Henrique Mendes

Encontrados 3 pensamentos de Henrique Mendes

Jamais te sonhei mar...

Jamais te sonhei mar,
imensidão, infinitude.
Mas sempre ambicionei
que em ti o meu nado
fosse poema e deslumbramento,
carícia total em gesto conhecido.
Elegância escolhida sempre.
Sempre quis que as palavras
fossem passos paralelos dando voz
a caminhos convergindo ao sublime.
Por isso nunca me seduziram os murmúrios
nem as mensagens pouco firmes das lágrimas,
em emoções que a dúvida profana.
Por isso nunca olhei menos longe
que a distância confortável da abstração,
onde se difusam as formas e os medos.
Por isso nunca disse em sussurros
o que o peito me ordenava aos gritos.
Por isso tantas vezes calei a alegria
da erva molhada das manhãs,
insisti em não entender céus luminosos
e fiz-me surdo a dobrados de sinos bucólicos,
que me remetiam a outros tempos
- onde o tempo ainda não era um luxo
e, resultando de um lento passado,

preconizava um futuro

onde tudo estava por escrever.

Henrique Mendes
Inserida por katiacristinaamaro

Talvez tenha construído demasiado longo
esse túnel feito de palavras.
Esmeradas, escolhidas, polidas como jóias.
Únicas todas elas, raras e tão especiais.
Mas um túnel demasiado longo,
sem claridade na saída. Nada.
Nada, a não ser o brilho escuro, familiar,
vindo do próprio túnel, onânico, solitário,
de mais palavras desabrochando momentos,
feições novas de velhos significados revistos,
velhas roupagens puídas cerzidas mais uma vez.
Apenas mais palavras.
Uma espécie de infinito tornado cúmplice,
noite, penumbra escondendo os outros,
suas dores, mágoas, medos, monstros,
e escondendo-me de quase todos eles.
Tudo para dar-me o tempo de mais um poema,
jamais singular, e jamais definitivo,
como tanto desejaria que fosse.
Jamais um poema revelador, feito de luz,
maior que apenas um monólogo incontido,
mostrando-se além da prudência
que o tempo trouxe.
E, inevitavelmente,
jamais algo que me colocasse
além das simples palavras.
E de monólogos no meio de um túnel.

Henrique Mendes
Inserida por katiacristinaamaro

Sentimentos

Eu não sei por onde começar
É uma explosão de sentimentos
Tudo misturado e cunfuso
Não sei onde isso vai dar

Consigo sintir o amor
Quero amar
Mas não estou conseguindo encontrar
Consigo sentir o amor, a dor...

A solidão é sorrateira
Ela me espreita
A depressão me assusta
A tristeza se esconde

Eu sei que ela está ali
Eu sinto ela dentro de mim
Ninguém consegue ver
Porque elas estão cega demais olhando pra si

A felicidade que aparento ter
Nem sempre está lá
Minha descontração
Pode ser minha condenação

Quem grita não quer ser ouvido
Quem chora não quer ser visto
Quem é cheio por fora é vazio por dentro
Quem se mostra não é nada

Amor, talvez esse seja o motivo
Esse pode ser o meu motivo
Não só o meu
Mas o também o seu

É como mergulhar num oceano
Profundo, frio e solitário
Em busca de algo
Sem saber onde ele está

Não sabemos onde procurar
E seguimos vivendo
Na incerteza do amor
O amor... O amor

As vezes tenho vontade de morrer
E acabar com tudo que me mata
A solidão principalmente
Quero morrer, morrer de amor

Morrer de amor por alguém
Sentir algo que não sei mais o que é
Sentir o coração disparando
Sentir o beijo de amor

Sentir o calor dela
Olhar pra ela e saber que é grato por isso
Olhar pra ela e falar o mais sincero
Te amo, te amo e te amo...

Henrique Mendes
1 compartilhamento