Isabel MoraisRibeiro

Encontrados 15 pensamentos de Isabel MoraisRibeiro

Trouxe a brisa do mar comigo......
Senti a maresia nos meus cabelos....
Absorvo o teu aroma...
Afago-me no teu colo....
Beijo-te.....leio-te...devoro-te....
Sinto a tua essência.....
A lua clareia as noites de solidão.....
Escuta-me.....
Escuta-me... bebe as minhas lágrimas..
Que são de alegria.....
O teu perfume ficou tatuado em mim.......
Abraça-me......com um suspiro do vento...
Acaricia, faz-me voar nas tuas asas.....
Acolhe-me nos teus braços..!!!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro

Não me perguntes.....não perguntes.....
Como me sinto......amor....
Só sei que estou triste ....e cansada....
Preciso de espaço......de tempo....
Do silêncio......do nosso quarto .......
Das janelas.....fechadas.....sem sombras....
De lugar vazio na noite...
De palavras mudas.....
Onde bebi um copo de vinho azedo......
Mas queria beber contigo.....
Uma taça de vinho doce...doce...
Como o nosso amor....
Colher-te.... agora no meu regaço....
Um silêncio reconfortante....
Lençol de linho macio no nosso recanto......
Eu dou-me inteira....e quero-te...
Quero-te por inteiro....
Corpo todo meu.....cama desfeita em paixão......
Na penumbra da tua ausência....
Memória do teu rosto.....
Não quero meios abraços.....afagos.....
verdades......ou beijos...
Quero tudo amor....não me perguntes.....
Porque....tu já sabes amor..!!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro

Estou cansada.....
Triste....
De sorrisos forçados.....
Conversas onde ninguém ouve
Ou quer ouvir....
Onde todos queixam-se e ninguém tem razão....
De máscaras
De fingimentos...
Mentiras....
Choros.....
Paranóias...
De aparências ilusórias....
Realidade construída.....
De sonhos.
Desilusões....
Da crueldade...
E da curiosidade mórbida alheia....
Orgulhoso desmedido
Sem vergonha...
Estou cansada.....de gente falsa....
Sem sentimentos....!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro

Na penumbra da dor...
Senti....senti muita saudade....
Escrevendo poemas...
Onde colhi as flores mais belas...
Do meu jardim por abrir....
Senti a quimera....
Do desejo...
Acordei na Primavera...
Verde....verde de esperança....
Os nossos sonhos correram...
Onde as ilusões...
Fazem castelos no ar.....
A voar de nostalgias...
Como nunca ousei fazer......
Numa cadeira vazia...
Naveguei .....
Naveguei e esqueci-me da dor....
Nas vinhas plantadas...
Nas asas da madrugada.....
Dei asas ao pensamento....
Lavei o meu tormento...
Deitei a saudade......
Nas ondas do nosso mar....
O nosso sonho......
Tornou-se em desilusão....
Fizemos um porão...
Do nosso navio...no cais...
Nas ondas do mar vadio....
Onde deixamos os desejos....
Com o calor...e a saudade...
Demos beijos...ao sabor...da ilusão.!!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro

Se eu fosse poetisa...
Morreria de saudade....
De saudade de todos os poemas escritos
Voava por terras de Portugal
Serras
Montes
Rios
Nas asas do vento
Percorria o mar sem magoas
Pisaria a areia branca fina
Cobriria de cetim o firmamento
Deixava que a nostalgia
Me desse os aromas
Perfumados das giestas
Rosmarinho
Jasmim
Alecrim
Rosas
Orquídeas
Se eu fosse poetisa o meu coração
Continuaria a ser teu
Como sempre foi
Tu serias o vento
O calor
A brisa
Se eu fosse poetisa
Continuava a ser uma simples camponesa!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro

Hoje acordei com saudades
Do tempo que era criança
Veio-me à lembrança
As brincadeiras saudáveis
Que hoje, já não se vê
Apostávamos em corridas
Contávamos histórias.....
Agarra ...agarra...esconde, esconde
Cabra cega, no recreio da escola,
A brincadeira de roda, saltar à corda..
Que saudades....saudade.!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro

Percebi que preciso de asas para voar...
Para amar......e ser livre......
Conciliar a luz com os sentimentos...
Que os olhos teimam em esconder...
Sentimentos incompletos...
Fazendo dos sonhos um sorriso....
O meu sentir........sussurrando as memórias....
A morte pode esconder-se numa simples lâmina.....
Combinada com um sentimento mau....
Teria que chamar de anjo......um anjo doce.....
Saber ou não saber.....entender ou não entender..
Clama em gritos..... por alguém que entenda o seu silêncio....
Uma poesia que escreve pelo fim......ou pelo principio...
Desnecessário tocar.....quando é real......
Meu anjo.... sem doce......de sorriso de lágrimas....
Beleza inocente......doçura transparente.......
Realidade disfarça..... como alguém que admira a ilusão....
Certezas.....desnecessárias.....nos olhares dos que amam....
Percebi que preciso de asas para voar...e talvez para amar.!!!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro

