Clara Furtado: Agarre-se, sem prender-se, ao Amor, mas...

Agarre-se, sem prender-se, ao Amor, mas tem que ser O Amor, aquele que realmente vale a pena, aquele que é responsável por todos os clichês românticos e verdadeiros inventados e a se inventar, aquele que compensa roubar um beijo, que o abraço é dado com cola e não se desgruda (ou não se quer desgrudar), que as crises e turbulências que podem acontecer são superadas de uma forma mil vezes mais forte, que um conhece o outro por dentro de tal maneira a ler o pensamento, em perfeita sintonia, aquele que queremos ver velhinho e sem vergonha de mostrar as próprias rugas, pois foram cultivadas nas experiências vividas juntos ao longo dos anos de companhia, aquele Amor que a ausência traz a prova de que a outra parte nos completa, pela saudade que se dá e pela falta que se sente e na presença, nos transborda, pela alegria e felicidade que nos preenche, aquele Amor que até podemos viver sem ele, mas que realmente não queremos pelo medo de perder, mesmo que tenhamos convicção de ser correspondido, aquele Amor que não é dependente, porque mesmo amando a ponto de nos tornarmos um em dois, somando-se também as vidas geradas no futuro, que mesmo assim, não sufoque com a pressão e a ilusão da dependência, porque, definitivamente, amar não é depender.

Que o Amor aconteça e que a consequência dele seja sempre Felicidade, do contrário, não é Amor.

1 compartilhamento
Inserida por ClaraFurtado