Raiza Mucida Oliveira: Nós não gostamos de vazios Não...

Nós não gostamos de vazios

Não sabemos lidar com vazios. Logo que nos deparamos com um, temos a urgência de logo enchê-lo de coisas, pessoas, comidas, pensamentos.

Uma rua vazia e escura mete medo. Uma carteira vazia desespera. Um cômodo vazio incomoda. Um copo vazio não serve. Um estômago vazio dói. Uma cabeça vazia não evolui. Um coração vazio não se alegra. And silence like a cancer grows...

Uma casa vazia é quase sinônimo de tristeza. Queremos logo enchê-la de risos, música, móveis. Nesse ímpeto desesperador de preencher o nada com qualquer coisa vamos ficando pesados. Acabamos nos entulhando de muitas coisas sem utilidade, ou de muitas coisas sem qualidade.

Consideremos nosso corpo a nossa casa. Mãos vazias logo são ocupadas por um celular ou cigarro. A boca vazia não fica assim por muito tempo, logo é se enche por comida, bebida ou conversa fiada. E assim vamos entulhando nossos vazios...

A maior parte do problema dos vazios se deve aos pensamentos de má qualidade que temos em relação a eles. Geralmente não ficamos encarando ou procurando por qualquer coisa dentro de um, pelo simples medo do que vamos encontrar lá.

A outra parte do problema de um vazio é que todos sabemos mesmo inconscientes que dentro deles reside algo sim, algo que não queremos ver e por isso tampamos com muitas coisas por vezes inúteis. Na verdade o vazio é um espelho. Apenas o reflexo de nós mesmos.

E nós não sabemos lidar com nós mesmos.

1 compartilhamento
Inserida por raizamucida