Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho

1 - 25 do total de 45 pensamentos de Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho

Oferenda

Ofereço, puro e casto, meu amor
A ti, feito e fruto da honestidade
Tão singela, tida como verdade
Por poetas e loucos, sem maior pudor

Ofereço, no ímpeto do meu ser
A vida na sua forma mais intensa,
E prometo fazer dela uma crença
No âmago tão incerto do teu querer

Ofereço as estrelas em protesto
Ao tempo, tão pouco e tão pertinente
Que carrega, deste poeta modesto

O teu olhar, inebriante e displicente
E por fim, se existe mesmo um, atesto
Que tu deixas meu viver mais contente

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
10 compartilhamentos

Feito poesia

Perseverança é feita de sonho
Sonho é feito de criança
Criança é feita de brinquedo
E brinquedo é feito gente

Gente é feita de sonho
Sonho, efeito de tudo
Tudo é feito do nada
E nada é feito de tudo

Tudo é feito de gente
Gente é feita de esperança
Esperança é feita pro futuro
E o futuro se faz com garra

Garra é feita de perseverança
Perseverança é feita de sonho
Sonho é feito pra gente
E a gente é feito de amor

E o amor...
Ah, o amor é feito fonte
Que brota e a gente vê passar

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
21 compartilhamentos

É, eu tô amando uma morena, fruto tropical.
Uma morena que tem os olhos verdes. Morena verde.
Quando ela me olha, parece que me despe por completo,
logo eu, que fico tão orgulhoso em dizer que a Física
é o meu passatempo predileto fico assim sem reação
quando estou perto dela. Além do ar de menina carente,
às vezes ela usa um óculos que a deixa com cara de mulher
decidida, intelectual, cheia de si, o que dá um toque
maior de sensualidade.
Sabe, fazia tempo que eu não me apaixonava, esse amor
tá fazendo bem pra mim. Tá me fazendo descobrir quem eu
realmente sou. Descobrir que eu vivo num país plural, e que
tem espaço pra todo mundo.
Comecei a refletir sobre o quanto a gente fica com bobagem
em querer ser igual aquele cara da novela, aquela modelo
que apareceu em tal programa, Cada um tem sua essência,
e nisso consiste a beleza do mundo, ainda mais pra nós
que vivemos num país como o Brasil, multicolorido.
Descobri que não existe apenas uma garota que vale a pena,
Aquela que é o centro das atenções de um grupo social, que
nunca dá valor a quem merece e sempre faz doce. Deixa fazer,
sempre preferi pratos salgados mesmo. A gente demora, mas se
dá conta de quanto tempo perde em querer provar pra todos que
a gente tem valor.
Existe um valor universal? Existe código de barra pra
ser humano? Qual a melhor, loira, negra, ruiva, morena?
Ah, eu tô amando uma morena, que é amiga da loirinha,
que sempre estuda Física comigo.

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
12 compartilhamentos

Minha virtude

Diz que me ama em silêncio
E me faz esquecer tudo que eu penso
Me leva de volta pro início
E faz da tua boca o meu vício

Eu abri mão de tanto para estar aqui
Agora não tem mais como fugir
O teu querer é minha vontade absoluta
Me abraça, fecha os olhos e escuta:

Você é minha virtude, meu erro
Meu sonho, meu desejo
Minha segurança, paraíso concreto
É quem me faz feliz por completo

Só você conhece os meus instintos
Sabe bem brincar com o que sinto
E eu entro totalmente no seu jogo
O bem e o mal, a água e o fogo

O tempo passa e novamente estamos aqui
Olhando o horizonte, sem ter pra onde ir
O meu querer é tua vontade absoluta
Me abraça, fecha os olhos e escuta

Você é minha virtude, meu erro
Meu sonho, meu desejo
Minha segurança, paraíso concreto
É quem me faz feliz por completo

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
19 compartilhamentos

Eu rio, você mar

Eu gosto de MPB
Você é Flamengo
Eu prefiro saber por quê
Você deixa com o tempo

Eu toco violão
Você adora uma micareta
Eu presto atenção
Por favor, não me esqueça

Você pula sem medo
Eu piso no chão
Você diz que é segredo
Eu seguro a sua mão

Você sabe o que quer
Eu quero o que sei
Você me despersou
E eu me embriaguei

Você me olha um instante
Eu rio, você mar
E isso é o bastante
Pra eu escolher sempre te amar

