Daniela Raffo: A semente e o solo Quando nascemos de...

A semente e o solo

Quando nascemos de novo, Deus nos entrega a semente de nossa nova vida...
A primeira coisa a se fazer é limpar o terreno, e por isso saímos conquistar a terra prometida de nossos próprios corações. Então, aos poucos, descobrimos que essa terra que devia manar leite e mel mais parece com um deserto ressequido, assolado, improdutivo. A tarefa a nossa frente é árdua e desalentadora: precisamos eliminar as ervas daninhas de nossos antigos costumes, cujas raízes são tão firmes e resistentes como o metal; devemos limpar o terreno das pedras das idéias erradas que trazemos de nossa vida anterior e ainda por cima devemos lutar contra as gigantescas tentações do mundo que insistem em nos dominar...
Quando tivermos superado esta etapa, ainda deveremos preparar o solo... A terra que até agora só produziu espinhos e abrolhos precisa ser esmigalhada e aprontada para receber novos nutrientes. Então somos quebrantados pela dor e os sofrimentos, e nosso eu se desfaz até voltarmos a ser o pó de onde saímos... E as nossas lágrimas regam com abundância a terra de nosso coração, trazendo a ele novo sal e nova vida.
E assim se passa esse inverno de difícil espera em que nada vemos acontecer, quando tudo a nosso redor é gelo e aparente morte... Mas no interior da terra, a umidade de nossa dor amolece o envoltório de nossa semente, e quando chega a primavera e a terra esquenta com a luz e o calor do sol de justiça, a dura casca quebra e um tenro broto nasce... a vida que surge onde tudo estava morto, a doçura que sai da força...
Na primavera de nossa vida aprenderemos que quanto mais reguemos a nossa plantinha, mais rapidamente e mais forte ela ira crescendo... centímetro a centímetro, folha após folha, até virar arbusto... às vezes arvore. E no meio da suave brisa e do calor do sol, ainda produzimos as lágrimas que alimentam e dão o crescimento, e que já não parecem tão frias e dolorosas como de antigo.
E chegará a época das flores, quando o ar vira perfume e a escuridão se pinta de mil cores... Quando as nossas almas se deleitam e exultam e cantam, e as dores passadas até parecem tão doces... Então, tudo é tão bom que pensamos que chegamos ao fim que se esperava... mas ainda ficaremos surpresos com os frutos do verão, um presente inesperado depois de tanta aflição. Aprendemos então a mais maravilhosa das lições da agricultura: quanto mais duro, frio e terrível tiver sido o frio do inverno, maior doçura terão os frutos produzidos...
Virá então o Senhor da seara e colherá os frutos, e podará os ramos para que produzam mais ainda, cem, sessenta e trinta... pois essa é a verdadeira função da semente: produzir muito fruto, pelo qual ela será reconhecida.

Veja em que etapa de crescimento se encontra a sua semente, e se apresse para produzir frutos, pois as terras já estão brancas para a ceifa e o tempo aperta... e todo ramo que não produz fruto é cortado e lançado fora para ser queimado. E entenda bem: um ramo que é cortado é um ramo que pertence à planta...

1 compartilhamento
Inserida por danielaraffo65