EdnarAndrade

1 - 25 do total de 27 pensamentos de EdnarAndrade

O Amor

O amor dorme/
No leito de um rio que corre dentro da alma de quem cala/
(...)
Vagueia ...e delirante nos ofusca/
Diz que não ama, mente/
Faz com que as nervuras das águas molhem corações/
Mente...minto, mentes.../
Mas calma , apenas sinto/
O amor desperta/
Quando o sol da vida encontra uma fresta/
Invade irreverente/
Ele apenas chega/
Assim chega as vezes sutil/
te pega, te deixa/
Abre ou fecha a porta/
Mas é o amor/
Nada a mais importa/
Quando ele chega*

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade

Reflexão sobre o Tempo

O tempo me traz,
De repente...
A verdade
Que há nas mentiras;
A face real do escondido;
O tempo pode ser um inimigo
Ou a Justiça sutil.
O tempo...
Anjo ou monstro;
Apenas existe
Sem que alguém conceda-lhe
O direito de existir ou não;
Monstro cruel ou espada justa?
Assim como se fosse Salomão
Com sua Justiça,
Separa para unir;
Une para separar.
O tempo...
Este que nos dá cabelos brancos
Mostra-nos maravilhas
No espanto;
Reduz o soberbo a pó;
Nivela, unifica, arrasta
Ou traz de volta.
O tempo...
Com asas transparentes
Caminha lado a lado
Com o seu alado:
O homem,
Tolo, distraído,
Não o vê chegar,
Fica esperando,
Como que para abrir um livro
Para a cara dele mostrar.
O tempo é fiel
E caminha contigo.
O tempo...
Ele fez de mim, avó;
Ele faz de mim, melhor;
Ele une ou desfaz o nó;
O tempo...
Só o tempo,
Pode te fazer homem;
Pode te tornar imortal;
Só o tempo...
Pode perpetuar o teu
Tempo.
É preciso ter tempo
Para poder buscar
No tempo
O bem do tempo.

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade
1 compartilhamento

Dança do amor

... E ela dança...
Com seu corpo nu...
Na lua "cheia de amor”,
Para dar...
E pulsa em rodopios incontidos...
Sangue nas veias,
Paixão...
Emerge do fundo do mar com seus lábios rubros,
Agora sem véus...
O ventre incendeia em desejos,
Num incessante prazer, amar...
Beija, com boca salgada...
Beijos com gosto de mar.

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade

...Eclipse...

Eclipse total.
Encontro da vida,
Fatal, inevitavelmente lindo,
A Lua e o Sol...
Na solidão da noite ou no fim da tarde...
Eclipse sem final,
Liberdade dentro da prisão,
Sufocante e bom...
Acontecimento divino,
Plena amplidão do amor,
O Sol dentro da lua,
Ou a Lua dentro do Sol...
E nada a mais importa*

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade

Saber-me não sei, diga-me quem sou

Digam-me, quem sabe,
Quem sou eu afinal. Sabes tu?
Sou por acaso, quem?
Fui ou serei o que ainda nem sei se sou?
Sou tua imaginação fértil,
Sua desgraça ou sorte
Que o tempo abortou.
Sou ciranda, serpentina,
Inquieta, bailarina, sabes tu?
Dizes quem sou.
Não sou de nada,
De ninguém,
Não fui, nem vou,
Além do além.
Diga-me, então se souberes
O que quero ou o que queres.
Sabes tu o que não sei?
O que não digo, nem direi?
Digas-me tu o que não sabes
Deste meu ser o que não cabe
E se derrama nas levadas,
Nos escombros, nas madrugadas
Que me leva a alma errada.
Diga-me, pois não direi
O que até agora não sei.
Estou no vento, na chuva,
Nas flores, no teu olhar escondido,
Num poema esquecido,
No que é morno, no que é feio,
No que dizem bizarro, não sei...
Sou profana, alheia, noite, tarde,
Estou no seio da verdade,
Não me escondo, não sou maldade.
Mas, mesmo assim, não sei,
Sabes tu? Digas, quem sou...

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade

Quimera Matinal

Deixa-me sonhar...
Deixa-me divagar
Nas asas da ilusão,
Enquanto posso...

Deixa-me que eu coma as manhãs
Nesta ceia matinal
Com sabor de vida fresca.

Deixa-me mergulhar
Neste azul de mar
Que invade minha janela
E que este vento
Possa passear todas manhãs
Na minha face
E beijar toda a manhã
Com essa ternura infinda
Que a natureza premia.

