Águas de ontem Vasculhei nos acúmulos... José Regi

Águas de ontem

Vasculhei nos acúmulos do baú, a procurar um poema belo
No juntado de saudade nada encontrei senão lágrimas doidas
Segui remexendo, entre amores perdidos no tempo, dores
Sabores ainda não degustados e muitos dilemas

Havia ali, esquecidos, alguns sorrisos em preto e branco
Alguns instantes eternizados na fotografia betumada
Tantos entre tantos, encontros e partidas
Abraços vivos ainda longe, muito longe da despedida

O coração, navegante sereno, agitou as águas do mar
Dos olhos de ver o ontem, choveu uma tarde inteira
Fiquei absolto nas corredeiras que se formavam
E o poema encontrei, náufrago e ilhado

Estava ali um tesouro de valia duvidosa para alheios
Um monte de coisas velhas, sobrepostas, incompletas
Cadernos de rascunho de próprio punho
Onde alguém assinava com alcunha de poeta

Sobre o poema?
O poema era tudo aquilo ali esquecido
O poema era o tempo vencido
Onde estarrecido agora chorava em silêncio
O menino de ontem... Envelhecido.

José Regi

2 compartilhamentos
Inserida por jose_regi