Mário Silveira: PRA NÃO MORRER DE SILÊNCIO Escrevo um...

PRA NÃO MORRER DE SILÊNCIO

Escrevo um poema como um cristão confessa-se ao vigário:
perdoem-me.
Porque não sou demasiadamente bom
e tenho medo.

Escrevo um poema como quem se trai no espelho
- e que se vê aflito -
a sentir a fome do mundo no peito.
Por que alguém haveria de ler
a loucura e o desleixo?

Escrevo um poema como quem grita:
"Socorro!!! Tem um bicho de baixo da minha cama"
e sozinho no meio da noite,
apenas tem a insônia para dialogar.

Escrevo um poema como voa um pássaro
que depois de tanta liberdade
canta no ninho sua solidão.

Escrevo um poema como um vigia espera a aurora.

Escrevo um poema como quem nasce,
e de nada pode vir a saber sobre si ou sobre algo
na imundice do pátio da vida.

Escrevo um poema como quem suicida;
e deixa sua angústia a flutuar por sobre o mundo.

Escrevo um poema como um velho contempla o pôr-do-sol
e se vê entardecendo ciclo após ciclo.

Escrevo um poema como uma mãe diz
"não tenho fome"
e dá ao seu filho o melhor pedaço de carne

Escrevo um poema como um bêbado se equilibra
como uma noite desce
como um livro guarda
como um amor cuida
como um louco pensa.

Escrevo um poema como uma criança diz "eu te amo"
quando na verdade nem sabe que diabos é amor.

Escrevo um poema como um coração se contrái
como o olho enxerga e dorme
como uma mão acaricia e bate
como um doente vomita seu mal.

Escrevo um poema como uma mulher pare uma dádiva
ou aborta uma desgraça.

Escrevo um poema como um cão descobre seu fim
e afastado de seu amado dono, perece triste.
E ninguém vê, nem espera, nem sabe.
porque quando vê já não é mais útil,
porque quando espera já não há mais tempo
porque quando sabe já não é mais hora.

Apenas escrevo um poema...

Uma dor...
uma chegança...
um começo...

1 compartilhamento
Inserida por mariofrs