MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

Encontrados 21 pensamentos de MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

APRENDIZADO PELA DOR

Não se cobra, não se exige qualquer tipo de sentimento.
A Vida já me vinha ministrando esse ensinamento.
Todavia, não fui bom discípulo,
Repeti a lição, mais que o triplo.
E a Mestra de todos os viventes
É especialista em didática,
Para cada discípulo, coloca um método em prática.
Para os discípulos várias vezes repetentes,
Ela usa o método “chorar e ranger os dentes.”
Nunca exigi amor de uma mulher
Ou de outra pessoa qualquer;
O mais nobre dos sentimentos
Não é para um Ser pobre de sentimentos.
Mas, quando, a alguém dedicava amizade,
Exigia retorno na mesma intensidade.
Tive de perder boas amizades,
Afastar de mim, pessoas especiais de verdade,
Para aprender que não se exige sentimentos,
Nenhum tipo de sentimento;
Eles são livres como o vento,
Que “sopra onde quer.”
Tão grande foi a dor que senti,
Na última lição que vivi:
Valeu-me como Exame Final;
Agora é Saber indelével em meu cabedal

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

A BELEZA DO SORRISO

Sou encantado pelo sorriso das pessoas.
Já ouvi dizer que gente
É o único animal com sorriso.
Sinal de evolução dos descendentes do Paraíso.
Os sorrisos mais significativos:
Sorriso de mulher: sorriso mais belo que outro qualquer.
Sorriso de criança: sorriso esperança.
Sorriso de mãe: sorriso sagrado.
Sorriso de pai: sorriso protetor.
Sorriso de médico: sorriso encorajador.
Sorriso de professor: sorriso incentivador.
Sorriso de idoso: sorriso experiente.
Sorriso de jovem: sorriso promissor.
Meu sorriso: sorriso escasso.
Sorriso dos enamorados: sorriso de amor.
Sorriso de amigo: sorriso de confiança.
Os sorrisos são telas ao vivo,
Sem paisagem nem imagem,
Sentimentos e emoções são a mensagem.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

SER INEXPLICÁVEL

Sou como sou, porque,
um pouco:
A Vida me lapidou.
Um pouco:
Meu sangue herdou.
Um pouco:
O meio, a época marcou.
Um pouco:
A evolução se realizou.
Um pouco:
É o que se estagnou.
Um pouco:
Nunca se explicou.
Um pouco:
Minha livre escolha optou.
Falou, falou,...
E nada explicou.
Afinal, por que sou
O que sou?
Por que sou
como sou?

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

INESGOTÁVEL RESERVATÓRIO

Quando pensamos ter perdido tudo,
As mais importantes situações vivido,
Ter saboreado o que há de mais delicioso,
Ter conhecido as pessoas mais interessantes,
Ter encontrado o amor perfeito, o melhor amigo...
Ter sentido o maior prazer
Eis que a Vida nos surpreende
Com momentos, coisas, pessoas... inimagináveis.
Ocorra o que ocorrer, quantas vezes ocorrer,
Dure quanto durar, perca o que perder,
Aprenda o que aprender, ganhe o que ganhar;
A Vida tem cada vez mais a nos doar.
Aliás, quando pensamos ter vivido os piores momentos,
A Vida pode nos surpreender com atrozes sofrimentos.
Porém, ouvi dizer: a Lei da Vida estabelece
Que se multiplique o Bem
E que vá desaparecendo o Mal.
“Assim como a escuridão é ausência de luz;
O Mal é a ausência do Bem.”

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

LIÇÕES PROVERBIAIS

Chega de choradeira...
“Não adianta chorar o leite derramado.”
Se um projeto fracassou,
A Vida outro já lhe planejou.
Se o tempo difícil não passa,
Tenha coragem, mostre sua raça.
“Água mole em pedra dura...”
Se seu amor o abandonou,
“Amor não abandona, protege.”
E você não sabe o que a Vida para ti elege.
Se você foi traído por um amigo,
“Amigo não trai amigo.”
Você se livrou de um astuto inimigo.
“Quem com ferro fere,...”
Se você está sentindo solidão:
Solidão não mata; fortalece o coraçãorpreendente.
E, como diz a sabedoria popular:
“O que passou, passou.” “Bola pra frente.”
A Vida é surpreendente,
E reserva muitas surpresas para a gente.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)
Inserida por ManoelAlmeida

O MAIS IMPORTANTE...

