Jaqueline Vieira: SOBRE SONS E ATOS. Ah, não comece a ler...

SOBRE SONS E ATOS.

Ah, não comece a ler esse texto como você costuma ler os outros, porque eu não quero falar sobre exatamente nada, mas ao mesmo tempo sinto a necessidade de por as letrinhas aqui e formar algumas palavras, algumas frases ou até mesmo versos. Quem sabe? Então por favor, leia como quem nunca leu. Leia como quem nunca me leu. Não espere muito de mim aqui porque eu já fui muito mais e isso pode gerar uma decepção enorme e você sabe que só se decepcionam aqueles que criam expectativas e talvez por aqui você conheça as historias nas quais eu sempre coloquei minha mão no fogo, mas por enquanto só continue lendo mesmo, da forma como lhe pedir e porque nesse engodo todo já passamos pelo primeiro parágrafo.

Gosto quando sinto aqueles impulsos que me trazem de qualquer forma para essa cadeira e me fazem esquecer tudo o que não tenha relação com essa tela de luz forte, que na madrugada, forçada pelos impulsos quase me cega. Gosto até quando sinto que algo vai acontecer ou quando ele já esteve bem próximo. – Não se confunda. Não estou selecionando nada para por aqui, apenas deixo os meus dedos serem conduzidos pelos efeitos e energia que a minha mente produz.

Ultimamente eu vivi muita coisa absurda. A-B-S-U-R-D-A. Com todas as letras. Coloco os meus fones e aperto o play porque assim flui, entende? Muitas pessoas escrevem assim, a minha concentração é bem maior. Talvez seja exatamente coisa de quem escreve, mas não me atrevo a ler e ouvir musica ao mesmo tempo. Não mesmo. Não tenho todo esse poder ainda, porque o que não há em outras pessoas, há em mim e isso eu ainda não posso comandar. Não quero ouvir uma musica que vá me fazer chorar agora, não preciso disso. Estou em um momento bom e assim quero permanecer. Eu quero é viajar em uma letra que conceda isso.

Já ouviu C O O L – Le Youth? Ouvi hoje de manhã, pela primeira vez. Gosto de musicas que me fazem pensar que já as conheço há séculos e esse tipo de musica não me desfaço nunca. Música para mim é como paixão ao primeiro toque, mas tem que ser boa. Ai você se pergunta como eu vou saber se nem ao menos vi a letra. Apenas sei, não tem explicação. E pra que mesmo? Já parou para pensar que o amor não possui uma? Não se dê o trabalho de explicar, pois cada um sente uma coisa diferente e isso é obvio. Porém muita gente ainda não entende que o ser humano não é somente a sua aparência e suas regras, mas a gente sente, sente o tempo todo e isso pode ser com qualquer pessoa. Agora você poderia se apaixonar por mim, mas a gente não escolhe por quem ou com quem isso pode acontecer por isso não há explicação.

Já pensou em viver duas histórias totalmente irreais? Sei que você tem a sua vidinha e que não se importa com mais ninguém, mas eu sempre falo quando acho necessário. Mas o que você tem a ver com isso mesmo? Não me lembro. Não me lembro de quase nada, igualzinho ao dia em que, quando criança fui mexer onde não podia e acabei com uma telha por cima da cabeça. Mas isso não é só coisa de criança. Isso é coisa de gente. Gente que não aprende que mexer no desconhecido muitas vezes machuca e que cutucar onça com vara curta é perigoso, só que gente parece gostar de perigo, porque gente ama. E você quer perigo maior? Um, dois, três amores. Isso é caso de vida ou morte. – Chama a SAMU, por favor! É perigo demais meu querido e eu espero que você suporte as consequências.

Eu sou uma louca mesmo, afinal do que eu estou falando? Por que se eu não sou, ainda vou ficar. 640 caracteres de quase nada. Veja o que a musica diz: “Ela sabe o que penso e o que eu penso sobre um amor, duas bocas. Um amor, uma casa, sem camisa, sem blusa. Apenas nós, você vai descobrir. Nada que eu realmente queira te contar.” E agora você entende porque não é fácil? – O que não é fácil? Ler um livro e ouvir musica ao mesmo tempo, três amores ou amar duas historias que não lhe pertencem? Oh cérebro, por favor, não me confunda eu quero acompanhar o seu raciocínio e os meus leitores também – Se isso fosse para um plural, maybe darling ¹

(Mas quanta audácia coração)

Coração: – Quem disse que elas não são suas?
Cérebro: – Elas? De quem você fala?
Coração: – Todas as historias. Elas lhe pertencem, pois é você que dá vida a elas e não há mais ninguém com tamanha coragem. Isso é tão absurdo.
Cérebro: – Você entende por quê?
Coração: – Não. Eu apenas sinto tudo o que você produz.

Entenda por que repito tantas vezes a palavra “talvez”: A gente que é gente quase não tem certeza e vive sempre fazendo tolices por ai e por achar que tem certeza de absolutamente tudo, mas é fato que não temos. Não tenho certeza nem da razão pela qual estou escrevendo isso, assim como você não tem pela qual está lendo.

Se eu tivesse que escolher qualquer coisa agora, escolheria cantar para você e talvez minha voz soasse mais bonita. Que musica gostaria de ouvir agora? Oh, esqueci que tomei muito refri com gelo na semana passada e até hoje estou gripada. Desculpe-me. Como eu ia lhe dizendo lá no comecinho de tudo, que tudo iria ser diferente, e você o que achou? Espero que não tenha se perdido no meu caos, porque eu me perdi no seu há muito tempo e se você não estiver por aí para me salvar, é o fim. Minha mãe sempre me disse que não existem super heróis. Nunca me convenci disso e todas as noites criava historias sobre ser uma jovem com poderes magníficos que poderia conquistar o mundo e proteger todas as pessoas ao seu redor. Mas na verdade minha mãe tinha razão, só na parte de ser um super herói, porque eu percebi que não era necessário ter poderes ultra, mega, super, hiper especial. Eu só precisava parar de esconder a força o meu verdadeiro eu e arranjar um amor, mesmo que ele se tornasse mal resolvido mais tarde. Talvez isso provasse alguma coisa, mas até hoje eu continuo parada no mal resolvido, mas já conquistei muita coisa, com o efeito, que todo esse mal causa. É tão vivo que matar é uma de suas especialidades.

Eu queria que toda sociedade pudesse ouvir a musica que eu pus para tocar. Eu imaginei todos eles dançando e sentindo a melodia que sabe que pode torna-los frios. Sem ter que se preocupar ou se incomodar com vida de ninguém e por três minutos e trinta e dois segundos seriam só nós, meu bem. Mas a gente poderia usar um pouquinho de maldade, apertar o replay e se perder. E quando estivéssemos enjoados, porque você foi o primeiro a dizer que não se apega a ninguém, nós voltaríamos para nossa vidinha pacata, sem riscos, sem explosões, sem perda de memória, sem poderes especiais, e com mais uma história para dar continuidade mentalmente. É uma pena você não saber lidar com as suas historias, mas se você quiser viver uma nova com a velha figurinha, a gente pode fazer tudo de novo. Você sabe onde me encontrar. Sempre soube. Nós podemos parar a sociedade e viver um absurdo por quanto tempo houver fogo, até ceder todas as paredes desse mundo dando livre acesso a nossa passagem, sempre no ritmo da musica em que pus para tocar. Esquece tudo o que eu falei lá em cima sobre correr perigo amando e vamos correr o mundo, e enquanto eles dançam, nós somos nós de verdade.

¹ tradução: talvez querido

1 compartilhamento
Inserida por jaquelinevieira