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
22 compartilhamentos

Metamorfose - I

É bossa nova o som que sua luz toca
Mescla os raios de sol ao puro vermelho
Que enaltece sua branca face em anseio
A confirmar meu juízo: é carioca

Mas não conclua agora nem muito pense:
Leves traços, mas seu olhar irradia
O poder de atrair com toda a ousadia
E assim me faz pensar: é brasiliense

É a moça que brinca com meus sentidos
É dentre todas, a mulher mais bela
É a dona dos tesouros escondidos

Onde o sol e o céu são somente dela
É a menina que faz sonhos partidos
E eu pergunto: afinal, quem é ela?

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho

Impressionista

A resposta pra tudo
Meu porto seguro
Uma resposta ao tempo
E eu te amo

E pode a vida passar
Sem parar
E pode o céu repousar
E eu vou te amar

Simples, concreto
Ninguém é de ferro
Meu amor se se faz assim
Nascente, sem fim

E um sorriso se faz meu
Como o meu futuro se faz teu
E eu poderei dizer minha lei
Fui homem, imperfeito, mas amei

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho

Gestos simples e camuflados

Ver - te por ver
Sentir e não poder dizer
A verdade

Querer - te por querer
Por livre arbítrio ter que escolher
Uma amizade

Navegar por navegar
Na imensidão do seu olhar
Que retrata a incerteza

Tocar por tocar
A sua pele, brilho do mar
Que só remete à pureza

E finamente amar
Mas não amar por amar
Porque o amor pode ser singular

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri

Canto de partida

Se levaste o teu olhar,
Leva também este altar
Que enxergavas em nós

Se levaste as tuas mãos,
Leva também a canção
Dos teus toques, a sós

Se levaste o teu sorrir,
Leva também o porvir
De toda a minha dedicação

Se levaste os teus planos,
Leva também os enganos
Que eu fiz ao meu coração

Se levaste o teu zelo,
Leva também este apelo:
Nunca deixe de fazer - te amada

Se levaste o teu cheiro,
Leva também meu corpo inteiro
Que é tua maior morada

Se levaste os meus pensamentos,
Leva também os juramentos,
Que ecoam como uma tortura

Se levaste o teu tempo,
Deixa – me também isento
Leva esta hora impura

E por fim, se levaste a minha vida
Leva também a tua partida
Pra eu nunca mais lembrar quem fui

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho

Carta a uma ovelha

Há muito me questiono sobre o que me atormenta...
Que não recaiam sobre a minha cabeça o título de cético
Ou as baratas ironias dos manipuladores da verdade:
A fé que move montanhas aquece o meu espírito;
Os templos que louvas abrigam a arte em que mergulho;
Os versos de que tu necessitas, mesmo que despidos de significado,
São proferidos em nobre oratória;
A força com a qual defendes teus princípios faz até grandes mestres se espantarem.
Mas, algumas coisas ainda são uma incógnita para a minha pobre compreensão...
Por que a tristeza que os teus olhos encerram teima em ofuscar
A alegria que a tua boca propaga?
Por que os castigos de que tens medo parecem pequenos diante
Da agonia da tua alma?
Por que os caminhos nos quais andas não contém a marca dos teus passos
E sim os teus rastros?
Por que a voracidade com que juntas as duas mãos é a mesma
Com a qual apontas o teu dedo para criticar o semelhante?
Por que vives à margem de ti mesmo?
Por que pagas um preço pelo dom que já tens?
Por que morres um pouco a cada dia?

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri
1 compartilhamento

Estrelas da esperança

Que os teus olhos sejam sempre os portais
Por onde se perdem os meus encantos,
E neles encontre todos os santos
Que lhe agraciaram com a minha paz

Que o teu jeito sapeca de menina
Nunca deixe solta a maturidade,
Que a tua mente desfrute a liberdade
Dos que desacreditam de uma sina

Que guardes consigo as muitas estrelas
Vindas do vasto céu da tua esperança
E não duvides da beleza em tê-las,

Como um farol a guiar as mudanças
Porque se, atenta, puderes vê-las
Verás que és ainda a mesma criança

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho

As cartas que você me escreveu

Ontem eu reli as suas cartas
Enquanto as lembranças salgadas
Faziam borrões nos seus escritos

À medida que o tempo corria
A gramática realçava a ironia
De um ponto após o “infinito”