Os meus filhos são....
As minhas flores...os meus amores....
Amor em tê-los....
Prazer em vê-los.....crescer.....
Quero deixar para os meus filhos
As saudades da minhas tatuagens
A recordação das minhas lutas....
Somos filhos amados.....
Somos pais.....
Somos partes de um passado....
De um presente..
Somos avós e netos carinhosos....
Os meus braços são ninhos de ternura....
Onde dormem......
Sonham...... e jamais esquecem....
Amar os filhos é enfrentar desafios......
Combater desigualdades......
Fazer inúmeros sacrifícios.....superar....
Superar imensos obstáculos....
Amar os filhos.....é esquecermo-nos por vezes...
De nós próprios......para que nada falte a eles.!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro

Nunca deixem que os lobos.
Roubem os vossos sonhos.
E que a escuridão apague luz.
Dentro de nós existem lobos.
Lobos bons ou maus.
Do ódio
Do amor
Prefiro andar pelos vales sombrios.
Com os lobos
Que em campos floridos.
De falsos cordeiros.
Existem noites em que apenas a lua uiva.
Os lobos ficam em silêncio.
Há muito tempo que convivemos.
No meio dos lobos e hienas
Em vestes de cordeiros.
Consomem toda nossa
Esperança
Liberdade
Há lobos que uivam dentro de nós
Num esforço brutal tentamos contê-los
Quando chegarem as noites chuvosas
Os dias escuros
Tente ouvir
Ouvir o pastor no meio dos lobos!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro

Deito-me numa cama fria.....
Sei que estás ausente...chegas impaciente....
Os teus braços.....e as tuas mãos trêmulas...
De desejo…
Vejo-te no escuro da noite..
Deitado no esplendor de uma plena noite de lua cheia.
Enquanto os lobos uivam na serra ...
Cada palavra escrita mostra talvez... a minha personalidade.....
Às vezes destruo-me para tentar compreender-me......
Num lençol de cetim vermelho.....
Sinto as tuas mãos como que úmidas...
Onde mergulhamos... num chamamento selvagem...
Na nossa cama....na lua cheia.....
Enquanto rasgas-me a carne....devoras-me os sentidos.....
Soltam-se os gemidos......
Sinto os meus lábios....na tua boca ....
Num misturar intenso.....
Da nossa carne.....dos nossos corpos......
Num minuto selvagem que tudo é libertado...
A lua cheia faz emergir a minha energia para ti ....
E os lobos fazem-te uivar para mim na nossa cama.....
Olho-te nos olhos....sinto o ardor das tuas mãos..
Cada vez mais forte.....mais perto....momento incerto....
Vagueio neste deserto de ti…feito de lembranças e desejos.!!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro

Vem vento
Vem tempestade
Vem sol
Varre a minha morte
De palavras impossíveis
Nos sonhos dos vivos
Sem medos
Sem culpas
Presságios noturnos
Preces funebres
Silêncio disfarçado
Guardado
Ignorado
Verdadeiro sentimento
Troca de pensamento
Abrindo-me a cova
Perfume do adeus
Paz da alma
Dormir sereno
Doce despertar
Vem o tempo varrer a minha morte!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro

Não chores
Pelas rosas que têm espinhos.
Pelos erros que cometeste.
Pela morte que espalha o pranto
Solidão que derrama o contentamento.
Angústia de quem vive um momento.
Pensamento escrito numa noite sombria.
Flor dilacerada ainda no coração!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro

Amo-te
Desde sempre
Essência
Do infinito
Com a carne
Toda a alma
Com tua presença
A minha saudade
Com o vendaval
A todo instante
Toda a minha eternidade
Simples com a emoção
Sem segredo
Sem medo
Antes do desejo
Simplesmente amo-te!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro

Nasces-te em mim
Água pura centro da alma
Noite escura
Silenciosa
Calma
Gota frágil
Corrente de uma cascata
Água que lava-me
Suave carícia
Pedaços do meu ser
Lago de águas tranquilas
Afagas-me e adormeces
Grão de areia
Pedaço de fraga perdida
Vagueado à deriva
Lágrimas do teu rio
Letra vazia
Essência das palavras
Frases sentidas por páginas
Derramadas neste oceano imenso
Corrente que há de fazer-se ao mar.!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro

Olho para mim...
Talvez para trás a dor passou
O vazio é como um deserto.
Sem vida que seca todos os dias.
As noites virão para ti em silêncio
Olha-me
Pede-me
Procura-me
No desespero da minha partida.
Nas palavras de consolo.
Pelos cantos da casa.
Nos passeios de mãos dadas.
Nas noites de lua cheia.
No perfume que ficou.
Nas roupas da nossa cama...
Dos nossos jantares.
Dos olhares..
Nas tuas lembranças,
No teu passado
O meu passado
Nas minhas lágrimas que ainda não secaram.
No desejo que sinto da tua boca.
Dos abraços fortes e sinceros!

Isabel MoraisRibeiro
Inserida por IsabelMoraisRibeiro