Patricia Pinheiro de Araújo: Pobre que não gosta de rico é tão...

Pobre que não gosta de rico é tão preconceituoso quanto rico que não gosta de pobre;
Preto que discrimina o branco, comete injúria racial tanto quanto o branco que não gosta do preto;
Mulher que se acha superior ao homem é tão machista quanto o homem que acha que a mulher tem de ser submissa a ele;
Mulheres recatadas que julgam mulheres de estilo mais ousado são tão julgadoras quanto as mulheres ousadas que invejam as recatadas;
Protestante que julga católico fala mal das próprias raízes, católico que ofende protestante critica a própria religião;
O "feio" que inveja o "belo" é tão ignorante quanto o belo prepotente, pois não entendeu que beleza é questão de gosto;
O mundo é assim: um pluralismo religioso, ideológico, político, cultural, de raças e opiniões, onde todos precisam de alimento para o seu "EGO", onde as pessoas são dominadas por suas vaidades e esse egocentrismo nos dá a falsa impressão de que o nosso modo de pensar é o certo e descartar a particularidade do nosso próximo. Queremos ditar nossas regras, contudo, por que nossas regras se sobressaem sobre a do outro? Quem somos nós? O que temos feito de melhor para nos considerarmos o padrão ideal? Eu por exemplo, enquanto escrevo este texto acredito que meu modo de pensar é coerente, e ainda que inconsciente, aguardo para que alguém leia e concorde comigo.

ACREDITE, ISSO É DEMOCRÁTICO ‼️

A desgraça (retrocesso) acontecerá quando tentarem unificar toda forma de pensamento, nesse instante virá uma falsa paz sobre o mundo, então todos deixarão de pensar.
A diversidade é o que nos torna uma nação bonita, que chato se todos pensassem igual. Ninguém estaria pensando!
Nossas diferenças não precisam ser extintas, a diversidade não é o problema da humanidade, nossos conceitos não precisam ser reformulados, somos o que somos e nenhum grupo social deve ser desrespeitado.
A MINHA LIBERDADE termina onde começa o direito do meu irmão.

1 compartilhamento
Inserida por Patricia_Pinheiro_