AteopPensador: ►Por Quê? Eis que me vejo sendo...

►Por Quê?

Eis que me vejo sendo conduzido por uma força maior
Ora essa, eu tinha a certeza de que conhecia tudo,
Mas agora estou sendo apresentado a todos ao meu redor
E percebo que sou apenas uma partícula ingênua no mundo
Totalmente ignorante, alto, confiante e cego
Quem poderia conter a curiosidade de se espalhar a céu aberto?
Mas que é exigido um certo tipo de fato concreto
A criação de uma nova forma de razão é certa,
Porém, não é de se esperar que seja aceita
O ser humano almeja algo que os surpreenda
Mas muito desejam continuar com tradições do lar,
E ai de quem burlar essas leis, mas vejam o que eu encontrei
Algo novo, logo, eu farei perguntas, como a da "galinha e o ovo".

Por que a Lua brilha? E por que o Sol me ilumina?
Por que sinto falta daquela menina? Por que as lembranças me ensinam?
E de tão óbvio, e imediata resposta, não existe o tempo para pensar
Talvez a Lua está lá para me guiar, brilhando no céu, e minhas ideias clareando
Permitindo as estrelas que continuem a ficar me seguindo
O Sol me aquecerá quando eu estiver deprimido,
Fazendo um pedido a chuva, que descerá em meu rosto feito um rio
E aquela menina? Por que ela se tornou imortal para mim?
Será pelas discussões que acarretaram no fim?
Será por que ela fora uma das poucas que me disseram sim?
São deveras múltiplos fatores que me rodeiam, transformando-os em possibilidades
Similar aos rodeios que, de vez em quando, ocorrem em minha cidade
O público desconhece a verdade, mas ela vos é apresentada, parte por parte.

Escrevendo feito uma máquina lubrificada,
Buscando me entreter na noite silenciada
Estando quieto, mas com os pensamentos em movimento
Não parando por nenhum momento, buscando um novo jeito
Escrevo com acelerados batimentos em meu peito,
Mas sem saber direito por que eles estão fazendo confusão
Então, qual seria o motivo dessa minha intenção?
Pois não sou provido de diversos leitores para me acompanhar
Mas por que não quero parar?
Por que insisto em continuar?
O que pretendo ganhar? Onde quero chegar? E para que?
São tantas perguntas, tantas dúvidas, que me encontro perdido
Isso mesmo, me encontrei em um estado físico e mental fora do normal
Seria estes então indícios de que estou caminhando lentamente para o hospício?
Pois, há quem diga que estou gradativamente ficando louco
Que, pela quantidade incontável de palavras que escrevo, acabarei ficando oco,
Sem conseguir distinguir o que é real e o que é pura ficção
Mas como disse, não consigo parar, impossível de explicar,
Como se alguém, invisível, segurasse firme meus remos, e remasse
E não me contasse onde estaria a me levar, isto é algo que cabe a mim, sozinho, desvendar.

Mas por que me lembro de um certo segundo do tempo?
Por que a minha mente custa a se adaptar com o recém-chegado conhecimento?
Enlouqueço-me tentando encontrar uma resposta neste imenso jogo de quebra-cabeça
Onde está o sentido, essa é a real fraqueza de minha existência,
Como uma criança, que incorpora a ignorância e a insistência
Será em vão em dizer que "é assim que as coisas são, e ponto final", quero saber,
E costurar minhas pontas soltas de volta a seus lugares.

1 compartilhamento
Inserida por AteopPensador