Itarcio A. L.

151 - 175 do total de 241 pensamentos de Itarcio A. L.

Era a voz dela que eu queria ouvir, indiferente a quais fossem as palavras.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio

Excesso de auto-estima é baixo auto-estima disfarçado.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio

Sociedade de desculpas mesquinhas... Há sempre um motivo social, circunstancial, físico ou hereditário em que colocar a culpa.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio

Não pense que conhece tanto alguém assim. O descobrimento é diário e eterno. As pessoas mudam porque devem, porque querem. isso é inevitável.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio

Odeio ser enganado, duvido muito das pessoas, prefiro ser cético infeliz do que trouxa.

Itarcio A. L.
78 compartilhamentos

Sinto falta das pessoas quando longe, e enjôo fácil quando por perto.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio

Tenho mania por explicação pra assegurar que fui bem entendido. Não há espaço pra dúvidas, há não ser quando eu permito, propositalmente...

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio

Quero respostas pra tudo não para ser mais sábio ou inteligente; é muito mais pessoal que isso. É responder o que me pergunto em silêncio.

Itarcio A. L.
3 compartilhamentos

Todos os grandes feitos da história nasceram de mentes inquietas.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio

Eu leio o que eu escrevo, vezes seguidas, em casa, no trabalho, na faculdade. Leio e releio pra tentar me entender um pouco. Normalmente não sou de muitas palavras nem simpatias (é diferente de educação), depende do que esteja sentindo e das pessoas a volta, mas quando são palavras escritas sempre me excedo na mania irritante de justificar tudo. Quero me assegurar de que tudo que falo foi entendido, pra que tenha companhia a solidão de meus pensamentos.

É inexplicável a sensação quando a impressão que há de que as palavras imaginadas em momentos diferentes que se juntaram até formar esses textos escritos abaixo e até mesmo esse não cumpriu seu objetivo. O que podemos pensar, fantasiar em declarações de amor, o que conseguimos definir de nossos sentimentos e coisas que sentimos não valerá de nada se nos acomodarmos ao que há dentro de nós e isso não for exposto de alguma maneira. Não existirá no mundo, só pra ti, no teu universo e se afogará com o tempo na indecisão de se expressar ou não ou na comodidade de "quem sabe um dia". E pode ser que perca o momento certo, quando há o sentimento inocente e novo, platônico que ignora defeitos notáveis, quando é paixão ainda. Esse receio corrói e destrói histórias que ficaram no quase ou apenas projetada em detalhes na mente de quem sentia amor, mas não sentia coragem.

Quantas vezes nos apaixonamos por quem mal falamos ou quem nunca tocamos? Amores ditos virtuais, totalmente impalpáveis, mas em palavras reais por corações solitários, talvez sangrando por um outro amor que se foi e não deixou explicação do porque.

E encontramos pessoas por aí, cada qual com diferentes histórias, mas que ao mesmo tempo são tão parecidas. Em todas o enredo de decepção, descrição da primeira sensação de amar que lhes foi arrancada. Resta o frio. O coração nunca mais é o mesmo. É irreversível as batidas em maior frequência quando quem gostamos se aproxima fisicamente ou mesmo em delírios. E nos esforçamos em esquecer como era sentir isso, mas o coração já não bate como antes. Nos jogamos de novo em encontros e desencontros tentando reproduzir essa sensação em outros corpos como nós, em vão, aumentando cada vez mais a sensação de que nada será nem parecido.

Indecisos, nos lançamos e caminhamos na multidão de prazeres apressados, físicos sem necessidade de compromisso como animais irracionais só por desejos instintivos, mas mentiria em dizer que isso seja ruim. De vez em quando detalhes diferentes reacendem esperanças ilusórias. Tentamos mais uma vez, e possa ser que agora vai, e se não for a mágoa vem e derruba, mas com menos força, na intensidade de sempre. É pior quando é nossa primeira vez. Sempre há o dia em que voltará pra casa chorando e não dormirá pensando, afinal, "não dizem que é bom esse amor, que é bom amar?" Esse impacto nos acorda ao que é o mundo e a sociedade que nem entederemos onde foi parar o tal amor. Podemos nos questionar disso, antes de sermos programados e robotizados ao cotidiano da vida chamada moderna. Aí não teremos tempo pra pensar em nada que não possam ser trocado por dinheiro, um dinheiro que nem existe.

