Alfred de Musset: Lembra-te, quando fomos condenados à...

Lembra-te, quando fomos condenados à magoa eterna da separação, e a dor, o exílio, os anos fatigados, me houverem corroído o coração; pensa no extremo adeus, ne... Frase de Alfred de Musset.

Lembra-te, quando fomos condenados
à magoa eterna da separação,
e a dor, o exílio, os anos fatigados,
me houverem corroído o coração;
pensa no extremo adeus, nesta triste existência!
Para quem ama, o tempo é nada, e é nada a ausência.
Meu pobre coração, até morrer,
sempre te há de dizer:
Lembra-te!
Lembra-te
ainda quando paz sem termo
ele, extinto, gozar na terra fria;
e quando, em meu sepulcro, a flor do ermo
Desabrochar suavemente um dia!
Não mais tu me hás de ver;
mas, onde quer que vás,
junto de ti minha alma - irmã fiel - terás!
E, alta noite, hás de ouvir a voz desconhecida,
murmurando sentida:
Lembra-te!

6 compartilhamentos
Inserida por henriquenasci