J.W.Papa

1 - 25 do total de 159 pensamentos de J.W.Papa

Pai


Se eles não se fossem, mas eles se vão!
Insistem em ir, de repente partem e te deixam.
Partem porque têm de viajar
partem porque se separam de sua mãe
partem porque vão ao encontro de deus
partem, simplesmente partem.
E as vezes, partem sem explicação; uns voltam, outros não!
Existem os que resistem até que se contem as últimas piadas
bem velhinhos, parecem cada vez mais jovens com o passar do tempo.
Riem de tudo, até de si mesmos!
São sempre a maior atração
contam sempre as melhores estórias
estão sempre na contramão do mundo
só pra te agradar.
Existem os que nunca estiveram presentes
e quando presentes, fazem realmente a diferença (pra bem ou pra mal).
Na maioria das vezes, são feito as crianças, um crianção!
Mas existem aqueles que se fazem de sérios, parecem gelados e frios
até que um acorde de guitarra lhes desconcerte.
Ao ouvir aquela sua música do passado o velho se transforma
desarrocha a gravata do terno e vira outro
louco, baila pela sala de forma estranha - Isso é rock'n roll baby!
É tão engraçado!
Acho que deus pôs as mães no mundo para nos ensinar a caminhar com retidão
e os pais, existem, porque conhecem os atalhos mais irados.

J.W.Papa
Inserida por JotaW
1 compartilhamento

Presente do dia dos pais
(10/08/2014)

Neste dia dos pais resolvi dar-te um presente diferente
encomendei para você esta lua que ai está.
Olha da janela...
Vai... Olha para o céu, vê o presente que você ganhou!
Pega, é toda sua, esta lua que ai está!
Faz o que quiseres com ela,
só não aceito devolução.
Antes mesmo de dar-te esta lua,
ela já transbordava em meu quarto
enchia também os meus olhos.
Lembra-se... quando brincávamos de astronautas,
e íamos à lua uma vez ou mais todos os dias?
Toma pai... a lua que te prometi!
Espero que gostes,
porque não tenho onde guardá-la.
Caso recuse o presente
terá de se virar sozinho
ou, deixá-la estacionada no céu
aos olhos de todo mundo.
Pode ser que um larápio se aproveite da ocasião
roube-lhe a lua que dei-te de presente
e o deixe na mão.

J.W.Papa
Inserida por JotaW

A vida

Viva a sua vida como se fosse a última
como se fosse a única
como se fosse sua a vida.
Viva-se
como se seu fosse
esse ar que envenena os teus pulmões.
Como se seu fosse
esse sopro que carrega no peito
e que faz pulsar o teu coração.
Viva a sua vida
antes que seja tarde
antes que passe do ponto.
Viva o desencontro
os desamores
os reencontros.
Viva! Apenas viva
os momentos
a falta de tempo.
Viva as amizades
viva a cidade
viva o campo.
Pare de se lamentar
e viva a sua vida
antes que seja tarde!
Enquanto aguarda na fila do banco, do ônibus, do supermercado...
acene com um sorriso para as pessoas que estão a seu lado
seja cortês.
Assobie no trânsito engarrafado.
Na praça, dê milho aos pombos.
No parque, não sinta vergonha...
desfrute da emoção de andar no pedalinho
na montanha russa, na roda gigante.
Vá ao mercado municipal nos dias de domingo
e compre os temperos que quiser
experimente novos sabores.
Mostre-se sem se exibir
não se torne invisível - desinvisibilize-se
torne-se acessível, imprescindível, indispensável.
Acorde cedo
durma tarde
veja as luzes da noite se apagarem
e as do céu se acenderem.
Veja o que antes não podia ver
não queria ver
não se permitia ver.
Olhe o mais longe que os seus olhos alcançarem
deixe que seus olhos se percam no horizonte
sem censura prévia.
Viva este instante de segundo próximo
sinta o ar, entrando por suas narinas
tornando-te mais confiante, mais vivo.
Aproveite este instante, pode ser o último!
Pode até parecer pouco...
Mas também pode ser que não hajam outros.

J.W.Papa
Inserida por JotaW
1 compartilhamento

Caminhos(in)versos


Desnudam-me a arte, o espelho, o tempo e os trilhos.
Mostram-me quem sou, quem não sou,
quem poderia ter sido...
Quem não deveria ser de jeito nenhum!