Nem as bordas do papel coloridas
Retomavam as cenas descritas
Por aquele texto estático

E as marcas das nossas escolhas
São as dobras daquela folha
Em um silêncio diplomático

Ontem eu guardei as suas cartas
Enquanto as lembranças fartas
Justificavam o meu ato

Abri a gaveta do criado mudo
E coloquei junto com tudo
Sua foto três por quatro

Não menosprezo a literatura,
Um ideal ou uma musa,
Camões ou Machado

Mas à medida que o tempo caminha
A vida realça a ironia
De um sentimento ser grafado

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri

Quando éramos crianças

Ainda me lembro de quando éramos crianças
O sol batia na janela
E na nossa imaginação
Eram apenas brasas vindas de uma bola gigante
Sabe... a pureza do seu sorriso
Quando derrubava sorvete na roupa
Era motivo de riso pra mim também
Eu dizia que quando crescesse
Ainda seríamos amigos

Bem... e agora crescemos
Continuamos nossa amizade,
E... que estranho
Aquelas velhas brasas da janela
Parecem estar dentro de mim
Quando você dá aquele puro sorriso
E eu não sei o que dizer...
Sinto frio na barriga
Como se tivesse derramado sorvete
Quando você diz que finalmente crescemos.
Ah, o mundo é tão incerto
Será que te conheço tão bem
Que a amizade não é mais suficiente?
Ou será que o presente
Não é mais como era antigamente?

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri

Pedido acanhado

Ei, me dá uma célula?
Você tem milhares, milhões...
Eu sei que é estranho, mas...
Sabe, se eu te pedisse seu coração
Estaria sendo sendo como todos esses egoístas
Que querem o vermelho das suas bochechas
Quando você fica com vergonha
Só para eles
Realmente, eu poderia pedir seus pensamentos
Mas acho que me atrapalharia todo
Pois já fico sem saber o que dizer
Quando me aproximo de você
Ah, ainda me sobra a sua atenção!
Mas não, isso também não vou pedir...
Porque a todo o tempo já sou atento demais ao seu sorriso
Agora, com uma célula
Terei apenas um pedacinho de você comigo
Mas nem com todas as cédulas dos poderosos
Eu cedo esta pequena grande parte de mim

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri

A cidade

Lá está ela: a cidade
dotada de grande experiência
por já muito ter abrigado
gente de muito canto, todo lado
muitos ternos doutorados
e o João, coitado
que nem sabia o que era
o mundo globalizado

Mas também, a cidade
não quis parar no tempo
e aprendeu a se virar
está pronta parar abrigar
o Zé, o Paul, o Edgar
quem quiser ali ficar
por que, do jeito que está
é quase tudo um mesmo lugar

É tão fácil de encontrar
tudo o que você quiser
um carro, uma mulher
um romance, um affair
aquilo que vier
e o que você puder

Só não é fácil de achar
o que é nosso de verdade
a poesia da cidade
os cantos de quem tem vontade
de expressar como é bonito saber
que é um só no mundo
que quer ser um

Lá está ela: a cidade
dotada de grande excitação
por ser o coração
multicolorido de toda a nação
de gente de toda crença,
qualquer etnia, criação
a cidade da Maria,
e quem diria, do João
que agora sabe falar inglês
Mas continua sem saber
O que é a globalização

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri
1 compartilhamento

A atriz

Eu vi as minhas surpresas passando
Em seus olhos de euforia
E não sabia se estava interpretando
Ou só dizendo à platéia
Que podia existir a poesia

Eu vi as minhas alegrias passando
Em seus gestos de leveza
E não sabia se estava aproveitando
Ou só contando à platéia
Que podia brincar com sua beleza

Talvez seja, a atriz, o complemento
Do meu curioso destino
Passeia pelo meu papel
Decifrando emoções, criando hinos

Já não consigo decifrar
Se ela vive ou atua, então
Deixa o espetáculo continuar
Que tentar decifrar é em vão

Eu vi as minhas paixões passando
Em seus beijos ardentes
E não sabia se estava morrendo
Ou só mostrando à platéia
Que podia um momento ser eternamente

Eu vi os meus sonhos passando
Em seus suspiros dobrados
E não sabia se estava no céu
Ou só dizendo à platéia
Que é futuro, presente e passado

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho

A porta

A porta estava quase fechada.
com um cadeado novo, de metal
brilhante, pronto pra envelhecer
e virar história amarga que não
se conta em livros de auto ajuda

Com cuidado você a abriu,
mas não perguntou nada.
Tirou a cortina da frente da janela,
deixou o sol entrar por onde
nunca devia ter saído, e aos poucos
foi ajeitando tudo para que a sala
ficasse apresentável.
Fez sumir a poeira da estante,
colocou uma música pra tocar,
mas não quis cantar ou dançar,
apenas sorriu, como fosse o passado
um bobo diante de tudo
que a vida reservava pro futuro.

