Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37

1 - 25 do total de 29 pensamentos de Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37

A única maneira de combater os traficantes é indo à raiz do problema: antes de qualquer coisa, eles precisam ser desarmados. É condição básica reaver aqueles territórios dos quais os criminosos foram se apoderando, sob os olhos complacentes das autoridades que se revezaram no comando do estado.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

Foram décadas de erros grosseiros por parte dos políticos, que acabaram dando sinal verde aos bandidos. Nas décadas de 80 e 90, disseminou-se no Rio a ideia de que bastava resolver o problema social nas favelas que o tráfico sumiria como consequência da diminuição da pobreza. O pensamento então dominante era que a polícia trazia mais problemas do que solução. E os PMs simplesmente deixaram de subir os morros cariocas. Veja o absurdo!

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

A complacência com os criminosos sempre foi motivada pelos interesses eleitorais. Mas, é preciso que se diga, ela não vem só dos políticos. Passou a ser propagada também por certos movimentos sociais atuantes nas favelas. Eles acabam sendo um obstáculo ao trabalho dos policiais.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

Enquanto há ONGs que desempenham função de algum relevo na área social, outras estão mais preocupadas com a pura demagogia. Elas criticam a atuação da polícia, alegando que a corporação é preconceituosa, que trata todos os pobres como criminosos, indiscriminadamente. É um discurso ideológico e falacioso, que acaba, no final, beneficiando os traficantes, pois as ONGs colocam os bandidos no papel de vítimas, e não no de algozes. Sem dúvida nenhuma, uma completa inversão de valores.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

É uma anomalia o fato de um sujeito flagrado portando um fuzil receber a mesma pena de um bandido qualquer. Ninguém sensato vai discordar de que ele precisa ter uma punição mais severa. Não dá para aceitar que traficantes que incendeiam ônibus e atiram em helicópteros sejam beneficiados pela progressão de regime e venham a cumprir uma parte da pena longe da prisão. Isso é um absurdo!

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

Todos podemos dividir os louros dos acertos. Mas os erros são de quem comanda. O brasileiro está meio cansado de a responsabilidade ser sempre jogada no outro, em quem está abaixo. Quem está em cima nunca sabe de nada, não viu, desconhece tudo. Quem tem poder de decisão não pode se omitir. No meu cargo, eu escolhia os comandantes. A responsabilidade era minha, o comando era meu.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

Se eu sou favorável à criação de uma legislação para reintegrar traficantes arrependidos à sociedade, por que não fazer o mesmo com a corporação, em vez de tratar um oficial que já cometeu abusos como um leproso institucional? Se a política do confronto pelo confronto empurrou tanta gente para seus estereótipos, é hora de atrair quem quer trabalhar para o bem comum.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

Se a gente quer construir um serviço público melhor, um país melhor, a palavra que não pode nos abandonar, seja o servidor de que nível for, de que poder for, é responsabilidade.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

Antigos governantes se dividiam em dois grupos. Ou eram os que atribuíam toda a violência a questões sociais, e aí citavam Marx e as lutas de classe para dizer que o bandido não passava de uma vítima da exploração capitalista. Ou eram os governantes que achavam que com o fuzil na mão e a disposição de luta, na base da guerra e da morte, matariam os bandidos e resolveriam a segurança. Nem lá nem cá. Conflito não se resolve assim.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

Hoje temos a impressão de que existem duas polícias diferentes: a dos praças e a dos oficiais. Quem faz a PM são os cabos e soldados, os sargentos e os novos oficiais que estão nas ruas. Os postos e graduações definem as obrigações de cada um, mas todos temos a mesma responsabilidade. Temos que mudar isso, pois somos uma corporação só.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

A maior contribuição que a sociedade poderia dar no combate ao crime é não abdicar do próprio juízo em favor de ideologias excêntricas, que pretendem fazer crer que criminoso e vítima possuem o mesmo status de cidadania.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

Qual é a grande praga do crime no Rio? O narcotráfico com seu ethos de guerra.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

As três características que não podem faltar a um policial são: Lealdade, Destemor e Integridade.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

A experiência mostra que a maioria dos que trajam o uniforme oficial e portam uma arma de fogo não sabe lidar com o poder que isso traz e acabam tirando proveito da farda para obter vantagens pessoais.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

E para não ser acusado de não estar sendo claro, quero deixar patenteada minha repulsa em ver Policiais Militares fardados submetidos a situações ridículas no programa Esquenta, da TV Globo.

