Linartt Vieira: Em certa cidade morava um brâmane...

Em certa cidade morava um brâmane chamado Svabacripana, dono de um grande pote. Recebendo generosas esmolas pôde encher aquela vasilha com farinha. Pendurou-a então acima de sua cama, e gostava de ficar deitado, contemplando sua fortuna e sonhando com uma porção de coisas. Uma noite, já deitado, o brâmane começou a pensar:
- Já tenho o pote cheio de farinha. Se viesse uma carestia eu conseguiria por ele cem moedas de prata, com que poderia comprar um par de boas cabras. Como as cabras quase sempre têm filhotes de seis em seis meses, em pouco tempo estaria formando um grande rebanho. Vendendo as cabras poderia comprar muitas vacas; com as vacas compraria búfalas; com as búfalas compraria éguas. As éguas teriam muitas cavalos, que eu venderia, tendo um bom lucro em ouro. Com o ouro construiria uma casa de quatro salas (*). Então, sem dúvidas alguma, algum brâmane virá oferece-me a filha em casamento, e eu aceitarei, se for bonita e rica, é claro. Do casamento terei filhos a que darei o nome de Somazarman. Quando ele estiver em condições de saltar sobre meus joelhos eu estarei, certo dia, sentado atrás da cavalariça, lendo um livro, e Somazarman me verá. Deixará a companhia da mãe e, desejoso de saltar sobre meus joelhos, vira ter comigo, aproximando-se dos cascos dos cavalos. Então, zangado, direi à minha esposa:
- Segura esse menino.
Ela, que estará ocupada nos afazeres da casa, não me ouvirá. Então eu me levantarei e lhe darei um pontapé!
Tão mergulhado estava o brâmane em seus pensamentos que, desses, sem perceber, passou à ação, de forma que, ao erguer a perna para o imaginário pontapé rompeu o pote recebendo em plena face toda farinha.

> Quem Concebe um Projeto Irrealizável e Impossível, pode Ficar Branco em sua Cama, Como Aconteceu ao Pai Imaginoso do Inexistente Somazarman.

1 compartilhamento
Inserida por LINARTT