Ao reverberar em mim, a arte, faz surgir a poesia.
No espelho, meu corpo adquire forma,
enquanto desconforma a vida em sua imensa sabedoria,
conforma-se meu corpo, na silhueta errante refletida no espelho.

O tempo, dá-me, os limites de que preciso.
Na exatidão de teu agir, molda-me a seu bel-prazer
com a precisão cirúrgica de um bisturi.

Os trilhos são os descaminhos, os segredos guardados, os espinhos.
Neles, sigo em apresentação solo, sem platéia ou aplausos
sigo, errante como sempre, e fazendo um monte de merda.

J.W.Papa
Inserida por JotaW

No caminho

No caminho vi pessoas
vi pessoas a caminhar
pessoas...
A caminhar.
No caminho vi gente, só!
Só pessoas a caminhar.
Vi pessoas
tristes
no caminho.
No caminho pra te ver
vi pessoas a caminhar
sem saber pra onde iam
indo por caminhos
por qualquer caminho
pareciam sem lugar.
Feito elas, fui indo...
Feito quem vai indo sem saber pra onde ir
indo por algum caminho
feito quem vai, não feito quem fica, feito quem vai, vai indo
tentando descobrir pra onde ir.
Quando fui
vi pessoas indo
tristes...
Indo tristes a algum lugar.
Quando cheguei
estava triste
não sabia o que esperar
esperei triste por pessoas
que não sabia se iriam chegar
e sem saber pra onde ir
e nem se deveria ficar
fui indo
sem hora de voltar.

J.W.Papa
Inserida por JotaW

Quando chega o fim

E de repente
sorridente
vem você...
Uma flor branca as mãos
o refrão muito bem ensaiado
duas ou três palavras amargas
por entre os lábios.
Descarga inesperada de emoções!
Choro, risos e juras de bem querer
reencontro, reenlace, desembaraço
mágoas antigas são retomadas.
Um abraço frio na despedida
um até logo vazio na saída
E um nunca mais quero te ver.
Assim termina o livro.

J.W.Papa
2 compartilhamentos

Básico são os outros

Básico é copo d'água sem gelo e uísque Cowboy sem emoção
é solidão abundante e tristeza falseada nas mesas dos bares
básico são os olhares chorosos das pessoas
escondidos por detrás de largos sorrisos de desespero
e o desesperado soluço engasgado no peito
na iminência de rasgar as entranhas de dentro para fora
e transbordar feito fazem os vulcões em cólera.
Básico é o levante furioso dos insetos
disputando os melhores lugares em sua parede favorita
carregando e entremeando os restos mortos de carne
que se encontram caídos no chão
levando-os para as fendas e buracos abertos pelos pregos sujos
que sustentam os engordurados quadros com propagandas
de conhaque, cerveja e cachaça.
Básico é uma pitada de raios dourados de meia lua na retina
e uma noite inteira cheia de estrelas num céu à sua escolha.
Básico é não querer ser o que não se é
e sendo, não ser o que se pode.
Básico é sentir a poesia entrando pelas narinas
queimando a pele, alterando a pulsação
feito o vento frio que maltrata o corpo em uma bucólica manhã de inverno.
Básico é não morrer de véspera, por antecipação
ou viver a vida numa pressa desmedida
embalado por um repetitivo e antiquado refrão.
Básico é embriaguez no mês de dezembro
- às vésperas do natal -
sem pessoas nos pontos de ônibus
cães ladrando pelas ruas
e larápios espreitando a melhor ocasião.
Básicos são os tombos que se cai no caminho de volta pra casa
com a gravata retorcida no colarinho da camisa
e a cara amassada de tanto sono.
Básico é a chave da porta da sala
que insiste em não abrir a fechadura do portão
e o movimento do lápis desembestado na folha
e o da borracha, desgovernada na contramão.
Básico são os outros, nós não.

J.W.Papa
Inserida por JotaW
1 compartilhamento

Sobre os dias e as noites


Sobre o que dizem
se dizem
e se dizem o que dizem, de mim
não sei ao certo!

A bruma que me cega pela manhã
de noite não mais está lá
dispersa-se feito fumaça
desaparece à luz da lua.

Suave, sigo!
A espreita dos versos certos
a espera de algo ainda incerto
não sei o que esperar ­.

Na verdade
de tais versos
incólumes, inconclusos, incertos
ao menos espero algo.

Não interessa-me saber
o que dizem tais versos
o que dizem
tais e tais verbos.