Deixa que eu esqueça as dores,
O sofrer, as agonias, os dissabores
E me derrame nesta “doce poesia
De cada amanhecer.”

Ai! que não quero esquecer jamais...
Este azul (quase violeta),
Que desta paisagem brota.

Das águas doces da lagoa,
Possa eu sempre me banhar.
Que eu deixe neste mergulho
Qualquer desconforto
Da minha carne sofrida.

Deixa-me, mãe natureza,
Que em teus braços,
Assim como um pássaro, eu cante
Sem me queixar... Do que não tive
Ou do que não tenho.

Leva-me, terno sonhar...
Para teus bosques distantes...
Faz de mim flor,
Flor brejeira, flor do campo.
Que eu me sinta feliz
Como orquídea em Primavera,
Enfeitando a vida
Que há na morte e na dor.

Mas não me deixe
Vagar sem sonho,
Sem verde, sem o canto das aves
E sem versejar o amor que canto,
Sem a água deste mar...
Não me deixes.

Quero morar nas frias tardes
E dormir serena e morna nas noites,
No balançar destes ventos,
Nesta rede de contentamentos,
Refrescar meu coração cansado.

Beijar meus netos
E com eles dormir
Um sono sossegado...

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade
1 compartilhamento

Um sorriso

A música, a dança do meu pensamento,
Viajando para além do espaço que alcanço;
Um papo com amigo, um sorriso...
Que fez hoje o meu sorriso sorrir...

Um dia pronunciando o fim.
Abro a janela, entra a luz;
Gal cantando “Folhetim”.
Olho pro nada de tudo

Que no fundo é assim:
Passageiro, ou até quando?
Mas, viver é bom;
Ruim é não saber viver.

Mas tudo vale, tudo vale muito
(Pesado no quanto vale).
Agora o Sol cai,
Caindo... Qual a canção suave...
Da Ave Maria... Fim de Tarde.

Eu imagino o silêncio vindo de uma floresta
Com folhas secas no chão, com passarinhos nos galhos.
E ao longe um humilde casebre...
Foi o papo que me deixou assim...
Poética e leve.

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade

Mãe: matéria-prima: coração.

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade

A noite existe

A noite existe, para que o poeta sonhe
Para que o poeta cante ou até encante
Com o seu sorrir ou o seu chorar.
A noite existe, para que a Lua chegue,

Para que ilumine a noite e a madrugada
E faça sonhar…
A noite existe para que meu canto triste
Torne-se poesia; torne-se verdade.

Existe, para que eu não sofra,
Para que eu não durma,
Para que eu te espere,
Para que nasçam versos…

Que nos dê alento,
Dê contentamento,
Para que tudo possa,
Onde a dor se apossa…

No silêncio vago dos corações tristes,
Onde tudo existe:
A saudade, o canto,
A dor, o espanto

Para tudo isso,
É que a noite existe…

EdnarAndrade

Doces alegrias*


Um tempo que vai longe... Um tempo onde tudo parecia bom e cada sonho tinha uma especial doçura. Longe vai o raio de Sol que gerou o tempo... E como disse tão bem Caetano Veloso: “És um senhor tão bonito quanto a cara do meu filho... Tempo, tempo, tempo, tempo... Faço um acordo contigo: tempo, tempo, tempo, tempo...”.

Assim, entre o calendário e as lembranças, "cá" estou numa tarde morna, ainda saindo do pós-dengue... E detive-me a pensar no efeito dos dias sobre o homem; em como tudo é. E apenas com o passar dos anos, sem aquela euforia própria da mocidade, onde tudo nos parece infinitamente "infinito", lá, naquela viagem que fazemos naturalmente, a busca da realização, a fé no outro, o amor para sempre, o nome do primeiro filho, a faculdade concluída, a primeira viagem a tão sonhado país (seja ele qual for), o emprego, o casamento... Enfim... Tudo nos parece fazer crer no acontecimento. "Agora" aquele instante em que temos a mera ilusão do timão da besta vida.

Não, não estou deprimida. Estou é feliz pela certeza de que o tempo tudo ajeita, tudo molda; na medida em que ele vai passando por nós, ou... Nós por ele... Difícil é fazer tal comparação, não há no homem o domínio sobre o seu desgaste inevitável, a sua vaidade se esvai de qualquer maneira; nada permanece, nada vira estátua... Costumo dizer para os amigos que, por vezes, me chegam aflitos com ou, sem razão, a eles digo na busca de socorrê-los do seu momento de dor, do medo, da insegurança, esta luta vã que nos acode para mostrar que somos frágeis diante do dragão. Então, olho nos olhos do amigo aflito e numa tentativa de socorrê-lo, digo: problemas não criam mofo. Verdadeiramente não criam é óbvio, mas somos tão frágeis, bichinhos encolhidos diante das emoções que nos arrastam ao inseguro instante que nos joga contar os mares da vida.

