Meu olhar de sessentão espraiado em... odair flores

Meu olhar de sessentão espraiado em lembranças, esbarra num agora como se resgatado de ontens por mim já vividos, atopetados de poejos e hortelãs perdidos entre margaridas e ervas outras que ao toque da brisa nômade que penteia a gramínea, aromatiza o ambiente com perfumes vários, presença sutil da Natureza materializada nessas plantas companheiras, que enfeitam e purificam a aridez desse meu desemprego.
Os topetudos tico-ticos sonorisam o ar com suas vozes afinadas. Do alto do pé de mangas, joões-de-barro observam a algazarra dos canários-do-mato furtando água do bebedouro dos beija-flores, enquanto sanhaços me apontam a arvore que tem frutos maduros.
Meu quintal, meu colo de mãe, neutro território de paz aonde me refugio dessa guerra do ganha-pão sem meios, pois o sistema torpedeia meus cabelos prateados e as rugas da experiência e em sua estupidez não percebe a bandeira branca levantada pelas minhas idéias, meus sentimentos e meus ideais.
Meu quintal, sagrado pedacinho de chão que me acolhe, como acolhe as arvores que aqui plantei, em uma época de recursos largos e ilusões maiores. Aqui nessa trincheira, nesse diminuto pedaço de planeta, fiz de cada centímetro um mundo onde co-habito com os pássaros já ditos, com as borboletas, minhocas, joaninhas e outros mais, sábios seres que fingem acreditar que sou o senhor entre eles. Este é o meu lugar! Meu quintal, não quinta, meu sítio, não pelas dimensões, mas porque por aqui me sitio olhar quando não no passado, perdido nas distancias que do varandão me permito espiar, alongando vistas por sobre os morros, lá para aquelas bandas, de onde nuvens parecem vir brincar de mímica, fazendo formas para que eu tente adivinhar com meus netos, o que são.
No cair da tarde calma, só perturbada pelo bando de quero-queros que gralham contrastando com a mudez compassiva das rolinhas que voltam ao ninho, em um restinho de mata que sobrou, o sabiá canta como a avisar que o palco da noite está pronto para o show dos vaga-lumes e para as luzes dos sonhos que eu ainda posso ter...

odair flores

1 compartilhamento
Inserida por odair_flores