Li Azevedo: ⁠Chão de vidro! Chão que me feria os...

⁠Chão de vidro! Chão que me feria os pés, mesmo sem estar estilhaçado...Teto de vidro! Teto que me fazia nua, nua de verdades, nua de mentiras... Amor de vidro!... Frase de Li Azevedo.

⁠Chão de vidro! Chão que me feria os pés, mesmo sem estar estilhaçado...Teto de vidro! Teto que me fazia nua, nua de verdades, nua de mentiras... Amor de vidro! Amor que se quebrou ao estilhaçar-se o vidro...


Todas as nossas escolhas, em algum momento da vida, poderão nos parecer equivocadas! E somente uma resposta é capaz de aquietar-nos o coração: a certeza de que faríamos exatamente tudo igual outra vez...


Palavras escritas, mal escritas. Mal ditas...


Eu não quero ser prisioneira da eterna lembrança de que estarei para sempre em sua memória...


Eu só queria voltar para casa. Voltar para meu velho edredom que a ninguém mais aqueceu. Voltar para as brincadeiras de pique - esconde, pula-pula, fantasias e sentir outra vez o desejo de ser adulto somente para assistir na TV aquele beijo que insistiam em me ocultar... Qual era o pecado daquele beijo? Mas o meu edredom não existe mais, não consigo me esconder nos mesmos lugares, o pula-pula agora é uma questão de sobrevivência, e o beijo, ah... O beijo eu entendi porque me ocultavam... Era simplesmente para não morrerem minhas fantasias... Como eu queria voltar para a casa...




São corredores da morte. São condenados que carregam a sentença cravada no próprio corpo, na própria carne. Na face, nos pulmões, no fígado, no pâncreas, na próstata, nas pernas, nos braços, enfim, onde o veredicto imposto pela cruel e desumana caneta da vida consegue alcançar. São olhos marejados que se perdem no espaço e, em silêncio, fazem perguntas, a maioria delas, sem respostas. Será culpa minha? Será um castigo? Será que sobrevivo? Será...Será...Será...E dor...Dor que faz questionar a própria essência, caráter...Os anjos? Os anjos são aqueles que acompanham os condenados por entre os corredores da morte...São aqueles que já conseguiram remissão se foram mesmo expulsos do céu pelo Criador...São aqueles para os quais não existe mais pecado, simplesmente por serem anjos...Anjos em momento de dor...Para estes e para os condenados, a vida não é somente vida, é presente, é perdão, é amor...E o Criador, por amor, desenha e redesenha o destino dos condenados...Somente por amor...



Eu escrevo para que o mundo perceba minha dor. Apenas perceba, porque me ajudar, só cabe a mim mesma fazê-lo...




Sim. Nós sempre existimos. Eu e você. Entretanto, eu de um lado, e você de outro. Não existimos eu por você, tampouco, você por mim. Não existimos um pelo outro. Existimos por nós mesmos. E por orgulho, perdemos a única chance de sermos felizes, um com o outro...




Sensação de pensar conhecer, mas não conhecer, entende?
Sensação de descobrir o que se tem medo, entende?
Por hoje, sensação de tempo perdido por pura confiabilidade ingênua, romântica...
Sensação de mentiras...Tudo mentira...




E no final quero somente dizer que inúmeras vezes eu chorei, mas também sorri. Errei, mas acertei. Perdi, mas ganhei. Gritei, perdoei, briguei com o mundo, parti, voltei, fugi, mas também amei. Uma única vez eu amei! Se não tivesse amado, ainda que uma única vez, nada teria vivido...


O amor desintoxica a alma...


Eu sou a melhor das mulheres, mas sou a pior delas também...


Mais difícil que moldar um homem, é esquecer o desgaste dos tempos de treinamento...


Quando eu encontrar um lugar no meu mundo, quem sabe eu volte para o seu...


Não sei se meus sonhos ultrapassam as fronteiras do mundo, ou se meu mundo não suporta a imensidão dos meus sonhos. O fato é que eu preciso das palavras para sobreviver! Ah, se eu me contentasse tão somente com minhas palavras...


Eu sou um infinito de personagens inventados desde o momento em que pude compreender a grande farsa que é ser apenas mais um ser humano normal...


O amor supera a distância e não se curva ao tempo. No entanto, a ausência da pessoa amada pode transformar em pedaços sonhos de amor que jamais serão reconstruídos...


E se eu escrevo o que sinto, é que a palavra tem o condão de me retirar do abismo em que por vezes me encontro...


Durante todo o tempo eu quis extrair verdades que eu julgava existir, talvez por ter aprendido ser a mentira a grande mola propulsora das relações...

Inserida por LiAzevedo