Janine Lamenha: O tempo não cura nada. Apenas ajuda a...

O tempo não cura nada. Apenas ajuda a colocar o resto da sujeira embaixo do tapete. Mas do que isso adianta? A sujeira continuará lá de qualquer forma. Posso esquece-la por uns dias, semanas, mas vou querer mudar os cômodos da casa outra vez, e adivinha? Lá vai estar ela. Isso corrói o restinho de vermelho que ainda pintava o meu coração [...] Eu não consigo fingir sempre. Às vezes eu deixo escapar um pouco de infelicidade, impaciência, de solidão. Mas você faz questão de mostrar que ainda existe. Que ainda sabe sorrir, e não precisa de mim para isso. A vida tem dessas coisas, sabe como é? O prêmio de quem aposta baixo, é igualmente baixo. Às vezes eu ainda acordo tentando sentir raiva de mim por pensar em você, procurar seu cheiro pelos cantos da casa, lembrar daqueles lapsos de felicidade que pareciam eternos e que geram, acima de tudo, saudade. As juras de amor que eram mentiras, as promessas que nunca vingaram. De como sofri pelos seus erros, e de como até hoje sofro, pela sua ausência. E o pior, por mais que você tenha pisado em todos os sentimentos que te dei, você não conseguiu acabar com tudo. É íncrivel, mas, eu acreditava no que você dizia, mesmo fazendo sempre o oposto... Eu nunca entendi o porque daquelas palavras, e nem todas as explicações do mundo seriam o bastante. Sensações como as que eu senti, não se descrevem, se escondem. Tenho certeza que hoje, não duraríamos nem um dia, mesmo que meu coração não precise de tudo isso. Não posso me culpar de nada. Não mesmo. Ninguém entra num jogo acreditando que irá perder. Não faz sentindo. Então pelo menos por enquanto, eu ficarei na arquibancada. Talvez eu aprenda que não é preciso se doar tanto, e ai estarei pronta pra jogar. Mas por enquanto, isso não é um adeus, nem um até logo. É apenas um: Eu continuarei aqui para sempre. Te amando e te odiando.

7 compartilhamentos
Inserida por JanineLamenha