Naeno Rocha: AO OCASO À AURORA Num abstrato sol que...

AO OCASO À AURORA Num abstrato sol que eu estranho Reside a luz que emana de ti E que me absorto por jatos de cores Na temperatura dos teus olhos Que se deslumb... Frase de Naeno Rocha.

AO OCASO À AURORA

Num abstrato sol que eu estranho
Reside a luz que emana de ti
E que me absorto por jatos de cores
Na temperatura dos teus olhos
Que se deslumbram.
Os homens preferem as noites densas
Por sobre a lua
E elas não são deles
Nem queima
Nem se origina de uma força eletromotriz
A luz avermelhada do sol
Destaca o fogo das caatingas
O maldizer de quem se amedronta e conta as horas
Face da lua toda branca e reticente
Em fases se distrai e passa
Do horizonte dividido em pedaços de estrada.
O sol tem uma estação na mesma posição
E como a velha locomotiva
Não se cansa e precisa de mais gravetos
E quem lhe alimente em sua fome voraz.
A lua renasce em partes por vezes se arremete
À terra por discos voadores.
E nós voamos também além horizontes
No dia pela amarelidão da luz
À noite pelo foco brando do luar.

1 compartilhamento
Inserida por naenorocha