Dessabidos, versos incertos
excertos versos, abrasados e alocados ali...
Ao longe, longe de ti, longe daqui
longe, ali, do seu lado!

Suave é a noite que se opõe ao dia, numa peleja incansável
embalada por um tango fruído bailado a dois
dama e cavalheiro, cavalheiro e dama
em um flerte quase transcendental.

Incansável...Incansável é o dia que se opõe ao sol
em sutileza tamanha
irretocável presença, inalcançável!
Até mesmo ao crivo do mais genial dos artistas.

Noite e
dia
dia
e noite.

J.W.Papa
Inserida por JotaW
1 compartilhamento

Destarte

Luzes deflagradas na escuridão
Em estampidos secos
E ocos ecos
Num vazio ambiente.
Obscuros sentidos opacos
E silêncio barulho pós agitação
Alma inquieta em corpo estático
Descontrolado e irremediavelmente morto.
Desorientadas por tais intervenções:
- Algumas memórias -
Rememoradas a esmo.
Em instantes segundos
E verbos perdidos e símbolos rotos
Vis sentimentos em (des)conformação.

J.W.Papa
Inserida por JotaW

Sem título

[...] “Somos capazes de mudar tudo, inclusive o mundo em que vivemos. É preciso dialogar com as diferenças e respeitar os diferentes, pois, é tudo uma questão de ponto de vista. O que é bom para mim, pode não ser bom para o outro e vice versa; é preciso ver além do nosso pequeno mundo onde nossos medos e nossas inseguranças só sobrevivem enquanto não construímos conhecimentos novos que nos permitam sair de um estado de ignorância a respeito de um assunto qualquer e passar deste, para um estado de conhecimento, de iluminação. É preciso enxergar o outro como igual, pois, mesmo diferente na cor, nas ideias, na etnia, na religião somos de uma mesma raça, a raça humana”.

J.W.Papa
2 compartilhamentos

Positividade

Hoje eu acordei com uma vontade de mudar o mundo,
vontade de mudar tudo,
inclusive eu!

J.W.Papa
Inserida por JotaW

In media res


No meio das coisas, as coisas do meio:
As pedras, o caminho, o vento...
O vazio que preenche e desconforma
A não-forma conformada em toda sua eloquência
O movimento dos passos, descompassados
O eco ressonante das coisas ao caírem
A simplificação que reduz, o reducionismo
As falas descabidas, fora de contexto
O pensamento divagante, distante de sua origem de nascença
No meio do caminho, o meio termo:
Entre equilíbrio e perfeição
Pretensão e receio
Entre ser o último ou ser o primeiro.
Em meio ao caos de hoje...
Toda abrangência de um abraço inesperado:
A recusa inicial
O olhar desconfiado
Depois o aceite...
E os braços desconhecidos são chamados ao abraço
que ao ser aceito, segue galgando espaço pelo corpo
envolvendo lentamente o pescoço
toma também o peito e o ombro para si
Num movimento ritmado, pomposo, quase cerimonial.
E de repente... No meio do abraço, um beijo!
Um sorriso, um até logo.

J.W.Papa
Inserida por JotaW

Indecisão


Já no parto o caminho entortou
O que estava previsto pra ser por via normal
Passou a cesária
E antes que percebesse
Estava sendo subtraído do útero - Fórceps!
O útero - lugar onde permaneci por quase dez meses
- Mais que todos eu sei -
Pareceu-me apequenar quando despontou a luz no fim do túnel
Convidando-me a sair.
Bateu aquela indecisão - Saio ou não saio?
Firmei o corpo, segurei-me ao máximo
Não teve jeito...
- O médico estava decidido -
Sai por volta da meia noite
Mas aguentei firme, não chorei!
Senti-me tímido ao ver tanta gente me olhando
Com a cabeça virada para baixo e as pernas para o ar
Não teve jeito...
Senti apenas o tapa no traseiro
Revoltei-me com tal desrespeito.
Bateu-me aquela indecisão
Não sabia o que fazer.
Mas não chorei... Não chorei.
A vontade era a de no primeiro descuido
Entocar-me novamente no útero e de lá nunca mais sair.
Mas eles não me deixariam voltar.
Pareciam, inclusive, rir da minha desgraça.
E depois... O túnel já estava fechado mesmo!
E a luz de antes já não se via lá!
Quis voltar, mas não teve jeito, bateu aquela indecisão.

