Luciano Spagnol - poeta do cerrado: O AMANHÃ Nunca, devemos dizer jamais O...

O AMANHÃ

Nunca, devemos dizer jamais
O dia vai como tem que ir

A brisa nos leva,
Onde quer que estais
E nos põe a partir
Vais... vais... vais...

Mesmo que o medo te faça fingir
Não olhe para traz
Ouça do teu coração, a voz
Ele lhe dirá em linhas gerais
Um sonho. Arranque o teu poder feroz
Nunca atroz, vá mais e mais
Não olhe para traz

Quando o amor leva nossos sonhos
Tudo é capaz
Até mesmo chorar...
Enxugue tuas lágrimas, tudo é fugaz
O que importa é amar
Não olhe para traz, siga teu olhar

A brisa nos leva
Onde quer que estais
E nos põe a partir
Vais... vais... vais...

O amanhã é um talvez
Não acredite na sua ilusão
Pegue a ti, e a tua nudez
Da alma, e busque a paixão
Acredite em ti, de uma vez

Coloque tuas asas e vá voar
As nuvens são macias, ao tocá-las
Cada passo dado vira passado, sem pesar
Pois, você está vivendo, vá voar...

A brisa nos leva
Onde quer que estais
E nos põe a partir
Vais... vais... vais...

O amanhã é um talvez
Vá de vez, e não olhe para traz
O hoje é fugaz, e a vida uma só vez
Então deixe a brisa te levar
Tenha lucidez... Vorás é o tempo!
As vezes não terá outro talvez

Quando o amor leva nossos sonhos
Tudo é capaz
Até mesmo chorar...

Não olhe para traz
Vais... vais... vais, o que importa é amar!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
15/12/2019, cerrado goiano

Inserida por LucianoSpagnol