Com o passar dos tempos, nos tornamos naturais herdeiros da segurança. Os sonhos agora são tingidos de verdades tão amigas como: o amor não é para sempre, os sonhos são substituídos por realidades sonhadas, as alegrias permanecem sem serem como nos contos de fadas, os amigos continuam amigos - mas deles não sabemos as estradas -, lembramos, com felicidade, um tempo lindo vivido e que sem ele não há biografia. O espelho nos diz com total segurança que o que vale é o que foi vivido e sentido, nada além do que se dá e se recebe... O que passou não passou apenas, nos deixa a certeza das experiências e um grande conforto na alma, uma calma que só se alcança, mesmo, com o santo tempo... Bem, é possível que para muitos o tempo tenha trazido apenas rugas ou rusgas, isso também é possível. Claro que sinto saudades de certos momentos vividos, lembranças felizes não faltam: pessoas que amamos e não damos aquele abraço que queremos ainda dar, o segredo que a ninguém revelamos... É assim a bendita vida para quem se deu e quem se dá. "Quem nunca curtiu uma paixão, nunca vai ter nada não", já disse o nosso poetinha... Sou grata ao tempo que tudo nos dá: das dores, as experiências; das tristezas, o aprender a sorrir; dos amores, as incertezas que nos fazem fortes; da criança, o homem; da mãe, avó... E... Já é quase noite, dou-me conta do tempo, que é bendito sempre... Feliz é o homem para quem o tempo passou, sem deixá-lo triste, sem deixá-lo amargo. Preciso declarar que o tempo só me fez melhor... Como um velho vinho... Um apurado sabor, um definido aroma, e me debruço sobre ele com uma certeza: bendito seja o tempo, que nos traz as noites, que nos traz os dias e com suas horas, no seu tique-taque, doces alegrias...

(Ednar Andrade).

EdnarAndrade
2 compartilhamentos

(Criança)

Ela alimenta um sonho:
Sonho feito de Sorvete,
Barbie,
Esconde-esconde,
Amarelinha,
Bola,
Balão,
Figurinhas,
Chocolate,
Macarrão.
Ela acredita na vida colorida
Do Fantasminha,
Pateta,
Margarida,
Príncipe,
Rainha,
Emília e Picapau.

.......................................................

Quando o seu sonho acabar,
A fantasia deste mundo medonho
Vai lhe ensinar o caminho
Que ninguém pode evitar.

Correr?
Ficar?
...
.
,
!


Em um sonho feito figurinha
Terá, então, sua vida:

Príncipe
Sem Princesa,
Rei sem
Rainha,
Pateta sem
Margarida,
Bola sem
Macarrão,
Sorvete sem
Barbie,
Esconde-
esconde
sem Amarelinha,
Bola sem
Balão,
Figurinhas sem
Chocolate,

Quando o balão não voar:
Para onde irão seus sonhos?
Como será sua vida?
(: , ... ! ?)

(Ednar Andrade).

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade

A poesia

Não importa em que porta
Aporta a poesia.
Não importa se torta
Ou mal posta,
Maldita, descrita,
Inscrita, proscrita.
Não importa
Em que hora morta.
O que importa
É o que importa
E o que ela “porta”,
Faz valer o que porta.
Se lírica,
Prosaica,
Melódica,
Dramática,
Não importa…
Da Mata,
De Jarbas,
De Rizzi,
De Tácito,
De Edjane,
De todos os poetas,
Enfim.
O que importa
É que a poesia vive,
Que clama,
Que implora,
Que ri,
Que chama,
Que chora,
Que foi,
Que é,
Que vem,
Que vai,
Não importa…
O que importa?
É que a poesia mora
Na alma,
No que diz,
No que nega,
No que ama,
No que odeia,
No silêncio,
Na guerra,
Na calma,
No conflito,
No que não se diz
E no que está escrito.
Na vida,
Na morte,
A poesia importa
E o que importa,
Declama…

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade

Viver

Quero apenas e só apenas viver... Sem sofrer, nem me preocupar em saber se há, ou não, amanhã.