Um amor de verdade será sempre amor, até mesmo quando o último ar de vida se for ele será enterrado com quem sentiu. O amor não te pertence se deres a alguém. Tua parte do coração que pulsa por outro é dele, se aceitar. Isso é a eternidade de que nunca acreditamos pela certeza de que aqui tudo passa, e tudo acaba. Se por acaso se foi, se o coração se enganou foi paixão, foi atração, carinho, não era amor em sua essência. No começo há confusão, a semelhança torna isso possível, mas a cada dia se ele acordar conosco vamos entender que não importa se são anos, não é importante com quem estamos, e essa pessoa possa realmente nos fazer bem e sermos felizes, mas em um canto escuro, congelado e trancado e proibido até nosso próprio acesso, ficam os restos e as lembranças de quando sentimos beleza até nas coisas feias porque nada importava e tudo era completamente ignorável ao ser comparado ao que sentimos ao estar com alguém que amamos.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio
1 compartilhamento

Tu disses ao vento que me excluiu de teus pensamentos
Ele veio até mim e disse: é mentira
De um amor despedaçado permanecem as feridas
Mas as lembranças que cercam se tornam como pedras
Que desabam nas tentativas esquecidas
E esmagam as frases não ditas
Introdução do talvez ou nunca
Na brisa que sinto há palavras escondidas
Em destinos confusos sem planos
Nos corações mortais machucados
Cicatrizes abertas e o frio que gela
É teu nome que ouço de dentro da cela
Reproduzido em milhões nas paredes riscadas
Marcas do delírio e é escuro, sem janela
O que poderia ter sido se não fosse a pressa
Das vezes que rimei da angústia que deixou
Frieza de emoções é o que restou
Não puder amar foi a pior sequela
Pra todo sentimento agora há cautela

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio

Se pra todo amor há desconfiança
Razão da desesperança
Do que foi uma aliança
Amei como criança
Não percebi tua mudança
Por fazer tanta cobrança
O amor se cansa
E perde a esperança
Talvez queira vingança
Por perder a segurança
Meu coração se lança
Amargando tantas lembranças
E pra sempre descansa

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio

Quando eu era criança eu não enxergava tantas coisas ruins assim. Não que não soubesse da existência de algumas, e na verdade nem sabia mesmo. Meu mundo era limitado demais ao cuidado que minha mãe tinha pra que eu não me corrompesse com o que havia depois do portão.

A curiosidade que abria um leque de possibilidades sobre valores adulterados e vontades erradas me foi apresentada, em variadas doses, talvez inevitavelmente quando completei idade suficiente pra ultrapassar aquele portão por mim mesmo e me expor ao que o mundo sutilmente me ofereceria. Agora posso entender as vezes que fiquei envergonhado entre amigos ao minha mãe ir me buscar na rua depois das 21hs. Me questionava o que estaria por detrás dos pensamentos dela nessa atitude que me envergonhava enquanto eu era só um menino ansioso por sensações novas.

O que me moldou em tantos anos e se passou em frações de segundos até o presente e inexistente momento foram consequências do que decidi viver quando me desgrudei do que queriam pra mim e comecei a querer por mim mesmo. Mas o que foi ensinado, complemento do que foi herdado em conceitos de moralidade não se apaga facilmente; sabedoria bíblica nas palavras de Salomão.

Quando a gente é pequeno ouve dizer dos que puseram aqui que quando crescermos, e talvez tivermos filhos vamos entender tudo que fizeram pela gente, até as surras, palmadas, castigos. E não precisei ficar tão velho pra perceber que, mesmo não concordando com tudo, a maneira como fui criado me deixou segredos que levo até hoje e me ajudam em decisões que nem eram pra ser decisivas, já que decidimos o que de alguma forma temos dúvidas, e eu gostaria de não hesitar em decidir certas coisas quando o certo é tão óbvio, mesmo sob conceitos relativos.

Gostaria de nunca ter passado daquele portão, da mesma casa que morei a vida toda até querer ir embora e me lançar ao universo de sonhos pré-estabelecidos por uma sociedade que te faz querer coisas sem a mínima importância. Eu queria nem tá pensando nisso, eu queria minha vida de volta onde dormia despreocupado no sofá e as vezes acordava atordoado sendo levado pra cama pelos braços de quem mais se importa comigo. Não ter crescido seria, sem dúvida, o segundo pedido que eu faria se não ter nascido não pudesse ser escolha.