J.W.Papa
Inserida por JotaW
1 compartilhamento

Que remédio - o amor?


Os poemas estão duros
o amor desapareceu dos versos
a tinta que antes coloria as linhas
agora, apenas mancha o papel
Falta sinceridade aos romances.

Aos poemas falta amor
aos versos, poesia
aos casais falta romance sincero, melodia
Falta o pulsar no coração dos poetas
Falta retomar o passado com nostalgia.

Falta morrer de amor, ao meio dia
com o peito apertado
após longa noite de desespero
e luzes acesas
e cama vazia.

O amor, aos versos sinceros
aguarda retornar um dia
Almeja transformá-los em poemas inteiros
e a partir do zero
enchê-los com o desespero contido em suas agonias.

Não há remédio para tal mal
há que se amar feito os poetas de antes
e apaixonar-se pela vida todos os dias
Há que se deixar levar pelas curvas do amor
mesmo delirando de febre, encolerizado, cheio de dor.

J.W.Papa
Inserida por JotaW

A felicidade

[...] Felicidade é movimento, é ir contra o vento, a favor de si.
Pra ser feliz não basta querer ser,
tem que se despir de dentro pra fora, o tempo todo, a seu tempo.
Ser feliz é...
Não imaginar como poderia ser,
é ir em busca do que se quer,
é ir e ser.

J.W.Papa
Inserida por JotaW

Cheio de mim

Eu
às vezes
sinto-me tão farto de mim
que a vontade que dá
é de embalar-me em um papel
de estampa colorida
prender-me em um laço
de fita de cetim
e dar-me inteiro
de presente a ti.

J.W.Papa
Inserida por JotaW

Axioma cotidiano


O tiro disparado por um carro arma
a dor latente sentida por um corpo alvo-
mirado medido acertado.

Deitado na solidão do manto negro - asfáltico-
tomado de súbito assalto pelo cotidiano
chão âncora que o resgata da dor e o conforta.

Da chuva encarnada
que despenca do céu azul ensolarado
e se mistura à curva turva do trauma sofrido.

Em apenas um segundo
toda a vida como em um filme preto e branco
passando lentamente bem diante dos olhos.

Uma multidão incrédula
e em estado de choque
se aglomera ao redor.
Olhares perdidos confundem-se
com sentimentos sentidos (na hora).

Tudo parece nada, o mundo some!
De repente, para:
Um... Dois... Três... Afasta!
Afasta...
Afasta.

A vida se renova,
a multidão desaparece como fumaça
e tudo volta ao normal:
Corpos voltam a ser alvo perfeito
e carros armas letais.

J.W.Papa
Inserida por JotaW

poemas retalhos


Hoje vi a vida.
Parecia feliz!
Tinha um belo sorriso no rosto
enquanto flutuava pela rua.

Hoje quando cheguei...
Estava a maior confusão.
Ufa!
Um sufoco.

Hoje não conseguia falar,
repeti duas vezes.
Não sobrou histórias
para contar.

Parei
para curtir
o último pedaço
de ser criança.

J.W.Papa
Inserida por JotaW

O sono que toma o teu corpo


Na pupila que aguça
por uma música qualquer
ou no tímpano que desperta eufórico
as quatro horas da manhã.

No sono que te amolece
tomando todo o teu corpo
reivindicando que adormeças.

Tens bigornas presas às pálpebras
anjos tentam selá-las
dedilham harpas douradas
e “pianam” solos para ti.
Mas, bravamente resistes.

O sono que toma o teu corpo
torna-te frágil,
vulnerável,
alvo fácil.

Já sentes os olhos caraminholando
o corpo lentamente vai cedendo
e a mente se acalmando.

O sono é como um mal- necessário-
sorrateiro te envolve em seus braços
num abraço apertado
toma teu corpo pra si,
controla-te.

Você resiste
luta
persiste.
Ao amanhecer,
já quase sem forças,
você cede
e adormece.

J.W.Papa
2 compartilhamentos

Há manhãs


Vê. Sente a vida como é boa!
Abre a janela bem cedinho...
Deixa o sol entrar.
Toca com as tuas próprias mãos
a brisa primeira da manhã.

Sente o vento...
Galgando espaço pelas frestas da cortina,
acariciando-te o rosto,
percorrendo todo o teu corpo.
Vê! Se já podes, vê.

