Lucas Tadeu: Quando poesia preenche o vazio de um...

Quando poesia preenche o vazio de um coração vazio.
Cabe ao poeta renunciar.
Ele deve apenas continuar sendo ele mesmo.
Um poeta não pode dizer:
-Eu escrevi para você.
Digo isso por que poesia não pertence a ninguém.
Um poeta deve criar uma barreira entre ele e sonhos descritos em tais poesias.
Pois tais sonhos foram construídos por alegria ou tristezas passageiras.
Digo isso, pois um “oi’ de um poeta transforma um dia de chuva e frio no mais perfeito dia.
Ou, um dia de sol num dia de tempestade.
Um poeta pode mudar uma vida.
Um poeta tem a “maldição” de enxergar beleza na tristeza.
Um poeta é espirado e pirado
Um poeta tem um copo na mão.
Um poeta não pode e não deve ter aquela que ama sua poesia
Pois por mais que ele tente sempre existira outra.
Quando digo outra é que estou falando de palavras escritas ou ditas em nome de uma bela e nova poesia criada em um momento de nostalgia.
Um poeta não sabe amar.
Pois ele apreendeu amar tudo e ao mesmo tempo um nada.
E por incrível que pareça o nada que o poeta ama é um tudo que preenche qualquer coração vazio.
Ensine-me a não ser poeta.
Tire de mim essa necessidade de ver beleza no mundo.
Diga-me que você é minha poesia.
Ensine-me a não escutar o vento.
Ensine-me a não olhar para as estrelas.
Seja você a poesia que eu sempre quis escrever.
Seja eu a poesia verdadeira em seu coração.
E por favor quando chegar, não traga lagrimas, não me diga que me amou pelo meu olhar e por minhas palavras, apenas me encontre e diga que vamos caminhar juntos num mundo onde o caminho é feito de escolhas......

1 compartilhamento
Inserida por lutadeus