Rita Leston

Encontrados 23 pensamentos de Rita Leston

Metade de mim apetece-lhe o abraço.
A outra metade levanta a cabeça e segue o caminho.
Metade de mim quer sofá e aquela música. (O Vento)
A outra metade decide antes ir passear.
Metade de mim quer ouvir a tua voz.
A outra metade desliga o telefone.
Metade de mim apetece-lhe o beijo.
A outra metade decide ignorar.
Metade de mim apetece-lhe parar.
A outra metade obriga-me a continuar.
Metade de mim quer esquecer-te.
A outra metade obriga-me a lembrar.

Rita Leston
Inserida por anapaolavichiett

"Tu não sabes quem eu sou, mas eu sei quem tu és... e só preciso de um minuto da tua atenção.

Espero que saibas a sorte que tens. O quanto eu gostaria de estar na tua pele. Poder estar na mesma cama que ela todas as manhãs. Ajudá-la a acordar da má disposição matinal.

Espero que saibas que ela só vai falar contigo depois de lavar os dentes. Não é por mal... é por medo de perder o encanto aos teus olhos. Que a consideres um ser humano comum.

Espero que saibas que ela gosta de aproveitar cada raio de sol, e que o café a deixa mal disposta.

Que escolhe a roupa que vai vestir na noite anterior, só para poder ter mais cinco minutos de sono do amanhã. Que o despertador toca cinquenta vezes até que se levante, e que mesmo assim, consegue chegar na hora.

Quero também dizer-te que ela adora histórias do fantástico. Mas não de terror! Que é capaz de saber o nome de todas as personagens de um livro antigo, mas que não vai se esforçar para decorar os nomes de todos os teus amigos de primeira... Porque ela... ela é que sabe de si.

Tu nunca serás uma sorte para ela. Sorte é poderes tê-la na tua vida.
Sabes? Ela não é romântica por natureza, mas uma demonstração espontânea da tua parte vai fazê-la fraquejar. Porque ela é segura e doce ao mesmo tempo.

Ela sabe cozinhar, e vai esforçar-se para fazer o teu prato preferido. E se não estiver bom ela vai rir do fracasso, em vez de chorar.

E quando ela ri... quando ela ri eu tenho vontade de chorar. Não de tristeza, mas por cada gargalhada como uma nota musical que toca ao coração e me faz querer dançar.

Ela é tudo o que eu queria e nunca soube que tive.

Aprende que a ritmia que sentes com ela é normal!
E que a falta dela é um vazio igual à morte.

Espero que sejas tudo aquilo que eu nunca fui.
Espero que a trates bem.
Porque se lhe partires o coração vais perdê-la para sempre.

Pudesse eu ter lido o futuro..."

- Rita Leston -

Rita Leston
Inserida por aliceferreira
1 compartilhamento

Sabes? Ninguém ama sozinho. Pelo menos sem que retire de nós próprios toda a sanidade mental. Sem que comprometa o nosso próprio raciocínio. Sem que passe a barreira do emocionalmente suportável.

Sabes? Ninguém ama sozinho. E eu estou nesse limite... aquela linha ténue que separa o continuar a ter consciência da realidade ou o mergulhar de cabeça num pesadelo solitário de onde é tão difícil de sair.

Sabes? Ninguém ama sozinho. Inevitavelmente, mesmo ardendo a tua ausência, doendo a tua falta, quem ama solitariamente também se cansa.

Sabes? Mesmo eu amando-te, um dia também tu podes ficar sozinho...

- Rita Leston -

Rita Leston
Inserida por Reader10

Hoje tenho mesmo, saudades tuas.
Saudades mesmo!!!
Daquelas saudades que nos desarrumam as ideias.
Que revolvem lembranças e sacodem a memória.
Saudades que se sente na pele e que nos moem por dentro.
Tenho saudades tuas.
Saudades desse abraço enorme que me envolve por completo.
Saudades desse olhar de miúdo que me derrete.
Saudades do nosso riso e das nossas conversas sem fim.
Hoje tenho saudades tuas.
Mesmo!!!
Saudades de ti.
Saudades de nós...

Rita Leston
63 compartilhamentos

Basta um abraço. Nada mais que o silêncio de um abraço. Bastam uns braços. Os teus braços ao meu redor. Nada mais que a força do teu abraço em mim.
Basta um abraço. Um abraço que tudo acalma. Uns braços que nos protegem. Uns braços que nos envolvem e seguram. Que nos aquecem e acalmam.
Basta um abraço. O teu. Em mim.

Rita Leston
16 compartilhamentos

Basta vires tu. Tu e o abraço. Não precisas sequer de algo dizer, chega só tu e o abraço. Aquele abraço que me cala, sossega e aquieta. Aquele abraço que me faz fechar os olhos, respirar fundo e sorrir.
Bastas-me tu. E o abraço. O que me conforta e descansa. Tu e aquele abraço calado que me traz todas as respostas. Aquele abraço que me retém contra o teu peito. Aquele abraço que faz de mim miúda. E invencível.
Basta vires tu. Eu já cá estou.
Trazes o abraço?