O ar, entrando sorrateiro por suas narinas,
envenenando-te os pulmões,
embriagando-te as palavras
- que a essa hora -
desenrolam-se manhosas por entre os lábios.

Recusa-te ao sono matutino.
Mesmo que a cama tente te convencer do contrário.
Não permitas que os bocejos que deslizam por tua boca o controle.
Desperta-te pela manhã, uma vez que seja em toda a sua vida,
e abra a janela.

J.W.Papa
Inserida por JotaW

Eclipse Lunar


Enrubescida lua de ontem...
Arremessando filiformes lanças
em brilhos raios
direto na retina.

Lunar eclipse de abril...
Raro feito tu
somente as noites sombrias das guerras
e as manhãs frias de dezembro.

No olhar, aparatosa visagem de estrelas escondidas
em densas nuvens adensadas às pressas
por temor de tal fenômeno
que aterroriza momentaneamente os céus.

Sol, lua e terra convergindo
conspirando antes do amanhecer
tramando às ventas de Zeus
planos indecifráveis, planos infalíveis.

Cobre cor em contornos tórridos
perfazem o torso de astros subordinados ao firmamento.
No espaço ilimitado e indefinido onde se movem os astros
um satélite é silenciado, por alguns instantes a terra se cala.

Zeus ira-se ao descobrir tal trama
resistente em sua inteligência
entra em litígio com seus subordinados.
Deuses (outros), tentam atenuar a decisão colérica de Zeus.

Mas Zeus em seu ineditismo
declara o fim da escuridão -
Sol e lua são condenados a permanecer em sua temporalidade habitual
e a terra, é absolvida por sua insignificância.

J.W.Papa
Inserida por JotaW
1 compartilhamento

O blefe da Aranha


I-
Se ajeita sombra... Do jeito que dá!
Em um corpo não muito esguio.
Em movimentos de vibração de pele e de alma
protelados, preteridos, negados (a si, por outrem).
Se ajeita no blefe do movimento que conforma o teu ser!
Tentando enganar-te, iludir-te, confundir-te
para que perca as rédeas da situação.

II-
Contra-movimento de reforma
que desconforma a forma dada.
Sombra que rejeita a luz
e perfaz contornos tórridos
na escuridão de verdes olhos
- cor de oliva -
contra-refletidos num espelho (a)reflexivo.

III-
Batalha épica, digladiada a dois.
Blefe de cavalheiros em transe poético.

IV-
Se ao menos soubesse porque blefa o jogador,
talvez, pudesse prever-lhe os sonhos!
Blefa o reflexo da sombra no espelho,
rejeita a silhueta que precipita o corpo estranho.
Blefa corpos, blefa sonhos, blefa deuses
sucessos passados em blefes 'antanho' - blefe patético -
em segundos estéticos e corpos celestes em desastre tamanho.

V-
Contra golpeado vai à lona - o corpo cai,
feito quando se encontra uma poltrona vazia!
Tenta se erguer novamente vagueando uma corredeira,
tateando o ar, perdendo as estribeiras.
Perde também o caminho da terra,
perde o chão, perde tudo.
Blefe... Blefe! Blefe? Blefe.

J.W.Papa
Inserida por JotaW
1 compartilhamento

O insone


Toque
barulho
e dança,
livro
trompete
e tango.
Baila
comigo
essa noite?

J.W.Papa
Inserida por JotaW

Na mesa


Chaves,
moedas
diversas...
Prata
dourada
e
cobre.
Diploma
de
'mestre',
CD
bala
sobre
a
mesa,
remédio
para
gripe,
telefone
que
nunca
toca,
paciência
que
nunca
acaba,
e
sono
que
nunca
chega.
Efeito
bumerangue...

J.W.Papa
Inserida por JotaW

Versos(in)versos


Rascunhos de mácula
e intenção danosa
e má fé anunciada
na fala encabulada
de um magano na prisão,
duro na queda
feito caquizeiro arqueado na terra
de tanto peso nas costas
e joelhos prostrados ao chão.

Justeza de reza
juridicamente anunciada
em coro de mil vozes
e silêncio cordado
de mil ouvidos,
versos inversos
de mil poemas
e universos inteiros
em plena expansão.

Vértice ou vórtice
no vurmo das úlceras
no peso das plumas
no olho do furacão,
versos inversos
e universos inteiros
partidos ao meio
durante o processo
de inquieta acomodação.

J.W.Papa
Inserida por JotaW