Jearin C. Mota: Tão quanto são Tão estranho são os...

Tão quanto são

Tão estranho são os demônios, vejo-os por baixo da porta. Eles são como cachorros grunhindo como porcos, com belos passos de botas. Suas correntes de ouro são tão densas quanto as trevas. Guardam consigo um tesouro que ecoa um som tão triste e sincero. De uma caixa de almas, do vazio ao eterno, lutam para não voltar para o seu terrível inferno.

Ah! Tão belas são as almas e seus sons como de estrela. Tão vibrante e indestrutível como todas as certezas. O seu som indescritível e tão cheio de clareza, é um ruído afinado, um silêncio gritado que muda com toda a graça, como espectro de fumaça; não existe diapasão que afine o seu tom. É mistério falado, é sorriso não dado, como peito apertado chorando as tragédias como se fosse feliz. Os seus belos pés molhados que flutuam sobre os lagos, descem pelas profundezas como se fossem raiz. Eu não vejo o seu formato, mas eu sinto o seu cheiro e é como o desejo de quem foi, mas que não quis.

Quão tenebrosos são os anjos e seus véus cheios de luz. Não há quem escute seus passos, olhos que veem todos os lados; na bainha, espada vibra um golpe dado, com seu formato de cruz. Não existe um sentimento que escorra pelo rosto. Sua boca não se abre, os seus lábios são selados. Sua voz ruge mais potente que a do leão alado. Não há inimigo que fuja ou coisa alguma que o assuste e causa até mais medo do que todo grande inferno. Já nascem evoluídos, e estão selados a causa de viver em pró do Eterno.

Quão mau são os homens. Breves viventes, efêmeros de sentimento, imprecisos no sintoma da existência e nas escolhas do que viver. Feitos de ideologias e princípios vãos, criados por sua estupidez, desilusões e frustrações que os faz achar de tudo um pouco saber. Indiferentes a si mesmos e ensimesmados, perambulam escravizados pela corrente do supor. Por extrema ignorância, aclamam a si mesmos como deveras libertados, mas para não serem julgados se igualam aos demais. Seus sorrisos hipócritas e amarelos de inocentes, já comportam opaca a clareza do reflexo que os oprimiram a serem tão decadentes. São todos iguais.

Belo e forte é o espírito, da fraqueza faz a força. Inconstante e invisível com seus passos oprimidos, guerreia leve e suave na mais grave turbulência. Transforma a circunstância como pedra de alquimia. Remove os laços, dança nos embaraços como bela sentinela que ninguém sabia que existia. Vigia nossa calma, dá suporte a nossa alma, traz clareza no tempo certo ao que se não se entendia. E quando não se acreditava, é bela carta de alforria, que alegra o coração, nos faz caminhar por entre os dias caindo em outros laços, afim de ensinar nos passos, que a vida é esperança, e nos faz cumprir a missão. De antemão predestinado, demostrando, que o amor é quem nos chama, para nos sussurrar aos ouvidos que na nossa trajetória tudo é feito por ele mesmo, e que nada foi em vão.

Tão misterioso é Deus, e tão cheio de poder. Quem sou eu pra descrever? Como o grande o Eu Sou, só Ele mesmo diz quem é.

1 compartilhamento
Inserida por JayCMota