Antes assim, sem sofrer, sem drama, sem chorar, e não é melhor? Viver cada dia sem as incertezas do amanhã? Sim, claro, sempre... O hoje está de forma efêmera, aqui, comigo, contigo, onde quer que a hora esteja.

Não, não há motivos para querer antecipar o tempo, ou sofrer pelo que passou. O que passou foi bom, o que virá pode ser bem melhor. Então: hoje é o calendário do tempo... Vivamos com graça e felicidade cada data, cada dor, cada sorriso, cada amanhecer, mas o hoje é o melhor momento, o hoje nos diz da verdade de estarmos vivos, de sermos o que realmente somos e termos o amor que temos, o abraço que recebemos, o carinho que realmente existe. O resto são gotas de saudades ou lamentos, são sobras de um vivido tempo que chamamos passado.

Não é mero saudosismo, não é isso. É que a vida nos faz como a pedra: duros, marcados pela própria existência, nos mostra rumos que no começo da estrada nos parecem percalços e, no entanto, são rumos certos que sinalizam abrigo. Abrigo que interfere na calma do desabrigo, com muita proeza, com muita certeza e daí, e com muita felicidade, descobrimos o quanto somos frágeis... E como precisamos do certo, mas nada é tão certo quanto as improváveis incertezas da vida.

O tempo passa, e com ele fiquei mais esperta, mais doce, paciente... Tudo que antes me parecia aflição hoje nada mais é que um banal acontecimento.

Olho para a garrafa de vinho, e vejo que já tomei todas as taças... Rs... E sei que assim como o vinho quanto mais velho melhor, quanto mais vivemos, mais entendemos que tudo passa... E o que fica é o que realmente valeu: viver.

(Ednar Andrade)

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade
1 compartilhamento

Sem medo da Solidão

“Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado...
Isto é circunstância.
Solidão é muito mais do que isto.
Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos
e procuramos em vão pela nossa alma...”

(Francisco Buarque de Holanda).


Verdade. E já me senti assim, solidão é isto sim... "Graças ao sofrimento e a dor, hoje não sinto solidão". Tenho-me ao meu lado, carrego comigo minhas experiências e tudo enfim que me faz ter grande companheira: minha maturidade, a ausência dos medos...

Não é que eu tenha ficado egoísta, eu só aprendi a me amar, e ter-me como uma verdadeira presença que toco, sei seu verdadeiro nome e não me abandona jamais... Nem deixo que a vaidade me alimente.

Seu nome: realidade, companheira que deveria ser inseparável a qualquer um e é, mas em certos momentos da vida, no auge da mocidade, nós a tememos e não a vemos com a cara que realmente tem; olhando para ela, como que com mágoa, assim pensando, sê-la uma inimiga, simplesmente porque bom é substituir ou maquiar algo, que alguns chamam de destino, e eu de escolha.

Escolha... A escolha é a chave sem cópia do destino que ninguém fabrica, além de nós. É livre o direito, a opção de “sofrermos ou de sermos felizes”. Ninguém há que tenha tamanha capacidade de fazer feliz o outro. Esta consciência é o que nos liberta, é o que nos faz ver que podemos ter pessoas, conviver com elas, mas sempre estaremos sós, o que é muito bom. A nossa mente não pode sofrer a influência do medo de estar consigo. É confortável saber-se dono do seu sentimento, quando há, na mocidade, uma terrível e romântica ilusão de sermos um do outro ou, assim, como ser o outro.

Também é verdade que não se pode ser feliz sozinho. Compartilhar o riso, as alegrias, é fundamental ou o riso seria insípido, idiota, louco. Também é indispensável, a pessoa confidente, “o beijo depois do café (Roberto Carlos)”... Rsrs... Todos têm razão. Mas, quantos tomam café juntos, dividem a cama, dividem o prazer e continuam sós? E fica aí provado que mesmo estando acompanhados, podemos estar sós.

Recebi hoje, de uma amiga, um e-mail contendo o texto do Chico Buarque, já citado acima, onde o mesmo descreve com prosa e graça o tema: solidão e pus-me a pensar em como é maravilhoso não mais carecer de companhia(s) para fugir da solidão.

Isso já foi como doença e continua sendo, não para mim. Mas, como um todo, ninguém está isento deste primário sentimento. O que vale, ou o que pode valer, é estar apenas acompanhado? Se tantas vezes podemos continuar sós em meio ao tumulto ou quantas vezes perdemos o prazer de sorver, de viver momentos de ímpar sabedoria por insegurança ou disfarçado desejo de posse.

