Ricardo Pantoja - Eu mesmo

Encontrados 6 pensamentos de Ricardo Pantoja - Eu mesmo

Se de tudo se tirasse proveito,
Os livros virariam filmes,
O homem seria reciclável,
E os conselhos seriam ouvidos.

Se para nós tudo que não está no nosso alcance
Tanto faz como fez
Porque apontamos à Lua,
Como se estivéssemos a olhando pela primeira vez?

Ricardo Pantoja - Eu mesmo
Inserida por ricardopantoja

De tudo de mais belo, fica o seu sorriso
De tudo de mais triste, fica o seu sorriso
Entre tudo que mais quero, fica o seu sorriso
E quando olho a cabeceira, fica o seu sorriso
E na escuridão dos sonhos, fica o seu sorriso
Na lembrança, fica o seu sorriso
E no meio do nada, fica o seu sorriso
E quando desisto, fica o seu sorriso.

Ricardo Pantoja - Eu mesmo
Inserida por ricardopantoja

SOLDADO DO POVO – Ricardo Pantoja

De forma pacata vou vivendo minha vida,
Cantando meus medos, desenhando pesadelos
Levando na zombaria.
Sou soldado do povo,
Assinei minha alforria
Li, cresci, vivi
Produzi meus dias.

Há quem diga que a morte um dia me mataria,
Mas vivo minha vida pacata,
Sou soldado do povo
Minh’alma é destemida.
Nem tufões, trovões, maremotos...
Nada me amedrontaria
Sigo borrando meus sonhos, apagando esperanças
Saciando a nostalgia.

Sou soldado do povo
Sou forte, sou robusto
Carrego minhas espadas e meu escudo
Sou fiel a minha bíblia
Não me entrego a nada possível
Tornei-me invencível.
Mas há quem diga que a morte um dia me mataria,
Não abaixarei minha guarda
Mas caso apareça mais um soldado do povo
O duelo sem sangue será na poesia.
Não só de força se faz um soldado
Mas com uma palavra ele muda dias.

Ricardo Pantoja - Eu mesmo

NA SOLITÁRIA – Ricardo Pantoja

Hoje acordei sozinho,
No meu cárcere privado
Olhei pela janela, e não tinha janela
Olhei pela porta, não tinha porta
Procurei luz, não tinha luz
Aos poucos me acostumei com a vastidão do silêncio
Minha pulsação era ensurdecedora
O frio tomava conta...
Desmaiei!

O tempo passou,
A barba cresceu
Saí da minha contingência
Migrei pro meu pranto
Via meu corpo morrendo,
Via meu corpo lutando,
Tentei acordar, não era um sonho

Mas acordei,
Eu estava completamente sozinho,
Até meu espírito me abandonou
Até minha pulsação se calou

Isso aqui é uma tortura
Psicológica e física
Perdi pra minha fraqueza
Chorei! Morri!

Ricardo Pantoja - Eu mesmo
44 compartilhamentos

SÓ MAIS UM ADEUS – Ricardo Pantoja

Apesar de eu não querer que seja dessa forma,
O meu coração a mim não pertence
Quero me desvincular do que me atormenta
Mas não quero deixar de te procurar.
Perdi a noção de como eu poderia desatar esse nó

Liberta-me desse pesadelo
Não quero uma morte lenta,
Não quero morrer aos prantos, sufocado de esperanças
Não quero que falte “você” nos meus pulmões.
Mediante a tudo que vivo,
Tenho a ti como meu elixir,
Minha essência vital está em suas mãos
E não quero mais me repudiar
Não quero mais repudiar a felicidade.

A morte chegará a todos nós
Nosso sangue parará de correr
E mediunicamente nos encontraremos novamente,
Mas, egocentricamente, talvez
Penso que há força para continuar
Serei como uma Fênix,
Retomarei do instante que me encerra,
Entretanto, preciso só de uma coisa: o fim.

Nada será como antes,
Nada será como foi um dia,
Nada será nada,
Jamais será esquecido,
Mas dói ser lembrado.
Preciso, de alguma forma, exceder os meus esforços
Preciso, de alguma forma, achar uma solução
Zelo pela tua felicidade,
Zelo pelo teu bem,
Mas, preciso me despedir com hombridade
O choro será incontido,
Não negarei meus sentimentos, não esconderei minhas lágrimas,
Não terei vergonha de dizer que chorei por amor
Não temerei em dizer adeus,
E o faço nesse momento.

