Hozana Teixeira - A dreamer defeated: A dream defeated: Estou buscando,...

A dream defeated: Estou buscando, procurando uma maneira diferente de viver, de entregar-me. “Não mais ouvir meu coração”, primeiro passo, primeiro fracasso. Sou uma fracassada, uma derrotada; me perco sempre em tudo o que me torno, não consigo controlar este peso e me deixo infeliz. Preciso dar a alguém uma lista, uma longa lista com tudo o que vivi e invento ter vivido, para esta pessoa não cometer os mesmos erros no qual eu me perdi. Não confio no meu passado, mas também não mudaria nada. Eu até gosto dele, mas acho que poderia ter sido um pouco mais sensata e menos cruel comigo mesma em relação a algumas situações.
Eu tenho vivido uma nova pessoa, uma sonhadora, sim, desta vez, sou mais que uma sonhadora. Eu me tornei a sonhadora derrotada – é claro – e é mais terrível e assustador do que parece. Mas acho que a sonhadora derrotada é um exemplo a seguir. Ela é mais sensata e responsável que eu.
Na verdade, algumas pessoas até me dizem que eu sou a sonhadora derrotada. Isso é mais que uma honra – ser comparada a ela – mas seu dissesse que a sou, estaria roubando este título dela, estaria sendo hipócrita.
Quando estou sozinha – geralmente à noite – me entrego a todas as verdades que escondi ao longo do dia. Tenho vergonha de olhar-me no espelho. Me sinto falsa, as verdades me castigam – me sufocam, me derrubam – e isso me faz mal, muito mal.
Se eu tento tanto parecem com a sonhadora derrotada, tu me perguntaste: “Por que não se torna a sonhadora derrotada de uma vez?” – aí está. Seria um erro, mas não é o problema. O problema é que tenho medo, este medo me consome completamente. Me tornar alguém como ela é fácil, mas ainda não sou capaz de tamanha responsabilidade, não acredito em mim o suficiente, não ainda.
Nos últimos dias, eu notei o quanto me perdi, perdi uma parte de mim, e a outra parte apenas substitui. Uma parte de mim, na qual me tornava alguém que me transformaram, que meus hormônios e meus amigos – não posso mais chamá-los assim – me tornaram. Mas eu precisava mudar, apenas mudando, teria de volta o sorriso que eu amo voltado a mim. Quando necessito deste sorriso, transformo-me na sonhadora derrotada. Mas acredito que nunca tive, nem meu realmente eu, nem a sonhadora derrotada.
Minha imaginação pesa, é um peso constrangedor, pois a realidade me envergonha, as pessoas como um todo me envergonham. A nova geração me dá nojo, me deixa demasiadamente infeliz. Prefiro morar no meu mundo irreal, viver em um mundo criado por mim, um mundo só meu; todos os habitantes desta minha atmosfera existem na vida real, sim existem, mas não são tão reais em meu mundo. Infelizmente.
De súbito, pela primeira vez com um mal-estar real, deixei vir a mim uma sensação nova de amigos que eu simplesmente abandonei. Sem explicação, apenas os deixei. Uma sensação de negligência e desinteresse, a do silencioso ódio deles. O que me surpreendia é que essa era uma especie de ódio isento, o pior ódio – o indiferente. Não algo que me individualizasse mas a singela falta de misericórdia. Nem ao menos chega a ser ódio, é mais profundo que este poderia chegar.
A sonhadora derrotada, na verdade, é o oposto de mim, o oposto de minha serena ironia, de minha amarga e isenta ironia: era ela uma violentação do meu ser. É o nítido retrato da derrota.

1 compartilhamento
Inserida por Hozanateixeira