Pra onde for minha vida nos anos seguintes e ao que me tornar, espero, se caso depois de muita reflexão eu coloque uma criança nesse mundo tão incerto, que consiga transferir a ela em palavras e principalmente gestos e atitudes o que minha mãe me fez pensar, as vezes sem compreender, o que realmente importa. Nossa maior luta é em continuar sendo nós mesmos, se tudo a nossa volta nos pressiona a adquirir vontades que não temos e fazer o que não queremos. Somos jogados despreparados e indefesos nessa guerra de prioridades inúteis com pessoas completamente desequilibradas sob uma máscara de educação, que afogam suas solidões em álcool e vícios. São os melhores profissionais, mas vivem nos porões de suas mentes angústias e decepções que não estavam preparados a ter porque foram criados por pais ou pessoas que não se preocuparam em deixar no mundo alguém mais capaz do que eles mesmo foram. Como um círculo de desequilíbrio, um processo impossível de se impedir. E as vezes me irrito em ter que demonstrar simpatia quando estou emocionalmente instável ou triste. Viver de aparência me incomoda, o "oi, tudo bem?" das pessoas é tão falso quanto sorriso que levam no rosto quando estão na verdade desmoronando por dentro. E não confunda com pessimismo ou descrição dramática da realidade, nem sensacionalismo. Conheça um pouco do que acontece além desse mundinho de ilusões, converse com um mendigo ou um garoto de rua, com um idoso ou até mesmo leia num canto sozinho o que tá em Eclesiastes.

Pra racionalidade, ricos ou os que têm motivos que os prendem aqui, sou um louco escrevendo besteira porque me incomoda e me frustrei na luta pelo status de bem sucedido, o de subir nos degraus da vida mesmo por cima de outros pra se sentir passageiramente satisfeito. E confesso que ainda tô nisso, não sei até quando minha consciência permitir, mas insisto em levar meus valores nesse caminho que nos engole sem restrições.

Gostaria de convencer as pessoas do que eu penso ou que pelo menos me entendessem pra notar um pouco do que eu vejo e passassem a deixar de ignorar o que acontece por aí a todo momento e nos acostumamos tanto que somos adestrados a não perceber. Não perceber que as prioridades estão todas invertidas, que isso aqui é um manicômio gigante, mas a mudança ocorre na mente de cada um.

Na distância me culpo constantemente em não ter dito com mais frequência a minha mãe que amo ela e abraça-lá mais vezes. Quando estamos perto somos condicionados a pensar que sempre vamos estar... Nossa fragilidade é tão grande, mas nossa pretensão é maior ainda. Hoje só queria deitar ao colo dela e dormir mais uma vez, pela última vez e não acordar.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio
1 compartilhamento

Olhares desbotados e sempre nenhuma palavra como resposta. Sequer gemidos baixos ou o barulho quase inaudível das mãos se esfregando. Só o som do vento, e o resto silêncio. Um silêncio morto.

Todos aqueles sorrisos indiferentes incentivaram a desistência.
Desarraigar-se foi doloroso, tão quanto confuso. Perder-me de você foi como tentar fugir de mim mesmo em um quarto escuro e sem saída. Todas as paredes riscadas são cicatrizes fechadas. Mas ainda posso sentir os restos entre minhas unhas, e o vazio de estar incompleto.
Pedi loucura como guia, nem isso consegui. Só uma consciência confinada a observar detalhes inúteis e memórias que também não servem pra nada.

Se antes amor inocente, agora desilusão constante, receio descomedido e nenhum brilho nos olhos. Nenhuma pele corada, nenhum coração batendo mais rápido nem mãos suadas. A melhor parte de mim te dei, mas tu condenou-a a vagar em eterna procura por qualquer coisa.

Nada mais me prende, mas pouco me interesso pela liberdade. Todas as outras tentativas acabaram ao chão... Como passarinho livre da gaiola que desaprendeu a voar.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio
1 compartilhamento

Mais uma vez a ligação terminou, sugestão de minhas frases curtas e quase constrangedor desinteresse em perguntas inúteis. Ela desligou, e eu não disse quanto amava a sinceridade transbordante em seu amor. Necessidade inexplicável, insubmisso de humor, tão constante que dissolvia qualquer possibilidade, senão da reciprocidade.

As palavras enganchadas na garganta permanecem pra lembrar de um momento que se repete já a alguns meses, quase todos os dias... E eu perdi todas as chances.

Itarcio A. L.
2 compartilhamentos

São alguns trechos de frases levemente riscadas e uma caneta que acompanha desde as primeiras tentativas, há muito tempo, quando ainda eram palavras inocentes e rimas que beiravam ao infantil. Digo, eram levemente riscadas para evitar o risco de perder-se por completo o que talvez seja, escondida, introdução das melhores traduções desses pensamentos confusos. Ainda assim, quase sempre termina sem ponto final o que não ganha sequência. Controverso, porque se são meus delírios incompletos, a qual necessidade se prostra as palavras em oferecer conclusão?