Rita Leston

Apenas três coisas para uma noite descansada: ter-te aqui; ter o teu beijo de boa noite; ter os teus braços para me aninhar.
Adormecer assim. Sem mais. Na calma e no silêncio da noite.
Apenas uma para acordar feliz: continuares aqui pela manhã.
Vamos dormir, meu amor?
Acorda-me bem cedo com um beijo.

Rita Leston

Respirar fundo primeiro. Aguardar a calmaria das emoções. Assentar as poeiras que levantamos. Não prometer, não responder, não decidir. Só respirar fundo.

Rita Leston

Azar? Azar é não tentar, não é não conseguir chegar ao destino que queremos. Azar é não sair dos trilhos e ver o que está do outro lado da vida. Azar é cair e recusares levantar-te. Azar é cruzares-te com quem não queres e deixares que isso te faça mal. Azar não é nada acontecer, é não tomar a iniciativa.
Azar? Azar é acreditares que o azar existe e que te condiciona.
Azar é não conseguires sorrir quando o dia coloca uma nuvem cinzenta por cima da tua cabeça. Azar é não abraçares as coisas simples que te fazem feliz. Azar é esqueceres-te de quem és. Do que queres.
Azar é esqueceres-te de ti.

Rita Leston

Felicidade é acordar contigo. É, pela manhã, ter ao ouvido um bom dia ensonado e um sorriso à média luz. É, a uma Segunda-feira, ouvir "és linda" enquanto te empurro para o lado porque é a minha vez de lavar os dentes. É ter tempo para um café rápido a dois, porque sem aquela pausa o dia não faz sentido. É saber que, ao fim de um dia cheio, recomeça tudo uma outra vez. É voltar sempre atrás para outro beijo porque não nos apetece ir embora. É ter saudades tuas quando ainda aqui estás.
Felicidade são coisas simples. Sempre simples. Felicidade é misturar o modo automático e apressado da manhã com um beijo calmo que nos conforta. Trazer connosco o sorriso que perdura pelo dia. E o abraço que nos ampara.
Felicidade?
Simples: eu e tu.
Logo de manhã.

Rita Leston
Inserida por MarciaToccafondo

E tu? Tu és tu. E há coisas que não se definem. Que por mais que tentemos descrever não existe forma de definir aquilo que representam. Aquilo que nos fazem sentir.
É que tu és tu. Não comparável a qualquer outro. Não traduzível por palavras. Não há forma de descrever o que é o momento de pausa entre dois beijos nossos. Não há forma de definir silêncios olhos nos olhos. Não há maneira de explicar abraços que se trazem no corpo. Apenas se sente e sabe que é ali o nosso sítio.
Tu? Tu és tu. E gosto de ti. E gosto mesmo de gostar de ti.

Rita Leston
Inserida por MarciaToccafondo

Ontem ao adormecer: em quem pensaste? Quem foi a última pessoa que te cruzou o pensamento? Quem, naquele momento em que ainda não deixaste que o sonho te invada, permaneceu na tua mente? Quem se instalou no teu querer e fugiu contigo para o teu sono? Quem levaste contigo dentro da tua alma?
Hoje ao acordar: em quem pensaste? De quem eram os braços que te apeteciam? De quem era o beijo que esperavas que te acordasse? Quem querias sentir junto a ti nos primeiros raios da manhã? De quem era o cheiro que te querias aperceber antes dos olhos sequer abrires?
Ontem, tal como hoje: adormeci e acordei contigo.
E tu, meu amor? Em quem pensaste?

Rita Leston

Há coisas tão simples que nos dão um sorriso que perdura.
Hoje - tal como ontem - o meu sorriso é teu.

Rita Leston

Prometo. Prometo que continuarei a ser sempre eu. Que não mudo o meu mau feitio. Que continuarei a não deixar nada por dizer. Prometo que continuo a levar o mundo à frente quando quero algo. Prometo ter sempre um sorriso e um colo. E lágrimas. E um abraço mesmo nos dias maus. Que continuarei a fazer disparates se me deixares. Que continuarei a ser a mesma miúda rebelde e senhora ajuizada.
Prometo. Prometo ser eu. E o que prometo cumpro.

Rita Leston
Inserida por MarciaToccafondo

Pega-me na mão e diz-me que vai tudo correr bem. Olha-me nos olhos e sorri. Dá-me um beijo e conforta-me. Faz-me um afago e acalma-me. Abraça-me e diz que ficas comigo para sempre. Que vais tomar sempre conta de mim. Que sabes que eu estarei sempre ao teu lado da mesma forma. Que nada existe que nos faça deixar de gostar um do outro.
Promete-me ficar e eu prometo-te não me ausentar.
Toma conta de mim. Que eu tomo conta de ti.