Ricardo Pantoja - Eu mesmo
2 compartilhamentos

Excelência

A incoerência faz com que nós nos tornemos indecisos, faz com que nossas escolhas não sejam diretas só por não ter sentido, ou por ter duplo sentido, ou por que queremos descobrir o sentido daquele sentido, ou por ser só mais uma questão a ser tomada sem relevância, que não tenha mérito de ser julgada.
Deparamo-nos constantemente com interrogações nas interfaces meridionais; qualquer lugar, tempo, modo, verbo, qualquer sintonia distinta presente nos nossos chãos, se opõem ou impõem a algo que alguém já pensou.
Tem sempre alguém pra defender com todas as forças as suas idéias. Questionasse sobre coisas sem explicação, pensasse que pra tudo tem resposta, fazem-se perguntas que são desnecessárias, que não vão explicar as origens, e, que se um dia for explicar, não terá o menor cabimento, não trará nenhum beneficio obvio. Tentam comprovar a origem da vida, e não se preocupam com o porquê da morte. Já estamos vivos, estamos presentes, um bando de seres insatisfeitos então? Ora, porque não usar as perguntas para concretizar algo. Porque guerra? Porque nazismo? Preconceito, por quê? Crianças passando fome? Mas porque isso tudo? Não aflige a sociedade, não causa horror, pânico, medo? Isso é um absurdo, quem vai ajudar? Quem vai melhorar? Cadê o nosso Deus? Temos que viver com base na fé, crendo que tudo vai dar certo, só esperar? Porque os menos favorecidos têm que saber esperar? Porque os direitos iguais não são iguais? E mantendo-se em duvidas, criasse uma nação “burra”, uma nação imponente.
Precisa-se de gente, não como a gente, que sinta gosto de viver e aproveitar a vida sem ressentimentos, sem intuito de saber a razão pela qual está viva; gente que só queira viver mais, e que continue vivendo intensamente, querendo ter seus quinze anos de novo e achando-os a melhor fase das suas vidas, e por ser a melhor fase, buscam refleti-la no presente, mesmo com seus oitenta. Precisa-se de pessoas vividas e experientes que recomendem que os tão ocupados jovens aproveitem a vida de forma consciente como eles um dia aproveitaram, que saibam extravasar limites dentro dos limites, que cheguem tarde em casa porque estavam em uma praça com a menina ou o menino dos sonhos jogando conversa fora e falando de como será o futuro dos mesmo, e não porque estavam conhecendo algo de ruim pela primeira vez. Precisa-se de “velhinhos e velhinhas” que contrariem a idéia de que para ser melhor tem que ser perigoso, afinal, era bom quando em 40 pulavam corda nas ruelas com os amigos. As palavras idosas geralmente ajudam.
Chega de modismo, chega de falta de personalidade. Pessoas influenciadas não vão tão longe. O melhor empregado não vai ser aquele que melhor cumprir as ordens do chefe, mas aquele que souber cumpri-las e ordenar um espaço de tempo para se impor sobre o que acha certo e errado, idealizando o auto crescimento, buscando ser melhor cada vez mais.
Na vida os grandes serão os ouvintes, que por paciência e mérito souberam guardar informações e que na hora certa, saberão transformá-las em atitudes, em praticas. Quem muito fala, nem sempre tem razão. Tentar ser convincente não é a melhor forma de agradar, persistir “na mesma tecla” não resolve.
Parar, ouvir, analisar, pensar, administrar as idéias, pôr tudo em ordem dentro de uma caixa, tarefa por tarefa, etapa por etapa.
Não devemos nos satisfazer com o que somos capazes de realizar, devemos buscar a excelência. Se nosso cérebro usa menos de 10% de sua capacidade total, precisamos então saber que podemos ser melhores. Melhores como? Cresça 1% por dia. Demoramos 10, 20, 40, 80 anos e só usamos 10%, vamos melhorar isso, vamos crescer 1% por década. Ótimo, conseguimos! Vamos agora, crescer 1% por ano, 1% por mês, 1% por dia, por hora, por minuto, por segundo, vamos buscar a excelência, crescer cada vez mais, sempre.
