Thais Elislaglei Pereira Silva da Paixão: Como está você? Sinto saudades…...

Como está você?

Sinto saudades…
Saudades daqueles tempos em que as amigas e os amigos marcavam um dia para se encontrar e atualizar uns aos outros das suas novidades.
Conversavam sobre os flertes
Falavam dos micos que pagaram
Contavam as artes dos pais e/ou dos filhos
Enfim…. De fato existiam novidades para serem ditas
Existiam motivos para encontrar o amigo ou a amiga e simplesmente perguntar: como está você?

Hoje… Não existem novidades a serem ditas ou flertes a serem contados.
As redes sociais já nos contam tudo
Revelam os flertes
Narram as viagens
Mostram os nascimentos
E noticiam os óbitos.

Os encontros entre amigos e amigas já não têm mais a mesma química
A presença física se confunde com a ausência virtual
Nas viagens... passa-se mais tempo fazendo selfies
Curti o momento? Curte depois, olhando as fotos.
E no fim a viagem serve apenas para ser exposta nas redes sociais
É como se cada um quisesse provar que também pode viajar.

Os filhos? Já nascem sem privacidade
Fotos são expostas todos os dias nas “timelines”.
Os idosos são igualmente expostos
Para provar cuidados, os filhos os expõem nos seus momentos de maior fragilidade e intimidade
O pai amoroso das redes sociais nem sempre assim o é na “vida real”
A mãe tranquila de textos amorosos nem sempre consegue se controlar diante das peraltices da “vida real”.

E assim vamos seguindo, numa sociedade com dois mundos
O mundo perfeito, cheio de valores e riquezas materiais das redes sociais
O mundo real, muitas vezes pobre de afeto, respeito, carinho, humanidade, solidariedade e todos os lindos princípios tão bem divulgados nos storyes
E assim vivemos a esquizofrenia virtual
Nos obrigamos a vivenciar experiências exclusivamente para serem mostradas aos “amigos” nada íntimos das redes sociais.
E esquecemos que os mais importantes e verdadeiros valores e sentimentos não se mostram nas redes sociais.

O texto assusta. Mas pode se acalmar.
Você não é a única pessoa que está refém das redes sociais.
Toda a sociedade está refém das realidade virtual
Das falsas vidas gloriosas das redes sociais.
Por vezes existem vidas que são verdadeiras Fake News, pois tudo é falso.
Já é chegada a hora da reflexão.
É preciso perceber que a vida das redes sociais somente será verdadeira se de fato estiver alinhada com a realidade.
O amor, respeito, solidariedade e honestidade pregados nas redes sociais de fato precisam ser praticados na vida real.
Precisamos que a realidade virtual seja menos intensa e que seja possível encontrar os amigos e perguntar: como está você?

1 compartilhamento
Inserida por elislaglei