Fátima Irene Pinto

Encontrados 4 pensamentos de Fátima Irene Pinto

Solidão

Solidão não é a falta de gente para conversar, namorar, passear ou fazer sexo...
isto é carência.

Solidão não é o sentimento que experimentamos pela ausência de entes queridos que não podem mais voltar...
isto é saudade.

Solidão não é o retiro voluntário que a gente se impõe às vezes, para realinhar os pensamentos...
isto é equilíbrio.

Tampouco é a pausa involuntária que o destino nos impõe compulsoriamente, para que revejamos a nossa vida...
isto é um princípio da natureza.

Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado...
isto é circunstância.

Solidão é muito mais que isto...

Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos e procuramos em vão, pela nossa Alma!

(Página 79 do Livro Palavras Para Entorpecer o Coração)

Fátima Irene Pinto
849 compartilhamentos

Prezado Sr.
Nao tenho a intençao de inserir nada. Cadastrei-me para que o Sr. providencie a exclusao de meu nome nos mecanismos de busca do Google, visto nada haver em seu site de Fátima Irene Pinto. Isto é uso indevido e abuso também, pelo qual solicitamos imediata reparaçao ou teremos que tomar outras providencias.
att
Familia Veronesi Pinto
e Fátima Irene Pinto
www.fatimairene.com

Fátima Irene Pinto
Inserida por star17

Soneto de Exatidão


Eu serei a que mais ouve do que fala,
No meu olho, não verás nem mais um cisco.
Do que guardo? ... Tenho eu chave da mala.
O que falas? ... Corre apenas por teu risco.

Quero ver-me e ver-te do tamanho exato,
Nem tu comandante, nem eu comandada.
Meu espaço hei de manter, e isto é fato,
Minhas asas não serão por ti cortadas !

Compreendo o porquê me controlaste,
E o poder que exerceste sem critério,
Me retendo qual se eu fora teu fantoche.

Eu relevo os teus enganos e contrastes,
O teu medo implodido e tão sério,
De tornar-se tão somente o meu deboche.

Fátima Irene Pinto
3 compartilhamentos

SELVAGENSA CRAIATURAS


Quando meus dedos percorrem seus lábios, docemente
Quando teus lábios comprimem os meus,selvagemente
Quando mergulho meus olhos no abismo do teu olhar
Quando me afrontas com malícia,a me arrebatar
Quando abro sua camisa com sofreguidão
Quando ergues meu vestido , em erupção
Quando as marcas rubras de hoje, amanhã são roxas

quando mortos de desejo entrelaçamos nossas coxas
quando somos um, rolando pela cama atarracados

quando nossos corpos estremecem de prazer, convulsionados
Quando a tua seiva com, a minha se mistura
somos nesta hora macho e fêmea, selvagens criaturas
Ou deuses, no cumprimento da lei mais pura!!!

Fátima Irene Pinto
Inserida por luciany