Mais importante
Que conhecer as filosofias do mundo
É viver as lições de cada segundo.
Mais importante
Que provar as hipóteses da ciência
É viver com paz na consciência.
Mais importante
Que princípios ou dogmas religiosos
É ter pensamentos caridosos.
Mais importante
Que decorar códigos e leis
É viver a Divina Lei.
Mais importante
Que saber o mais importante na vida
É saber: não há nada mais importante
Que a própria vida.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)
18 compartilhamentos

XODÓ
Morena, meu chamego,
Tua ausência me tira o sossego.
Faz-me falta teu afago.
Se não voltares logo,
De saudades me afogo.
Como viver sem teu aconchego?

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

ALMA DE LUA

Hoje é lua cheia
E minh’alma
Ainda mais vazia
Hoje é lua crescente
Como a dor
Que minh’alma sente
Hoje é lua minguante
E em minh’alma
Mingua a alegria restante
Hoje é lua nova
E em minh’alma
A tristeza se renova.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)
Inserida por ManoelAlmeida

PAIXÃO

Quando pouso meu olhar
Sobre ti
Contemplo a mais linda imagem
Que já vi
Quando ouço a voz
Que vem de ti
Penso que um anjo ouviu
Quando meus braços
Abraçam a ti
Sinto as melhores sensações
Que já senti
Quando meus lábios
Encontram-se com os de ti
Já não consigo descrever
O que vi, ouvi ou senti,...

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)
212 compartilhamentos

RELAÇÃO DE DEPENDÊNCIA

O meu querer é transitivo direto,
Pois te quero objeto direto, direto,...
Também pode ser transitivo indireto,
Só quando um “a”,
Preposição do amor,
Se interpõe entre nós,
Então, contrariando a regência,
Nesta relação de dependência,
Faz-me termo regido,
Porque, sem tua presença,
Tudo fica sem sentido;
Pensando bem,
Quero-te no infinito,
Quero-te por definitivo.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

LAÇOS DE AMOR

Os laços de amor,
São difíceis de desatar.
Quem de amor brincar
Pode até se machucar.
Ficará então a chorar
A ferida que teima
Em não cicatrizar.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)
903 compartilhamentos

TEU SORRISO

Para que dúvidas não haja
De que teu sorriso exista
É preciso que o veja,
Ainda assim,
Já não o tendo à vista,
Pensa-se que sonho seja,
E faz que, dúvida incrível,
Uma interrogação surgira:
- Meu Deus, será possível.
Algo tão lindo assim?
E o coração suspira:
- Ai de mim!

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)
94 compartilhamentos

QUERER SEM PODER

Minh’alma se alegra
Euforia por dentro
Minh’alma se apega
Contagia-se te vendo
Minh’alma se cega
Inebria-se te querendo
Minh’alma não nega
Realizar-se-ia te tendo
Minh’alma se lembra
Tristeza por dentro
Minh’alma se entrega
Te quer não podendo.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)
402 compartilhamentos

UMA QUESTÃO DE TEMPO

Eu fico olhando
O tempo passando
Eu fico pensando
O tempo passando
Eu fico esperando
O tempo passando
Eu fico sonhando
O tempo passando
Até quando?
Até quando?
Até quando?
Não responda.
Estou só divagando.
E o tempo passando,
Passando, passando...

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)
17 compartilhamentos

INCOMPLETUDE

Sinto tamanha saudade
De algo que nunca partiu,
Porque também nunca chegou.
Tenho a sensação de ter perdido
Algo que nunca esteve comigo,
É uma ausência, um vazio.
Que jamais foi preenchido,
Nem tem espaço definido.
Estou sempre à espera
De... Não sei bem o quê.
Apenas uma incompletude,
Uma ansiedade sem por quê.
Já vivi grandes amores,
Todos me fizeram feliz,
Todos se foram sem rancores.
Só a ansiedade – esta megera,
Põe-me de castigo
Numa eterna espera.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)
92 compartilhamentos

