Márcia Cristina Lio Magalhães

Encontrados 6 pensamentos de Márcia Cristina Lio Magalhães

Ouça

Não espere de mim muitos amores
Pois o pranto desta ausência me machucou

Na companhia de um beija-flor
Que toca a rosa como se fosse a última vez
Esperei voltar a tocar teus lábios
A sentir teu cheiro
A ouvir teu coração

Na solidão da espera
Mergulhei meu pranto
Minhas lágrimas foram ao encontro do mar...
Num oceano de dúvidas e palavras fúteis
Cá estou eu ainda a lhe desejar

Não demores a ouvir o que te diz a brisa
Quando ela em sobressalto tocar-lhe a face

Ao nascer o sol reverencie-o
Ao cair a chuva dê-lhe teu melhor sorriso
Pois estes a quem reflito
Tem sido a tempos meus únicos ouvintes...

Só quem amou de verdade sabe a real intensidade
de um amor perdido.

Márcia Cristina Lio Magalhães

Eu e o mar

Calmo mar
Poesia deserta
Saudade do mar
Ilusão incerta
Olhos que vagam...

O mar a noite
Espera vazia
Esperança tardia
Das dores do mar

Me olha mar
Me sente mar
Me ouve mar
Me chama o mar...

Coração estremece
Rudeza da vida
Noite esquecida
Brisa que passa...

Vejo o espelho
Sem imagem
Lembro do mar
Que me sorri e me afaga

Olho novamente
Derrepente a imagem
Eu sou o mar
Profundo
Sozinho
Chorando em silêncio...

Márcia Cristina Lio Magalhães

Se o vazio que sinto por tua ausência, pudesse ser medido
comparado, diria que vivo entre o limiar de um abismo e as profundezas d'm lago!

Márcia Cristina Lio Magalhães

É mais fácil perder a razão por amor do que encontrar respostas para compreendê-lo!

Márcia Cristina Lio Magalhães
Inserida por Mamag

Escolhas

E caminhas tu na rua deserta da solidão
Nega-se a abrir os portões do cárcere
Pois é mais fácil viver á sombra da despedida
do que guerrear com a vida à própria sorte...

Ora direis dos versos que te fiz
Aprendeis com o vento, no lamento do sol
Mais vale amar uma rocha e lapidá-la com o tempo
Do que ter em mãos um diamante frágil

O destino é um trem sem estação
Pois guardais no vagão só o que nele cabe
Não perderei tempo planejando a viagem
Embarco, sonho, olho as paisagens

A medida do amor é não ter medida certa
Porque a paixão é rua deserta após a tempestade
Quando um coração se mostra de verdade
Não há como sucumbir a alma e apagar o que se sente...

Viveis hoje o que lhes cabe viver
Sonhais só amanhã com o anoitecer
A vida assim como o amor, também é passageira
E num piscar de olhos, apagam-se as estrelas...

Vão passando as horas no limiar do tempo
Na covardia das sombras a nos assustar
Rasguem o destino, quebrem as amarras
Pois meu coração não vos deixarei selar!

Márcia Cristina Lio Magalhães
Inserida por derly58
1 compartilhamento

A poesia é somente uma linha desenhada de amor...

Márcia Cristina Lio Magalhães
Inserida por Mamag