A nossa caixa é nosso cérebro. Nossa caixa de informação, mas não informações banais, informações sadias; não devemos nos oprimir numa caixa sem porta, sem janela pro mundo, não devemos nos prender e nos privar da vida, temos que querer saber coisas que nos tragam benefício – “Quero e vou conseguir”, nosso futuro tema – todavia, vale lembrar que a seriedade mata. Tudo de mais prejudica de alguma forma, então, goze, aproveite também, ria e conte piadas.
Ao invés de porquês, busque felicidade, não se tem motivo pra ser feliz. Busque amores, também não se tem motivo pra amar, mas amar dói, quem ama sente medo, mas não se pergunte sobre o medo, apenas viva. Viva intensamente, da melhor forma, da forma mais correta, cada um tem sua definição de bom e ruim, gosto não é discutível, o seu “correto” não será, obrigatoriamente, o meu.
Deixe a indiferença de lado, todos nós somos capazes das mesmas coisas, só fazer por merecer, o esforço é a base do sucesso. Deve-se sempre ser humilde, ter consciência que para sermos excelentes, devemos nos igualar aos que já estão mais avançados nesse processo de melhoria, e jamais julgar e desmerecer os que ainda estão começando. Dê sempre uma palavra amiga, seja companheiro. Resolva intrigas, apazigúe-as. Provavelmente, seu crescimento será relativo. Há muitos na briga pela vida, não desperdice tempo. Não existe tempo perdido, existe tempo mal aproveitado. Não faça inimigos, junte-se as pessoas, amigos, viva em sociedade; quando se vive em harmonia com o próximo, há um fluxo maior de informações, isso te ajudará no percentual a ser atingido.
A excelência, basicamente, não é atingida apenas de acertos. O erro é aceitável, quem não erra é porque não tenta ou já tentou demais uma coisa e agora sabe como fazê-la, não tenha medo de errar, para ser excelente devemos passar por desafios, ninguém consegue superar uma coisa que nunca viu – ao menos que já tenha uma base. Erre, e aprenda com os erros.
Têm os que se esforçam para serem excelentes, enquanto outros esperam a sorte “bater na porta”, achando que tudo de bom irá vim por vontade própria, ou por vontade dela. Não se deve contar com a sorte, a sorte é uma incerteza, a sorte é uma dádiva, só para alguns, ela não é concreta, nada é concreto, só o passado que não se pode apagar. Não viva de passados, corra atrás de futuros sonhos, realize-os.
O seu amanhã é reflexo das coisas que você fez no passado, com o rumo que você decide no presente. Então seja bom, faça o bem, e tenha certeza, tudo isso será recompensado.
E você? Você é a soma do seu passado mais a sua circunstância. Equivale com o que se fez anteriormente mais as suas conseqüências. Sobretudo sabemos quem somos; nosso ego afirma, mas dizer o porquê no momento em que temos que o fazer, não só se exprime o que se sente como o que se sente se transforma lentamente no que é dito. O “eu” é a auto-avaliação que fazemos, e para o nosso crescimento precisamos, acima de tudo, aceitar com vigor as idéias que são postas, aceitar que nos julguem.
Têm pessoas que alcançaram um nível maior de excelência, que conseguem designar o “quem sou eu” dos outros, que sabe dizer quem é cada um com um simples olhar, e quase sempre não aceitamos quando ouvimos a opinião deles e mais tardar nos perguntamos: “como ele sabia disso?”.
A vida é difícil de ser vivida, é um jogo onde meros pecadores batalham para superar as expectativas de um olheiro: a vida particular de todo mundo em que todo mundo se faz íntimo de cada um. E essa de que no jogo o que importa é participar, é extremamente errôneo. O importante é ganhar. Tudo e sempre. Essa história que o importante é competir não passa de demagogia. É irreal pensar que vou vencer sempre, mas sempre espero que a derrota não venha neste fim de semana. E como diria Ayrton Senna – “no que diz respeito ao desempenho, ao compromisso, ao esforço, à dedicação, não existe meio termo. Ou você faz uma coisa bem-feita ou não faz”.

Ricardo Pantoja - Eu mesmo
2 compartilhamentos