Carlos Eduardo Borges: Sonhei por poucos minutos, uma espécie...

Sonhei por poucos minutos, uma espécie de sonho que envolvia a linha tênue entre ilusão e realidade. Era exatamente qualquer instante de qualquer dia de meio século de existência.
No sonho eu era um super-homem, fazia parte de uma organização que tem como lema vidas alheias e riqueza salvar. No sonho vestia uma farda que podia ser vista a quilômetros, tinha um alaranjado extremo com uma palavra de nove letras escrita às costas, e se destacava em qualquer lugar que estivesse.
No meu sonho subia prédios em chamas para ajudar pessoas desesperadas, ao mesmo tempo em que mergulhava em rios perigosos para resgatar crianças que estendiam suas mãos. Era um pouco assustador, mesmo sendo um sonho, mas eu descia de helicópteros em locais que o acesso por terra não existe, e depois disso tudo entrava em cavernas escuras e saía de lá com pessoas em minhas costas.
Muitas coisas aconteciam simultaneamente, sabia fazer nós e não tinha medo de ser içado por apenas uma corda de um helicóptero a muitos e muitos metros de altura. No meu sonho as pessoas me olhavam com respeito e admiração, fui aplaudido quando saí, certa vez, de um buraco escuro com uma criança acolhida em meus braços.
Nos poucos minutos que meu corpo cansado dormia, imagens e mais imagens se passavam em minha mente. Recordo-me que entrava em um imenso prédio em chamas, levava equipamentos pesados, não tinha medo, sabia que Deus o transformara em esperança.
Bastava uma sirene, para que meu coração batesse mais rapidamente, e para que eu corresse o mais rápido que pudesse, podia entrar em uma ambulância, em um avião, em um caminhão com luzes por todas as partes. Podia ser médico, piloto, mergulhador, socorrista, tripulante operacional, protetor do meio ambiente, engenheiro, dentista, arquiteto, e todas as vezes que eu corria só havia um propósito: oferecer ajuda.
No meu sonho eu não escolhia quando, porque, quem, eu apenas corria o mais rápido que pudesse, e partia ao som daquela sirene, ainda que talvez não voltasse.
Pude ver que saía de casa antes do sol nascer, muitas vezes olhava minha família dormindo e pedia a Deus a oportunidade de reencontrá-los. Foram poucos minutos sonhando, mas eu tomei chuva, passei frio, fiquei extenuado pelo calor, teve instantes que eu senti dores pelo corpo inteiro, mas não me lembro de ter desistido. Crianças nasceram em meus braços, e pessoas também partiram da mesma forma, chorei de alegria e de tristeza, aprendi nas duas oportunidades.
No meu sonho eu fazia isso por décadas a fio, não sabia quantificar o número de vezes que eu fui acordado por aquela sirene. Meu sonho terminou quando a sirene tocou e eu novamente tive que correr, alguém estava precisando de mim, e.... bombeiros também sonham... (Carlos Eduardo Borges)

1 compartilhamento
Inserida por borges193