Emilly Farias: Bom, não sei em que parte começou, ou...

Bom, não sei em que parte começou, ou se ⁠realmente teve um inicio. Ao longo dos anos, tornava-se mais perceptível,e isso me apavorava. Era notável o meu desâni... Frase de Emilly Farias.

Bom, não sei em que parte começou, ou se ⁠realmente teve um inicio. Ao longo dos anos, tornava-se mais perceptível,e isso me apavorava. Era notável o meu desânimo, mas ninguém percebia, ou de fato não se importavam.                                                                                                         Subitamente, me encontrei em um filme, do tipo melodramático que todos sabem o que acontece no final. Tudo era amargo, não sentia sequer o doce do meu sorvete preferido.                                                                            Tudo me atordoava, tirando noites de sono, me fazendo ficar madrugadas inteiras em frente a tela do meu celular, buscando algo que me trouxesse alivio do caos todo que se estendia nos meus pensamentos.                             As músicas que me prendiam, soavam como uma deixa, para um triste fim...   Eu claramente estava em um abismo, absolutamente tudo era um gatilho, para dar mais um passo a frente. Não conseguia sequer comunicar-me com alguém, pois o trauma do abandono me perseguia, deixando-me reclusa de sentir qualquer sentimento por alguém.                                             Minha vida era tentar ignorar a voz que ecoava no meu consciente, ela me dizia que aqui não era o meu lugar, eu a ignorava, pois sabia que estava certa...                                                                                                                      Para a minha mãe, isso não passava de mais uma fase de um jovem rebelde, ela me aconselhava buscar a Deus, dizendo que ele era o meu melhor amigo, mas não batia com a imagem que ela pregava dele, um ser que condena até por amar...                                                                                    Já o meu pai, me tratava como um ser inexistente, e isso me machucava profundamente, saber que ele não me amava, era como um facada nas minhas expectativas que eram tantas.                                                                    Os que eram para me apoiar e me ajudar, percebi ao longo do tempo, que são os últimos que posso recorrer.                                                                          Em um dia de domingo a cidade estava calma e as pessoas reunidas com suas famílias em casa, naquela manhã, senti uma dor tão árdua que meus olhos inundaram, e resolvi atender a suplica que gritava no consciente....            Peguei uma corda, e amarrei-lá no meu pescoço, pensei em todas as dores que me assombravam, e no meu último suspiro, consegui encontrar a paz que tanto buscava....                                                                                      
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                      

Inserida por emillyescrevopoemas