O INSUSTENTÁVEL PESO DO NÃO-SER

Quem diz que o nada
É a ausência de tudo?
Se em minha vida
Há espaços cheios de nada
E se no nada
Sinto a presença de tudo?
Tudo o que se faz ausente
No nada se faz presente
No corpo, na alma, da gente.
De corpo e alma – na mente.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)
14 compartilhamentos

ATRAÇÃO FATAL

Às vezes me perco
Em meio aos sentimentos
Que me prendem a você.
As horas que passo
Com você
Em meus pensamentos,
Às vezes, são de pura alegria,
Às vezes, são de puro tormento.
Mas sei – estes laços
Que me prendem a você
Não fui eu que os lancei,
Nasceram em minh’alma
Assim que a olhei.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

O VALOR DA AMIZADE

Rejeita-se a amizade de um cão?
De um pobre coitado que lhe oferta a mais pura dedicação?
Pois então, imagina como fica um humano coração,
Se alguém lhe dispensa a amizade carinhosamente ofertada,
Como se os mais puros sentimentos fossem nada.
Entendam, agora, o porquê da negra sombra
Que caiu sobre mim, tornando meu semblante pesado,
Apagando o brilho que em meus olhos era notado,
Transformando meus lábios em pedra,
Que não riem, pois só a tristeza medra.
Pessoas rudes, presas à satisfação imediata dos sentidos,
Bradam: Tudo isso por uma amizade? Duvido!
- Isso é amor não correspondido.
Por fim, o bronco terá pronunciado, despercebido,
Uma grande verdade.
Pois, o amor de uma amizade tem a essência da fraternidade,
Nobre sentimento, com o qual Jesus
Determinado e corajoso submeteu-se à cruz,
Por amor fraterno à ingrata humanidade.
Mas ainda é rara exceção,
Aquele cuja humana condição
Diferencia o que vem da alma,
Do que é apenas sensualidade.
Ó Deus, permita-me usar mais a razão,
Pois estou à mercê do meu coração,
Que, ferido, precisa de paz e calma.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)
2 compartilhamentos

CALMA AÍ!

Vivi até hoje
Com sofreguidão
Agora a vida
Me impõe lentidão
Vivi até hoje
Com avidez
Agora as coisas
Vão de vagar
Uma de cada vez.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

POEMAS LEVEDADOS

Faço poemas
Como se faz pão caseiro:
A massa tem de ser misturada,
Atritada, homogeneizada, levedada.
Os ingredientes que formam
A “massa” de meus poemas
São: meus pensamentos, minha emoções,
E minhas sensações.
Dois “recipientes” básicos são usados
Na preparação de meus poemas:
Minha mente e meu coração.
O processo de levedura
- Como no pão caseiro –
Às vezes é demorado,
Depende das “condições climáticas”:
Quanto mais quente melhor.
Só escrevo poema
Sob pressão e calor.
A mente e o coração
Têm de estar em ebulição.
Às vezes, como no pão caseiro,
Meus poemas saem meio puxados
No “sal e/ou no açúcar”;
É que, já me disseram,
Sou um tanto quanto exagerado
Ao expressar meus sentimentos.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)
Inserida por ManoelAlmeida

RELEVO SENTIMENTAL

Às vezes, sou um abismo tão profundo,
Que, ao olhar para dentro de mim,
Sinto vertigem – caindo-me nas entranhas do mundo.
Às vezes, sou uma planície tão extensa,
Que, ao olhar para dentro de mim,
Perco-me num horizonte vago – sem fim.
Às vezes, sou um deserto tão escaldante,
Que, ao olhar para dentro de mim,
Não sei se paro ou sigo adiante.
Às vezes, sou um planalto tão irregular,
Que, ao olhar para dentro de mim,
Embrenho-me em depressões cheias de espinhos e cipoal,
Cercadas de montanhas difíceis de escalar.
No mais das vezes, apraz-me ser este relevo,
Pois, ao olhar para dentro de mim,
Sou nova paisagem a cada dia,
Não conheço monotonia:
Se hoje sou depressão;
Amanhã, sou majestosa montanha,
Com meu olhar otimista,
Olhando o mundo a perder de vista;
Depois de amanhã, sou verdejante colina.
Com flores, pássaros e rios de água cristalina –,
Sou vida que não conhece rotina.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)
Inserida por ManoelAlmeida