Leandro M. Cortes: Amores invisíveis Sempre me doei um...

Amores invisíveis

Sempre me doei um pouco mais. Sempre precisei um pouco mais de nós do que você. Sempre priorizei o amor, a relação, o imutável entre amores.
Sempre fui o lado frágil, aquela menina mulher cheia de sonhos. E quem não sonha? Quem não vive suas fantasias?
Sempre fui coadjuvante nessa história sentimental. Sempre tive meus medos e quase sempre fui engolida por meus monstros.
Quase sempre estive em suas mãos. Quase! Mas, você fez tudo para matar o amor, nosso amor.
Sempre conjugou o eu e não o nós. E esse nó foi lenta e vagarosamente arrebentando. Você sempre Foi mais espectador, ator.
Enquanto eu me afundava, você vivia na superfície, longe de ondas e tempestades. Longe de nós. Longe de mim.
Corpos unidos, mas olhares distantes. Vivíamos essa morbidez, entre a monotonia morna e fria que ecoava do fundo.
O convívio se quebrou, criou-se o distanciamento entre nossas línguas, idiomas difusos, entre almas ausentes.
Caminhávamos, mas separados entre mundos, entre pontes, separados pelo abismo da solidão do amor a dois.
Não há continuidade para o que nunca existiu. Há apenas o enterro simbólico. A marcha fúnebre. O que manda o protocolo.
Não há culpados pelo descaso. Pelo abandono. Pela orfandade dos carinhos, afetos e emoções.
Apenas o mastigar de algumas agridoces recordações.

1 compartilhamento
Inserida por leandromacielcortes