Rita Leston
Inserida por MarciaToccafondo

Definir saudade? Não consigo. É dos sentimentos mais avassaladores que existem. Como se descreve o vazio? O silêncio? A ausência? O pedaço de nós que se ausentou?
Saudades não é só sentir falta de alguém. É sentir a falta de alguém em nós. Dentro de nós. É ter saudades de nós com alguém. É o estar por estar, e o ser por ser.
Como se traduz em palavras aquilo que a saudade corta sem nada nos tocar. Que fere. Que magoa. Que esvazia. Que ecoa. Que enlouquece.
Nada disto se assemelha à saudade que sinto. São pequenas as palavras que a descrevem.
Definir saudade? Não me é possível. Talvez por a sentir tão em mim. Talvez porque me toque na pele todos os dias. Saudades. Infindas. Sempre!

Rita Leston

Não sei desde quando te amo. Não sei quando percebi que tu eras eu. Não sei desde quando soube que me acompanhas desde sempre. Não sei desde que eternidade fazes parte de mim.
Mas sei o exacto momento em que descobri que te amava antes. Sei desde quando percebi que tu já eras o meu sítio. Sei desde quando soube que antes já te queria para sempre.
Estranho? Provavelmente. Mas sei que sempre soube. Há coisas assim.

Rita Leston

Diz que é paixão. Diz que é urgência de dois corpos que não separam mentes. Que é a pressa de chegar aonde de nunca se ausentaram. Diz que é a sofreguidão de um beijo que não pôde ser no imediato saboreado. Que são mãos ávidas de saudade de um toque que ficou marcado. Diz que é a ansiedade de sentir ali no momento o toque desejado. Perceber que pele com pele, arrepia. E que, olhos nos olhos, se ansia.
Diz que é paixão.
Ou diz que será amor?

Rita Leston

Não sei quem tocou em quem. Não sei quem chamou quem. Quem puxou o outro até si. Não sei qual de nós desviou o outro do seu caminho e o fez entrar por outra vida adentro. Não sei qual de nós trocou o coração de lugar. Não sei quem falou primeiro e não deixou o outro calar. Não sei quem não larga e não deixa o outro ausentar-se. Não sei quem jogou o primeiro jogo e deixou o outro ganhar. Não sei quem renasce quando o outro sorri. Não sei quem morre um pouco quando o outro se afasta. Não sei qual é o carente ou quem de nós quer mais mimo.
Já não sei se eu, sou tu. Ou se tu, és eu.
Acho que somos apenas nós.
E isso basta-me.

Rita Leston
Inserida por MarciaToccafondo

Isso é uma ordem? Beijo, sim. Gosto dos teus beijos!
Os recatadamente longos e os pudicamente de fugida. Os de acordar e os de boa noite. Os molhados bem dispostos e os abruptamente secos. No pescoço ou nos lábios. Os bem dispostos e os de birra. Às claras ou de olhos fechados. Os perversos, os tímidos e os brincalhões.
Se te beijo? Sempre!!
Beijas-me?

Rita Leston

Não deixes para amanhã o beijo que me podes vir dar hoje.
Beijo, hoje?

Rita Leston

E é isto que é difícil: sentir que nos beijam a alma. Sentir que alguém se dá a esse trabalho. Que se empenha para chegar onde outros não chegam. Que quer de nós precisamente aquilo que não vê, mas aquilo que sente que somos. Que nos quer: por inteiro.
Beijar alguém é fácil. É um puro acto físico. Basta juntar duas bocas e um beijo está dado. Frio, vazio e sem sentimento. Apenas uma acto. Nada acrescenta e nada ensina.
Beijarem-nos a alma é que é difícil. Beijarem-nos e sentirmos que o mundo desabou. Beijarem-nos e percebermos que aquilo é tudo que ambos queremos. Beijarem-nos e finalmente sossegar. Beijarem-nos e apenas ficar.
Que quando duas almas se querem beijar, que nada as consiga travar!

Rita Leston

Somos bagagem. Somos feitos de coisas que trazemos da vida. Carregamos connosco todas as alegrias e desventuras que já conhecemos. Todas as lágrimas choradas e todos os risos sinceros. Todos os tombos que demos e as nódoas negras que os recordam. Todas as vitórias conseguidas e o suor que as fez alcançar.
Todos somos bagagem. Pedaços de coisas que conquistámos. Fragmentos de experiências. Peças de um todo, que sozinhas não fazem sentido.
Todos trazemos bagagem. Malas cheias de sonhos. Caixas com sorrisos. Pacotes de tristezas. Sacos com saudades. Caixotes com conquistas.
Todos temos bagagem. Emocional. Material. Sensorial.
Somos bagagem. E precisamos de que o outro esteja disponível para nos ajudar a desempacotar caixotes. Mas, antes disso, precisamos de estar disponíveis para aceitar a bagagem do outro.
Somos bagagem. Eu e tu. E, a tua bagagem, é como se minha fosse. Basta entrares e pousares as malas. E recostares-te.

Rita Leston
Inserida por MarciaToccafondo