E o que é perder-se da alma? Na minha visão, perdemos-nos da alma quando a fantasia faz-se maior que a realidade. A vida não é complicada, viver é simples, tão simples quanto respirar. E se não respiramos direito, da forma como devemos ou como deveríamos, aí sim, buscamos na alma do periférico e não na nossa a essência da companhia. Não, não sou egocêntrica, mas defendo que só me encontrei, quando fiquei de frente comigo. E que é maravilhoso estar com os amigos, ter como é verdadeiramente poucos nomes para chamar de amigos e ter a certeza de que para ser feliz o homem precisa nascer feliz. É algo que defendo e digo: você é ou não feliz. E quando o homem é feliz, está feliz, não tem medo deste monstro: solidão.

Isto é bom... Me dá certezas, e razão para seguir sem fantasmas.

(Ednar Andrade).

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade
1 compartilhamento

Sabor de sal...


Um cheiro de verão,
Mornas tardes, sentimentos na mão.
São dias lindos... Inesquecíveis tardes em familia.
Onde o Sol se despede com preguiça... E faz manhã...
Tardes, frescas tardes...
Onde a felicidade tem um sabor de sal,
Um marinho sabor...
Um gosto temperado,
Comum... Nas tardes de sal...
Que já anunciam o verão.
Minha verde mata tinge-se de azul,
O meu entardecer fica dourado como o Sol que aqui mora....
Caminho sem pressa nas minhas memórias,
Tudo é sentimento...
E me banho nos sonhos da minha lagoa de águas claras... Tão azuis...
Belo poema tingido, me banho...
Medito; pergunto; insisto... Permaneço e suspiro...
Adentro a mata, os rumos dos meus secretos sonhos, não há como fugir,
Não sei mentir. Lá fora há um mundo que desconheço,
Minha paz mora neste regaço de poesia,
Sou feliz, desfruto da mais pura paz...
A Lua faz poesia, meu coração cita os versos...
Rezo, rezo por ti, por mim...
E o amor me toma nos braços da saudade...
E ternamente choro... E adormeço...
E sonho...
Com o verão que logo vem...

(Ednar Andrade).

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade
1 compartilhamento

Os Amantes...


Ser amante é ter o sabor dos doces poemas escondidos...
É ser a musa do eterno desejo; a pura flor do querer.
Uma agonia que acalma,
Uma dor que dar prazer,
Um querer no outro querer,
Ser a "borboleta errante"
E vagar no jardim da emoção mais louca...
Ser rainha de um só rei*
É um amar permanente que encanta a alma e faz pungente...
(Dolorido) o Amor.../
Ser amante é perder o sono para sonhar com o objeto amado...
É ter os beijos mais doces do pecado,
Fingir sorriso, quando chora...
Buscar, na permanente ausência, o fragmento que fica,
Fazer-se feliz com alma aflita...
Dizer versos quentes com o corpo gelado...
Ter no coração um perfume e uma grande saudade...
Olhar para o oceano e querer ser o barco,
Cantar uma canção e desaguar num rio de lágrimas...
Ser a preferida, o doce e o fel...
Num elo sem mágoas, apenas amar...
Amar... Amar...

(Ednar Andrade).

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade

Feito um cão


Bate o meu coração
Assim como um louco,
Assim como um trovão
E eu ouço um gemido de agonia...
Meu sangue e carne esfriam,
Como mergulhados no gelo,
Como se perdesse o controle,
Em tamanha emoção.
Bate meu coração
Dilacerado, aflito
Feito um cão;
Um cão que uiva na noite
E a escuridão.
Há um alarido neste som magoado
Que só escuta o meu coração.
É sangue, dor, saudade;
Saudade viva numa ave morta.
E um âmago aflito.
Alma agônica,
Um paiol de saudade.
Existem em vão
A sempre-viva, amarela, morta,
Cristal, transparência, que não vejo
Em meio a constatação.
É uma presença errante;
Uma flecha que parte,
Para por outra no chão.

(Ednar Andrade).

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade

Um brinde à vida!


Acordo reflexiva...

As chamadas aos dias, aos tempos, o natural calendário da memória me mostra, me faz viver e reviver... Naturalmente refaço a cama, que por sinal, bem desfeita, um hábito que não analiso de dormir em muitos lençois. Um jeito exagerado de enroscar-me neles (um aconchego aos travesseiros), um jeito manhoso que trago comigo. "Sorrio"; isso me dá um certo trabalho... Fazer ou refazer uma cama destas leva alguns minutos... E às vezes dá uma certa preguiça...Prossigo enquanto penso em muitos dias , que longe vão...Os dias desiguais, as portas e janelas da casa têm design diferente, assim como a vida e o seu passar como as linhas "varicor" que desenhavam e tingiam os bordados antigos dos panos da casa (REFLITO COM CERTA VAIDADE E SATISFAÇÃO), como se buscasse não a justificativa das coisas e sim uma concreta visão da vida (Agora).