Não poucas vezes discuto silenciosamente em outra dimensão impossível de decifração a importância da exteriorização dos devaneios. E parece ser a quantidade de respostas inversamente proporcional as perguntas.

Assemelha-se a vida a um longo rio de águas escuras, sem limites de início e final, - aparentemente circular, - onde o fim é comparado a quando nos afogamos. (Não necessariamente afogar-se significa morrer, mas se morremos, nos afogamos irreversivelmente). Uns morrem ainda na margem. Sem forças, param de nadar. Outros, em desespero e culpa por erros e memórias, nadam contra a correnteza; no inconformismo de um tempo que não volta, perdem o impulso natural da persistência mesmo quando feridos, e permanecem vivos, porém, somente em teoria...

Devo confirmar, como reforço para entendimento, a veracidade dos significados que permito tornarem-se óbvios. Não fosse inexplicável graça divina em preencher-me com discretas sensações otimistas, pouco teria insistido nesse amontoado de frustrações e erros.
São traduções de sinceridade. E o, muitas das vezes julgado drama, equívoco dos que pretendem enxergar a escuridão com olhares de satisfação. Nenhuma verdade é tão legítima quanto para quem a vive.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio
1 compartilhamento

Frustração nas comedidas entrelinhas, intervalos atestados constituem-se em perfeito nada, própria analogia do imenso vazio que trás minha presença inerte.

Quanto dura um pensamento?

Tornei-me cego pela insistência em olhar o sol, hoje discorro das misérias tão mais notórias entre os resquícios do meu eu. Planejei minhas verdades singelas pra persistir em pé, incitando fantasia feliz em amontoado de escombros e mentiras.

É a dor meu vício; solidão, amparo à ordem das tragédias que me levaram a crença, ou a ausência.

Melodia diz que "às vezes pensamentos machucam... será que podemos perdoar as feridas um do outro?"

Já perdi e recuperei os sentidos, na repetição conformismo domina. Faz-se melancolia até a próxima onde tudo se multiplica, maior força, menos vida. Clichês não encontram mais sorrisos, nem é tristeza razão somente do acaso. Paranóia preenche os espaços vazios, e nada é tão real quanto meus delírios. Sem nostalgia. Na música parecia tão fácil...

Agora os sonhos de olhos fechados são os que mais fazem sentido.

Itarcio A. L.
3 compartilhamentos

Já não recordava como era sentar sozinho e olhar a rua, com o sol em despedida no horizonte ou mesmo a escuridão de todos aqueles pensamentos. Pouco sentido fazia a ordem dos ponteiros na parede, e as quais circunstâncias do tempo influencia tinha nas tempestades interiores.

Pessoas passam em diferente pressa, indiferentes a si mesmas; vidas se vão, nem sempre a morte significa o fim, há quem caminhe morto... Histórias conexas, algumas tão vazias e transparentes do que é uma existência inútil.

Permaneço inerte onde sempre estive e por algum tempo me afastei, mas o fisicamente tocável não diz mais que lembranças aparentemente imutáveis. Sou só eu a espera de um tempo que não volta.

Cada passo pra trás, marcados por saudade que ficou no chão, dizem mais do que posso expressar em palavras que ninguém vai entender, frases que ninguém vai ler... E ainda que fuja do início da dor, é só maneira de desafogar minha psique; que sirva de alívio a todos que olham pra esse mesmo quadro de pintura figurativa em moldura velha e quebrada.

Subscreva o passado. É tua única chance.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio
1 compartilhamento

Quem ama tem certeza. O amor não deixa dúvidas.

Itarcio A. L.
2 compartilhamentos

Grande parte de tudo não depende da gente, o que torna as escolhas pouco decisivas.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio

Pior que a solidão, em sua essência, é a sensação estranha de estar só e acompanhado ao mesmo tempo.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio

É estranho dizer que as vezes pareço ter me acostumado ao ruim, e chego até procurar a tragédia, como que necessitasse dela.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio

Insisto algumas vezes, e se houver encantamento insisto mais um pouco. Mas não posso obrigar as pessoas gostarem de mim. Então desisto.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio

É o oposto de inteligente tentar se comunicar com inteligência para quem não pode compreendê-la.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio

Há algo de encantador no desconhecido.

Itarcio A. L.
Inserida por itarcio