PATRICIA PINHEIRO DE ARAÚJO: Era uma noite de 18 de novembro, ela foi...

Era uma noite de 18 de novembro, ela foi dormir, foi dormir para não mais acordar. O dia tinha sido normal, e como nos dias normais pessoas que amam-se discutem, estressam-se, usam palavras duras, era apenas um dia normal. Ocorreu um pequeno aborrecimento, irrelevante, era apenas uma pequena discussão com sua mãe, futilidade, coisa pequena demais para pedir desculpas. Ela dormiu e sua mãe não mais acordou. Parecia um pesadelo e ela orava desesperadamente para que fosse. Familiares,
Amigos, Facebook, tudo absolutamente igual, porém nada estava como antes, o mundo estava sem cor, sem ar, sem chão. Ela estava vivendo o seu pior dia, a dor da perda, a perda de quem lhe deu a vida. Ela tentava ser forte, manteve sua fé no Criador, ela pensava: eu era uma boa filha não vou me culpar pela discussão, ela pensava Deus é amor, eu sei que Ele é graça e misericórdia, minha mãe está com Ele e não vou ficar triste por isso. Ainda assim, ela estava vivendo o pior dia da sua vida, porém mantinha-se forte, sem derramar uma lágrima, por dentro um turbilhão de sensações. Ela orava, pedia com fé, meu Deus, eu sei que o Senhor sempre me dá um sinal, sei que me deu, mas por favor, mas um chance, só essa chance, a última...Nada acontecia! Aos poucos os irmãos da igreja começaram a chegar, preparavam as coisas para o velório, muita agonia, como uma mulher tão jovem partiu assim, de repente. Ela aproximou-se do corpo, ela não suportou segurar a dor, ela desabou em choros e disse: Como eu queria a chance de honrá-la MAIS e MELHOR, era muita coisa para uma garota suportar.
Algo estranho aconteceu, como um milagre, FÔLEGO DE VIDA, uma nova chance.
Um pesadelo, então vira 19 de novembro e a mãe dela estava viva, um milagre, uma lição.
Moral da história: Não discuta por coisas banais, não acostume-se com o comum, não vá dormir de mal com ninguém principalmente com quem você ama, viva e trate as pessoas todas vezes com o mesmo afeto e cordialidade da despedia que gostaria de ter no último encontro. Dessa vez um milagre aconteceu, contudo, milagre é uma exceção. Não espere por um milagre, não fundamente sua vida por um “E SE”. Valorize as coisas que tem valor, principalmente as pessoas. A vida é finita, os seres humanos também. Todos os dias pode ser o último dia.
A vida é só um instante e ela é curta demais para não sermos amorosos, não por sermos bondosos, mas por uma questão de inteligência.
Afinal: “A vida é muito curta para ser pequena” (Mário Sérgio Cortella).
Quando você parar pra vê, já foi!
Então, abrace hoje, seja tolerante agora, demonstre afeto, doe-se. Todos dias é uma despedida e nessa vida só temos certeza da morte.
Por isso, faça dos dias comuns os mais especiais, porque todos dias é o nosso último dia, o último dia de alguém, a despedida.
Ame! ♥️

1 compartilhamento
Inserida por Patricia_Pinheiro_