Rubens Costa: Há aproximadamente um século atrás ou...

Há aproximadamente um século atrás ou talvez menos, chegava em um vilarejo longe daqui, um homem montado sobe uma parafernalha de ferro com um motor e acentos. Tudo muito estranho para aquela época.
Aquele homem com cerca de 30 anos, chegara a aquele vilarejo pedindo ajuda com aquela tal maquina que ninguém jamais ouvira falar sobre.
No entanto, todos que alí presente, sem conhecimento algum sobre aquela novidade, curiosos, foram todos muito solícitos e ofereceram ajuda. O senhor da padaria foi o primeiro, pediu espaço, foi logo arregaçando as mangas da camiseta e se enfiou dentro da tal máquina, que dera o seu ultimo funcionamento na entrada do vilarejo. Horas se passarm com o senhor da padaria e por fim sem sucesso. Foi aí então que surgira naquele momento um tal carpinteiro metido a mecânico, mexe daqui e mexe dalí e nada da tal máquina começar a funcionar. Rodeado de curiosos querendo ajudar, uns por acharem que poderiam arrumar e outros somente para saciar sua vontade de saber mais sobre aquela novidade que alí estava e, tomava conta da cidade, o dono da tal máquina já sem muitas esperanças quase 8 horas depois desiste de arrumar a tal máquina. Ainda com todos alí juntos, ouve uma voz que dizia poder arrumar. Esperançoso olha por todo lado e diz:
- Quem disse isso?
No canto um senhor que por horas os observavam mexer na tal novidade, replica:
- Eu, meu jovem. Eu posso arrumar para que volte pra casa.
Todos sem entender o que aquele velho dizia e, duvidando de sua capacidade disseram:
- Ah tá bom, já estamos aqui por horas e o Sr aí só olhando, quero ver o Sr. arrumar então.
O velho Sr. de cabelos brancos pede espaço para a multidão que cercara aquela novidade, vai até a máquina coloca o braço entre o motor, mexe de um lado e do outro e diz:
- Pode dar a partida e voltar para a casa, meu jovem.
Quando o rapaz deu a partida a máquina voltara a funcionar. Contente e surpreso perguntou ao Sr., muito obrigado Sr., como devo chamá-lo e como conseguiu consertar assim tão fácil?
- Prazer, meu caro, me chamo Henry Ford e sou o criador dessa máquina chamada carro.

Muitas vezes, nos preocupamos com todos que nos cercam, ouvimos todos os conselhos, tentamos seguir a metade. Muitas vezes deixamos com que as pessoas vivam as nossas vidas. Através de tanta preocupação e medo, nos escondemos atrás de decisões de terceiros, para que não sejamos responsáveis pelas consequências de nossos atos. Nos esquecemos que a resposta não vem daqueles que nos cercam e sim d'Aquele ser Único que nos criou.
Abra espaço para o seu criador, deixe que ele coloque a mão sobe o seu problema e conserte. Não deixe que curiosos lhes digam o que fazer, deixe que o criador lhe de a resposta

1 compartilhamento
Inserida por RubensCosta