Avandelson Ferreira da Silva: Detalhes de uma mudança Depois de muito...

Detalhes de uma mudança

Depois de muito refletir, me veio à mente a ideia da mudança, pois “tudo muda, tudo se transforma o tempo todo” - Heráclito de Éfeso. Quantas vezes ouvimos isso? Ou alguém dizer por aí: calma, meu filho, tudo passa! As coisas da vida vão se aprumando, como se afirma no senso comum.
Em meio à ideia de “aprumação”, tomar prumo, seguir em frente, virá uma concepção de mudança. Sendo que aquilo que era uma dor forte se acabou, se esvaziou no tempo. Mais uma vez reafirmo que o tempo é o gerador das mudanças.
E em meio a toda essa logística do tempo, me veio um pensamento com mais força em minha alma, algo me falou com mais força em meu intelecto.
A metamorfose é uma palavra forte. Uma palavra que já está dizendo que alguma coisa está acontecendo com o homem/mulher. “Metamorfose ambulante”, como cantava Raul Seixas, o ambulante é o ser da mudança, por isso, ele sofre a metamorfose.
Se remetermos a uma lembrança, a palavra ambulante pode ser associada também a andante ou cavaleiro andante, que é outra história que já ouvimos por aí... (Dom Quixote)
Mas voltando à mudança, agora pensada por Kafka em sua obra intitulada de A Metamorfose, que se inicia assim:
Certa manhã, ao despertar de sonhos intranquilos. Gregor Samsa encontrou-se em sua cama metamorfoseando. Estava deitado sobre suas costas duras como couraça, e quando levantou um pouco a cabeça, viu seu ventre, abaulado, marrom, dividido em segmentos arqueados, sobre o qual a coberta, prestes a deslizar de vez, apenas se mantinha com dificuldade.
O que terá acontecido comigo?
Foi a sua indagação!
Então, brota uma nova perspectiva.
De ser humano para um inseto. Para um bicho nojento que é menosprezado pelos outros. Talvez, era assim que ele estava se sentindo.
Como um inseto em um mundo que não o compreendia. Não o respeitava. Com uma família que não o amava. Que não percebia o seu crescimento.
Nem sempre as metamorfoses dos sonhos estão nos sonhos, pois eles podem transformar em enormes pesadelos.
A mudança sofrida por Gregor Samsa será que não causa nenhum efeito sobre ele?
Não vou me aprofundar nas sequências dos acontecimentos da vida dele, apenas quero dizer que algumas mudanças nos levam ao desespero.
Porém, se faz necessário sofrer ou metamorfosear a existência para comprovar o que realmente importa, nem que para isso tenhamos que cair duas vezes no mesmo poço de lama.
Ainda ao ruminar todo esse pensamento no que diz Nietzsche sobre a redenção:
O profundo instinto para o modo como alguém deve viver para sentir-se “no céu”, para sentir-se “eterno”, enquanto qualquer outro comportamento absolutamente não leva alguém a “sentir-se no céu”: somente isso é a realidade psicológica da “redenção” – uma nova conduta, não uma nova fé...
Sabemos que o Nietzsche está criticando a religião, pois bem a obra é O Anticristo. Não quero abordar aqui o seu ateísmo latente e muito menos reafirmar os valores cristãos.
Quero que pensemos sobre o valor da redenção como conversão da mentalidade. Não quero manifestar o surgimento de uma nova fé como o pensador aborda, porém, a ideia apresentada por uma nova mentalidade significa uma mudança que perpassa a natureza humana, que o fluir das potencialidades nos provocam uma erupção ideológica.
Sendo que a mudança no começo é estranhada e depois se entranha em nossa mente e corpo provocando um novo encontro de rotas.
Por fim, é preciso seguir porque a “felicidade não está na chegada, mas sim na travessia”, como abordou Guimarães Rosa.


14/12/2015

1 compartilhamento
Inserida por AVANDELSON