Da vida (PRESENTE SEM PAR), passagem de sonho, cheia e repleta de alegrias e sem faltar e com certeza as grandes ou pequenas, mas sempre tristezas... Destas, somos todos agraciados, não há quem delas escape, não há como fugir; este ruído nos segue sem que saibamos onde ou quando nos dará um abraço que preferimos nunca sentir... E como tudo nos serve de troféu... Abracei os meus e hoje os olho com uma lembrança de momentos que trazem consigo o crescimento e a destreza que a todos deve seguir (Experiências), e assim, O CAMINHO DO HOJE SERÁ SEMPRE... O HOJE, Costumo dizer (...)... E sigo, olhando de frente, observando os lados, vislumbrando, vez por outra, o que deixei ou o que ficar para trás... Sem remorsos ou assombros com a alma alva dos perdões e gratidão, que a mim dou, porque é preciso que nos perdoemos, pelas falhas, pelos nossos apelos errados que nos põe diante da incessante procura do acerto.

(DAS EXPERIÊNCIAS) Delas e para elas o meu aplauso... Tornei-me mais forte, melhor em tudo, e assim a todos deve suceder... E neste contexto tudo conta e a vida encanta, como nas magias das inocentes crianças, nos proporciona uma viagem sem igual, repleta de horizontes que, sem eles, não saberíamos galgar... (Experiências) são os louros inevitáveis e bem vindos sempre, custe o que custar. São elas que nos empurram na direção da consciência e do real sentido do ser. São as grandes amigas, aquelas que nos mostram quem somos sem nos poupar com mentiras e afagos falsos... Aliás, falsos são os amigos que só sim dizem, e quando precisamos de um não eles caramelizam de um falso doce, nossos defeitos... Elas não, elas SERVEM EM BANDEJA DE OURO NOSSAS FALHAS E IMATURIDADES PARA NOS TORNAR CRISTAL VERDADEIRO... Assim sendo, são fundamentais na busca do melhor de nós. Imperfeita e aprendiz, sigo, penso... E vasculho os meus recantos dispersos e escondidos, na constante e transparente visão do meu "eu".

Sinto-me bem. Um garantido conforto borda-me a alma com linhas coloridas ainda que com desiguais tons (linhas varicor)... E vou tecendo este trabalho que é fazer a ordem voltar ao ambiente que considero "sagrado": o quarto, onde descansamos, a cama onde amamos ou sonhamos... Um lugar onde o carinho da paz nos visita.

(DAS LEMBRANÇAS... E dos prazeres, assim como os bons vinhos, os melhores perfumes, que ficam impregnados na alma)
São os amores (que me perdoem os fingidos); não existe um apenas... Eles são ou foram tantos... Mas, alguns ficam presos na lembrança e vivos, latentes nos sentimentos... E nos chegam como suave perfume e nos sacode e acode nas viagens tão perfeitas que ficam perto o suficiente para sentirmos o perfume do objeto amado... E lembrar com precisão, o menor gesto, pequenos detalhes, sutilezas, que na memória não se dispersam... Ainda do perfume, falando, aquele amigo que partiu numa viagem sem volta... Aquele amor que, sem despedida, apenas se foi... E ficou. As amizades, a esta rendo minha homenagem e digo que - creio no amor das amizades; os amigos, falo de amigos verdadeiros, aqueles que nem o tempo, nem a distância, nem as diferenças os faz indiferentes ao tempo e a tudo. Vivos, habitam nos silêncios e na plenitude do sentimento mais profundo; aqueles que por toda vida nos seguem e nos seguirão, guardados na caixinha do coração, onde nem o tempo, nem a oxidação do fútil os corrói, quando expostos ao tempo e/ou aos temporais, onde nem as adversidades os faz distantes. "Vivos, permanecem", como patrimônio na sua essência. Pérolas, tantas vezes, pedra rara, são os amigos, que ficam como patrimônio na memória, bem real que segue conosco, enquanto dura o Sol da vida (tenho alguns assim)(...)

DO TEMPO, aqui falo, expresso, está contido em toda extensão do meu pensamento - HOJE.