Não fez com que sua presença
fosse, em nenhum momento
necessária, e sim desejada.
Um alguém que mostra como é bom
ser livre com hora marcada
para voltar para o café, para a cama,
para o bolo de domingo
ou o beijo de despedida na saída.

E antes que se pudesse saber
qual seria a nova rotina dali,
partiu.

Não disse “já volto”,
mas deixou subentendido
que o tempo é relativo.
Não deixou um bilhete,
e sim um papel em branco.
Não deixou fotos,
mas um porta retrato vazio.
Não deixou quando,
mas quem sabe, um talvez

Só deixou saudade
e a porta aberta.

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri
1 compartilhamento

E hoje eu falo coisas
Que nem uma criança acreditaria
Frases de efeito
Que eu tanto critiquei um dia
É tão triste perceber o fim
Daquilo que nem começou
Apaga a luz, fecha a cortina
Que vai começar o show

Não me olhe assim
Como se não tivesse nada a oferecer
Além de tudo que você me dá
Agora é comigo
E se eu escondo a verdade
É pra também não lembrar
Que o tempo passou
E só eu não mudei de lugar
Eu disse que era o fim
Mas dentro de mim
Ainda preciso me encontrar

E hoje eu falo coisas
Que só uma criança acreditaria
Com a ingenuidade
Que eu tive que perder um dia
É melhor ser dono das suas escolhas
Do que adiar um não
Mas não se pode afastar
Do que faz feliz seu coração

Não me olhe assim
Como se não tivesse nada a oferecer
Além de tudo que você me dá
Agora é comigo
E se eu escondo a verdade
É pra também não lembrar
Que o tempo passou
E só eu não mudei de lugar
Eu disse que era o fim
Mas dentro de mim
Ainda preciso me encontrar

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri

Esperança

A razão debocha,
o olho não vê,
o ouvido não escuta,
a mão não alcança

A lógica afrouxa,
parâmetro é o quê?
A realidade luta
e a imaginação dança

O tempo encosta
sua cabeça nos ombros
do impossível
e chora apor ser infinito
e infiel a todos
aqueles que dele
esperam, sem saber
a diferença entre
um relógio e
um refúgio

O sonho aposta
e paga pra ver,
ao querer imputa
o poder da mudança

Mas quem não gosta
de conseguir prever
o que tudo refuta?
Esperança é espera de criança

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri

Beauty fool – Capo na 3ª casa
(D A4 G4/C Bm5+)
Ela passa horas em frente
ao espelho procurando
o que eu encontrei na
primeira vez em que a vi
ali sentada esperando
o mundo parar
pra lhe dar uma chance
de ser feliz
Ela passa horas em frente
ao espelho procurando
o que eu encontrei em
todas as vezes que lhe vi
imersa em pensamentos
brigando com o tempo
pra voltar a ser criança
e saber aonde ir
Refrão:
(G Em7 C4 C)
Esqueceu
que o céu pode desabar
o tempo pode até parar
e nunca mais luzir
que ainda é seu
o sorriso de criança
que eu levo na lembrança
nunca te falei pra ir
(G6/C Bm5+ G A)
Embora...

