românticos foram amargamente envenenados! O sangue que corria quente secou de suas veias! Corações partidos, endurecidos! Petrificados!
As taças de vinho estão vazias, as camas estão frias, alguém está sozinho e se perdeu no caminho, não há bússola, mapa ou GPS que os tragam de volta!
Na mutilação de seus corpos, os corações e as almas foram arrancados, alguém pisoteou e dançou sobre o cadáver deles!
Mas alguns corpos ainda não foram enterrados... Estão por ai... São fantasmas, borrões, sobras e sombras daquilo que eram restos de ilusão.
Eles estão vagando nas ruas como zumbis. Apenas Um vazio repousa no lugar dos olhos, que estão tristes, melancólicos e deprimidos... As ilusões do romantismo do amor os deixaram cegos, surdos, burros e loucos!
Os desiludidos pelo amor e pelo romantismo são facilmente reconhecidos e podem ser encontrados, na fila do metrô, nas mesas dos bares, no meio da fumaça e da penumbra do interior das boates, ou com as caras enfiadas em seus celulares. (Benditas sejam as redes sociais).
Seguem sozinhos, no meio da multidão, fantasmas, sobras, restos, sombras, zumbis, mutilados, cansados, porém continuam iludidos.

Já aqueles românticos que se mataram com as armas da ilusão, não tiveram um funeral honroso! (O objeto de seu amor e de seu desejo, não compareceu ao velório... Não sente remorso, ignora por completo a falta de sua presença, não chora a sua ausência!).
“Eu ouvi alguém dizer que você era um bom homem, mas que padecia da falta de amor próprio, e que você era um cara romântico que não foi compreendido... Ou será que você esta iludido?” Talvez te levem flores no dia de finados! As mesmas flores que embelezavam os amores de sua vida, agora irão enfeitar a eternidade de sua morte. Velas serão acessas em sua póstuma homenagem... Mas em pouco tempo, a agonia de sua memória romântica, agora banida, jazera no completo esquecimento.
Suas afeições e dedicações que já não assentam em coisa alguma, irão desaparecer como uma ultima nota de uma canção, um ultimo suspiro... Sua ultima lagrima de ilusão secou!
Uma vida de ilusões reduzida a uma pilha de ossos embaixo da terra...
Que triste sina pra quem deu cabo da própria vida por causa do amor?!

Thaél Olegário Junior
Inserida por thaelolegariojr
1 compartilhamento

Pequenas Coisas Sobre Ela
Ela tem um sorriso encantador, um alento para quem à ama.
Ela tem um brilho de esperança no olhar, esperança de dias melhores.
Ela tem um jeito único, cativante... Ela estava feliz!
Ela sentia-se sozinha, teve medo, estava com medo.
Ela sabia que ia partir, ela tentou se despedir, mas eu não queria dizer nunca nem jamais adeus.
Ela se calou, seu sorriso foi lacrado, seu riso foi sufocado pela fumaça da dor e do medo.
A luz de seus olhos extinguiu-se, apenas o vazio permanece lá, no lugar que habitava sonhos, paixões e planos.
De sua vida, ela não leva nenhum pesar, ela viveu, amou, dançou, sorriu e chorou.
Ela não habita mais no presente do ontem, mas viverá eternamente no futuro.
Ela soltou da minha mão, atravessou as soleiras de sua porta... Mas ela não se despediu.
Ela foi viver, ela renasceu, suas esperanças foram renovadas, mas ela segue sozinha, o fantasma do medo não mais existe agora ela esta bem, tudo ficará bem.

Thaél Olegário Junior