*E a ele tenho total devoção*.

DAS SAUDADES, estão contidas no contexto lembrança e nos servem em taças, como vinhos, o doce contentamento, de haver vivido momentos bons, sorrisos doados, sem restrições, "amados e vividos", não cobram de nós, nada. Acariciam o coração para demonstrar que continuamos vivos e, se algumas vezes, permeiam nosso espírito, nos trazem doces contentamentos; ingrediente indispensável para produzir emoção.

A SAUDADE é companheira. Em casos isolados, faz companhia, pois traz consigo as imagens e o contentamento do que se viveu.

(Então, da vida, as experiências;
Das lembranças, os prazeres;
Das experiências, a lapidação e os louros;
Do tempo, a estrada para o hoje será sempre... O hoje;
Das saudades, o contentamento e a felicidade de haver vivido).

CONCLUSÃO, viver é bom! É divino! Não há, em mim, espaço para mágoa, não tenho tempo para rancores; o amor me consome, o amar me diverte e adverte: "é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã" (Renato Russo).

Aplausos, ao dom da vida! E, em especial, a alguns, todo o meu carinho, todo o meu apreço...

Tim, tim!

(Feliz).

(Ednar Andrade).

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade
1 compartilhamento

Assim sou


Nasci para ser flor, espinho ou relva;
Quem sabe cactus?
Do sertão o verde; do mato a cor.
Não sei, não sei se sou da rosa o rubro;
Da vida a cor, nasci; assim sou.
Do mar, a concha; da vida, o amor.
... O riso...
Quem sabe a dor?
Não sei, assim nasci.
A estrada longe...
O amor, o desamor.
Assim nasci, assim sou.
A flor do campo; da brisa, o orvalho
A noite; o dia.
A luz, não sei.
Assim sou.
A mata; a duna; o perto; o longe;
O silêncio; o canto;
O barco; a vela; a saudade
Ou a felicidade?
Não sei, assim sou.
O silêncio; o riso;
O Sol; o fim da tarde;
O olhar que partiu; que ficou;
A onda do mar;
O barco que surge; a felicidade;
O pescador; A areia;
O ficar; o verso e o inverso;
O que nem sei dizer se sou;
Assim... sou!

(Ednar Andrade).

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade

Deus de si


O homem é Deus de si, ele determina o tamanho da sua pequenez ou da sua grandeza; arquiteto do seu mundo interior, pinta em tons de negro a sua aquarela sem cores. Eu já disse: “homem lobo”, “homem livro”... Não há como deter um rio; não há força que detenha a tempestade; não há força que contenha o alto-mar. Na alma de cada ser: há a tormenta ou a serenidade.

Na verdade, o homem escolhe seu destino. Não existe sina; existe a vontade de cada homem. E nessa ninguém pode interferir, pois todos sabemos da intervenção de todos para mudar o destino e continuamos com mãos atadas. Concluo no meu entendimento que destino é opção, vontade e direito de ser como é.

Não falo das doenças inevitáveis; não falo da velhice – decrepitude natural do homem -, pois se bons ou maus, todos envelhecem. Ouvi certa vez de alguém: “canalhas envelhecem”. Criaram seus próprios destinos: Dulces, Teresas, Maria Bonita ou Lampião... Cada um escolhe o tema e escolhe sua história, que pode virar um bom drama ou um grande prêmio no cinema... Cada um escolhe seu chão e rasga a vida, sem poder culpar ninguém. Homem: bicho tolo que pensa, faz da vida seu cárcere e nele come o que vomita, inala a podridão do seu respirar; alimenta-se do seu oxigênio impuro; oficina de fazer maldade ou santuário é seu coração. Homem é uma obra inacabada e quem o criou desistiu de sua confecção. Entrou em conflito com a obra de suas mãos.

O homem é Deus de si, portanto não precisa de milagres ou deuses; espinho de si mesmo... Assim é o homem, escolhe seu destino, segue sua própria direção, traça seu próprio caminho... Assim é o homem...

Poderia dizer mais, mas hoje estou cansada do homem!

(Ednar Andrade).

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade
1 compartilhamento

Jasmim


Doce perfume, jasmim...
Uma saudade que ficou
Ou partiu de mim;
Suave memória
Que se esconde.
Nota suave...
Jasmim, segredo
Que só a noite traz
No seu perfume.
Pontinhos miúdos...
Pequenas estrelinhas,
Que ficam entre linhas
Como fadinhas brancas,
Perfumando os sonhos.
Exalam na noite notas musicais;
Lirismo que busco
No inconsciente encanta,
Faz verso;
Viagem, reflexo
Na noite fresca,
Deste quase inverno.
Jasmins, tão frágeis...
Parecem ter alma.
Me banham de olor;
Me trazem a calma,
Me inspiram estes versos...