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri

Se não fossem os seus olhos

Se não fossem os seus olhos,
Com certeza, o mundo seria mais triste.
Eles são o elo entre mim
E tudo que eu não consigo escrever,
Falar, imaginar, compreender

Se não fossem os seus olhos,
Eu não teria tanta certeza
Da transcendência da matéria,
Da eloqüência de um gesto,
Do futuro da poesia

Quando doce, você pára e divaga
O brilho deles consegue
Me trazer a calma do mar
De Ipanema, e ao mesmo tempo
A noite estrelada de Van Gogh

Se os olhos são a porta da alma
Os seus olhos são a alma
Sem barreira e precedentes
O reflexo da paz que eu nunca
Imaginei poder encontrar

Se não fossem os seus olhos,
Eu não sei o que seria desse lápis
Preto, tão vago
Que parece ter sido feito
Pra encontrar os seus cílios
E contornar a mais bela obra
De vanguarda que o mundo já conheceu

Sim, de vanguarda, porque o seu olhar
Não respeita qualquer padrão
Não se curva a ninguém
Apenas reluz, como uma extensão
De toda a beleza dentro de ti

Às vezes acho que o tempo pausa
Para contemplar os olhos teus
Assim, como quem não quer nada
E tentar descobrir o segredo
Do meu encanto ao te ver

Ah, se não fossem os seus olhos,
Eu não teria dito ao destino:
Eu quero é ser poeta.

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri
1 compartilhamento

Quando quero sorrir,
sorrio comigo, assim
baixinho, como fizesse
o mundo sentido maior que eu

Quando quero descobrir,
paro pra errar
muito mais que acertar.
Pode ser o tiro mais importante
que o alvo

Quando posso ser criança
recorro em maior parte
ao presente do que às lembranças
como fosse a vida
uma troca de brinquedos

Quando preciso ser adulto
lanço mão da experiência para
moldar o impossível: existem
cento e cinco mil caminhos
para a felicidade

Quando quero viver,
tiro os olhos da janela
e os coloco embaixo do nariz
e acima do umbigo
porque os substantivos
são da realidade e os
adjetivos são meus

Quando quero morrer,
simplesmente morro,
sem perder a hora de acordar
na segunda feira de manhã

Mas quando quero
ter você, eu posso
ser adulto ou criança,
morrer ou me descobrir,
viver e sorrir...
Só deite a sua cabeça
no meu ombro e deixe
os seus olhos refletirem
o pôr do sol

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri

Soneto do amor em si

Amo-te assim, sem troca e sem barganha
Sem resquício de culpa ou de perdão
Amo-te no limite em que a razão
Delira e me permite tal façanha

Amo-te, sem querer saber se ganha
O ceticismo, sombra da emoção
Ou o relógio, carrasco da ilusão,
Meras medalhas para quem apanha

Amo-te só, com o êxtase primeiro
E a experiência de quem muito amou
Unindo-os enfim, como um carpinteiro

Que com calma, trabalha com ardor
E sem terminar, repete o roteiro:
Todo dia se constrói um grande amor

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri

A garota e seu jardim

Ela olha cada flor do seu jardim
como um sentimento que passou
deixando saudade, ou apenas
a lembrança de que sentiu
alguma coisa maior que a sua
própria existência

O cuidado é diário.
A satisfação contemplativa
que tem os visitantes, para
ela é vaidade, porque o
vermelho da rosa tem uma
gota do seu sangue.
Mas foi dado com carinho.
Afinal, quem seria a jardineira
se não amasse os espinhos?

Não exalta a ilusão como
cenário ideal para a vida
mas, sabe a importância
dela para que esse cenário
seja construído e conquistado,
porque se não acreditasse
que um dia voaria como
as borboletas que pousam
no seu jardim, talvez suas
asas não abarcariam
tantas flores.

Quando uma flor morre,
seu coração vai junto.
Parece que o cuidado,
suas horas de esforço
se perderam em algum lugar
onde já não tem relevância.

Mas quando chega
uma semente nova,
ela planta com a expetativa
de que se torne ainda mais linda
do que a flor que morreu.
E enquanto rega sua nova
esperança, redescobre
a coisa mais importante:
ela ainda sabe cultivar!

E olha cada flor do jardim
como um sentimento.
E deita,
sorri,
inspira.

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri
1 compartilhamento

Beauty fool

Ela passa horas em frente
ao espelho procurando
o que eu encontrei na
primeira vez em que a vi
ali sentada esperando
o mundo parar
pra lhe dar uma chance
de ser feliz
Ela passa horas em frente
ao espelho procurando
o que eu encontrei em
todas as vezes que lhe vi
imersa em pensamentos
brigando com o tempo
pra voltar a ser criança
e saber aonde ir

Refrão:

Esqueceu
que o céu pode desabar
o tempo pode até parar
e nunca mais luzir
que ainda é seu
o sorriso de criança
que eu levo na lembrança
nunca te falei pra ir
Embora...

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho
Inserida por petronio.olivieri