Por favor, respeito à farda!

Ela é universal em seu conceito e exige protocolos formais para seu uso!

Vesti-la exige formalidades e decoro próprios! Não importa se coronel ou soldado, todos, absolutamente todos devem reconhecer-lhe a sacralidade!

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

“Sede mansos como os cordeiros, porém prudentes como as serpentes”

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

Na verdade, nada tenho contra a ressocialização de criminosos que tenham acertado suas contas com a Justiça. Creio ser uma necessidade, principalmente em um país marcado pela desigualdade e por um passado em que a violência armada gerou uma subcultura do narcotráfico. Sim, é preciso dar uma segunda chance. E uma segunda chance que não dê abertura para uma terceira chance.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

Ora, se entendemos que é fácil ressocializar e perdoar assassinos sem que eles passem um dia sequer na cadeia, por que não perdoar um policial que pagou pelo seu erro?

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

A decisão de tomar o Alemão naquele momento foi para aproveitar o tiro no pé que o narcotráfico deu em si mesmo. Havia muito risco, mas não havia volta: ou agíamos ou as coisas poderiam se tornar piores, e teríamos um quadro semelhante a de guerra civil nas avaliações de risco e medo.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

Os conflitos significam o produto da herança histórica que perdurará por um tempo até não mais existir. Mais do que quadrilhas as facções se tornaram uma espécie de uma subnação e um subestado criminoso, com subexércitos, subeconomia e microterritórios. Vencer isso tudo é difícil porque há identidade coletiva adquirida, e não se consegue destruindo, mas descontruindo, o que leva tempo.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

O Complexo do Alemão além de Quartel General da maior facção era também seu altar de crenças. Os traficantes julgavam-se a salvo de uma retomada ali, ainda que seus "satélites" caíssem. Quando o seu "sol" foi tomado eles souberam que o império se findara. O modelo coletivizado do crime pelas facções só voltará a acontecer se o poder público permitir, Eu penso que a população nunca mais permitirá. Ao menor sinal de um recrudescimento a cobrança seria imediata.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

Há pouco atravessávamos um conflito armado de baixa intensidade, predominantemente nas favelas do Rio de Janeiro onde as facções se digladiavam com milhares de fuzis AK 47, Ruger, AR 15, FAL, metralhadoras de mão, com bi-pé, armas individuais e coletivas que tinham e usavam para enfrentar seus “inimigos”, entre esses o Estado que já não mantinha a supremacia do território considerando o poder erguido pelo crime coletivizado que dominava e subjugava bairros inteiros.

Produzindo feridos e mortos em números absolutamente incompatíveis com qualquer conceito arbitrado para normalidade em Segurança Pública, as guerras de facção eram ao mesmo tempo consequência e causa de fatores econômicos, sociais e psicológicos, (para não afastar os motivos individuais dos criminosos para a vida no crime), considerando haver uma espécie de simbiose entre as motivações e os vetores concorrentes no conflito.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

A mera destruição física dos traficantes como aconteceu por anos, proporcionada por estratégias que privilegiavam visões extremistas, não deu resultados positivos promotores de tranquilidade pública e paz social, como não poderiam dar. Verdadeiramente só serviu para gerar uma espiral de ódio entre a população pobre e as forças policiais, fenômeno facilmente compreendido na medida em que os favelados viam seus filhos morrerem pelas mãos do Estado, e as forças policiais viam, igualmente, os seus integrantes tombarem pelas armas do tráfico.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

No caso particular da participação do Exército Brasileiro, é indiscutível que ficará marcada para sempre sua presença como braço forte e mão amiga desde os primeiros momentos que precederam o resgate do Complexo do Alemão, logo após as operações na Vila Cruzeiro.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle

Essas coletividades criminosas nutrem ódios irreconciliáveis. Já se mataram e praticaram toda sorte de violência umas contra as outras: mutilações, tortura, todo tipo de horror que julgamos inconcebíveis no nosso tempo. As facções se utilizam da violência para fins diversos, desde a mera satisfação de pulsões de morte, não refreadas pela ausência da intuição punitiva (individualmente até intuída, mas coletivamente crida improvável), às celebrações para mudança de status de seus iniciados, como os batismos-testes de "coragem" imolando inimigos e outros alvos indicados pelas lideranças.

Coronel Mário Sérgio Duarte - CAVEIRA 37
Inserida por mimimabelle