Luze Azevedo: The answer is blowin' in the wind são...

The answer is blowin' in the wind
são 92 passos da entrada do meu prédio até a loja de conveniência. a cerveja é o dobro do preço de qualquer boteco ao redor. mas, a harmonização do prato com o aperitivo, não tem preço. se a Credicar quiser, autorizo a propaganda e permuto a minha fatura, atrasada.

e, em época de Copa, o papo não poderia ser outro: as Seleções. e, claro, obvio, todas. principalmente a nossa.

dias atrás – vejam posts anteriores –, era o Peixe.

o futebol é um esporte coletivo e, as opiniões, sempre serão individuais. entretanto, com meus amigos frentistas, existe uma unanimidade.

entre uma bike que precisa de mais ar nos pneus e o marido atrasado para o almoço, comprando a sobremesa, a cultura futebolística dá chance às delicadezas. e os pitacos deles, é claro.

num momento mágico, encosta um “Soul”, branco com o interior vestido de vermelho, os bancos de couro... dentro, um casal apaixonado trocam carícias. ela aproximadamente uns 60 e, ele, mais de 70 – tô chutando pra baixo –. eles se permitem ainda ao tratamento de: “Amor isso, Amor aquilo...”

dentro do carro o radio, ou o DVD, toca: “Blowin' In The Wind” – How many roads must a man walk down/ Before you can call him a man?/ How many seas must a white dove sail/ Before she can sleep in the sand? –, a resposta meu amigo, está soprando ao vento.

tanque cheio, ela desce e vem de encontro ao caixa com o cartão para efetuar o pagamento. o caixa, digita o valor da compra e pede que ela insira a senha. rotina básica de qualquer compra efetuada, com cartão. ela, num desvio de pensamentos, esquece a senha e se vira para o veículo, ainda estacionado junto à bomba. de dentro do carro, ele pressentiu que algo não estava caminhando bem. e, sem ao menos pestanejar, diminui o som do Bob Dylan e grita: “Amor é o Dia Mais Feliz da Minha Vida!!!”. ela captura a informação que vem no vento e sussurra ao meu ouvido: “a senha, é a data que nascemos um para o outro”.

eu juro que queria saber. mas, ao mesmo tempo, seria invadir por demais a privacidade deles, além da conveniência.

E, a resposta está soprando ao vento!
*em tempo 22.jun.2014

Inserida por LuzeAzevedo