Biografia de Friedrich Nietzsche

Friedrich Nietzsche

Quem foi Friedrich Nietzsche?

Friedrich Nietzsche (1844-1900) foi um filósofo, escritor, poeta e filólogo alemão, um dos mais importantes do século XIX. Escreveu "O Anticristo" e "Assim Falava Zaratustra".

Friedrich Nietzsche

Friedrich Nietzsche nasceu em Röcken, na Alemanha, no dia 15 de outubro de 1844. De família luterana o seu destino era ser pastor como seu pai e seus avôs.

Nietzsche dedicou-se à leitura da Bíblia e com 10 anos entrou para o Ginásio de Naumburgo. Com 14 anos recebeu uma bolsa de estudos de preparação para o clero. Destacou-se nos estudos religiosos, literatura alemã e estudos clássicos, porém começou a questionar os ensinamentos do Cristianismo.

Friedrich Nietzsche formou-se em 1864 e continuou seus estudos em Teologia e Filologia Clássica, na Universidade de Bonn. Em 1865, transferiu-se para a Universidade de Leipzig, indicado pelo mestre Wilhelm Ritschl.

Em 1867, Nietzsche foi convocado para o exército prussiano e quase morreu ao cair do cavalo. Depois, voltou para continuar seus estudos em Leipzig.

Dois anos depois, com 25 anos, Nietzsche foi contratado pela Universidade da Basileia como catedrático de Filologia Clássica. Nessa época, compôs obras musicais à maneira de Schumann, fez amizade com Wagner e conheceu a filosofia de Schpenhauer.

Obras

Em 1871, Nietzsche publicou seu primeiro livro, O Nascimento da Tragédia no Espírito da Música. A segunda edição foi publicada em 1875, com um adendo sobre "Helenismo e Pessimismo".

Em 1879 seu estado de saúde o obrigou a deixar de lecionar. Sua voz ficou inaudível. Começou uma vida errante em busca de um clima favorável tanto para sua saúde como para seu pensamento, esteve em Veneza, Gênova, Turim e Nice.

Em 1883, Nietzsche publicou Assim Falava Zaratustra, de estilo bíblico e poético. Na obra, estão as ideias-chaves do pensamento de Nietzsche: a ideia de Super-Homem, a ideia de Transmutação de Valores, a ideia de Espírito Senhoril e a ideia de Eterno Retorno. Que derrotariam a moral cristã e o ascetismo servil.

Em 1886 publicou Além do Bem e do Mal no qual faz da moral e da religião o alvo de seus combates, considerando sua guerra pessoal contra ambos a sua maior vitória.

Além do Bem e do Mal é o centro dessa guerra, o primeiro livro entre seus escritos negativos e negadores, conforme ele mesmo declara em seu Ecce Homo (1888), publicado postumamente.

De um modo geral, na obra “Além do Bem e do Mal”, Nietzsche desenvolve uma verdadeira crítica da filosofia, da religião e da moral, apontando as congruências existentes entre elas.

Em 1888, Nietzsche escreveu O Anticristo, que só foi publicado em 1895, no qual faz uma comparação com outras religiões, criticando com veemência a mudança de foco que o cristianismo opera, uma vez que o centro da vida passa a ser o além e não o mundo presente.

Últimos Anos

A fase criativa de Nietzsche foi interrompida em 03 de janeiro de 1889, quando sofreu um grave colapso nas ruas de Turim e perdeu definitivamente a razão. Ao ser internado na Basileia, foi diagnosticado com paralisia progressiva, provavelmente em consequência da sífilis.

Friedrich Nietzsche faleceu em Weimar, Alemanha, no dia 25 de agosto de 1900.

Acervo: 785 frases e pensamentos de Friedrich Nietzsche.

Frases e Pensamentos de Friedrich Nietzsche

A vantagem de ter péssima memória é divertir-se muitas vezes com as mesmas coisas boas como se fosse a primeira vez.

Friedrich Nietzsche Humano, Demasiado Humano. São Paulo: Cia das Letras, 2000.

Aquilo que se faz por amor está sempre além do bem e do mal.

Friedrich Nietzsche Além do bem e do mal. São Paulo: Companhia de Bolso, 2005.

Nota: Adaptação de trecho do livro "Além do bem e do mal".

Fiquei magoado, não por me teres mentido, mas por não poder voltar a acreditar-te.

Friedrich Nietzsche

Nota: Trecho adaptado do livro "Além do Bem e do Mal" de Nietzsche.

O que não provoca minha morte faz com que eu fique mais forte.

Friedrich Nietzsche Crepúsculo dos Ídolos. São Paulo: Cia das Letras, 2006.

Nota: Adaptado da frase "O que não me mata, me torna mais forte" de Friedrich Nietzsche.

Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas.

Friedrich Nietzsche Humano, Demasiado Humano. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.