(Ednar Andrade).

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade

Leve...

Pegar a nuvem,
Pegar carona, na nuvem...
Ir, até o espaço,
Infinito,
Onde de lá,
Assistiria a beleza
Que é existir.
Subir mais alto,
Mais alto...
Cada vez, mais alto...
Ir para tão longe...
Tão alto,
Que de lá,
De nada sentisse, eu,
Saudades... Ou pesar...
Depois, cair no espaço
A flutuar, flutuar,
Flu-tu-ar...
Tão leve,
Assim... Como, uma pluma...
Quem sabe, cair, cair...
Cair... Suavemente...
Nos braços da felicidade,
Da felicidade, disse?
Pois é, quem sabe,
Se ela existe?
Mas, pra que saber?
Então, continuaria caindo,
Caindo,
Até... Cair.
... E... Feliz, então, sorrir...
E continuar sorrindo
E agradecer
Pela felicidade de
Viver.

(Ednar Andrade).

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade

***** É Natal o ano inteiro *****

Então, não é que seja Natal. Você teve 365 dias para desejar o bem, ser feliz, fazer feliz também... amar, dizer que ama, dar presentes, distribuir sorrisos... Louvar ao Criador, agradecer a benção de Jesus ser o Senhor. Mas só em dezembro você resolve dizer tudo isto? O aniversariante, este não é aplaudido? O que mais importa é o valor do seu vestido?

Por isso e por tudo isso, para mim o ano todo é Natal. Amo a todos o ano inteiro, desejo o bem a qualquer um. Façamos assim: a felicidade, o bem querer, a bondade, o amor, não apenas em dezembro deve nascer. E sem mais, declaro que ele veio para mim e para você. Então, é Natal? O que é o Natal? A ceia? O cartão de crédito? A mesa farta? A roupa nova?

O Natal poderia ser... Não direi, diga você! Por que para mim, o ano inteiro, a vida é o renascer.

(Ednar Andrade).

EdnarAndrade

Cotovia

E em movimentos suaves
Imitas os ventos,
Assovias, canções de amor,
...Como promessas.
Em versos , no inverno inverso deste verão que mal desponta,
Vens à minha janela como uma chuva mansa...
Trazendo todo o encanto da tua beleza
Vem pássaro livre, vem pousa... Me traz um poema novo
Tinge meu cansado coração da tua alegria.
Canta... Devolve-me a felicidade que perdi um dia
Mostra em tuas claras asas como é belo ser livre,
Dá-me o universo do teu voo sem rumo
Para que eu, solta então,
Libere também o canto preso na garganta.
Mas tu;
Chegas assim... De repente... Dizes algumas notas ligeiras...
...E eu, perdida neste teu encanto, fico a olhar-te
Querendo Saber teus segredos e sonhos verdes...
Passeias por entre as flores deste meu jardim de sonhos...
Pisas distraído no néctar da minhas rosas flores,
Fazendo ninho sem querer morar,
Posseiro, sorrateiro, invades meu olhar.
Pássaro matinal,
Que me inspira poesia, me ensina a cantar*
Linda cotovia*

(Ednar Andrade)

(17*12*2010*)

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade
1 compartilhamento

É Natal o ano inteiro

Então, não é que seja Natal. Você teve 365 dias para desejar o bem, ser feliz, fazer feliz também… Amar, dizer que ama, dar presentes, distribuir sorrisos… Louvar ao Criador, agradecer a benção de Jesus ser o Senhor. Mas só em dezembro você resolve dizer tudo isto? O aniversariante, este não é aplaudido? O que mais importa é o valor do seu vestido?

Por isso e por tudo isso, para mim o ano todo é Natal.

Amo a todos o ano inteiro, desejo o bem a qualquer um. Façamos assim: a felicidade, o bem querer, a bondade, o amor, não apenas em dezembro deve nascer. E sem mais, declaro que ele veio para mim e para você. Então, é Natal? O que é o Natal? A ceia? O car-tão de crédito? A mesa farta? A roupa nova?

O Natal poderia ser… Não direi, diga você! Por que para mim, o ano inteiro, a vida é o renascer.

(Ednar Andrade).

EdnarAndrade
Inserida por EdnarAndrade