Luiselza Pinto: EIXO DE NÓS - nº 21 (Luiselza Pinto) A...

EIXO DE NÓS - nº 21 (Luiselza Pinto)

A Terra gira em si mesma e o Sol acorda ou dorme. Ele nos cumprimenta quando desabrocham as manhãs, quando se avermelham as tardes, quando se avolumam as noites. O Sol convida a Terra à aproximação ou afastamento e assim emergem as estações; e juntos, seguem pelo espaço que abrolha do movimento daquilo que primeiro há. Vozes, músicas e ruídos atravessam toda a Terra, mas ela guarda para si mesma os seus monólogos e os seus diálogos sonoros. Luzes atravessam este ovóide irregular e dizem dos seus vastos campos verdes ou secos, das suas encostas suaves ou altas, dos seus ares e mares molhados pela água das fantásticas pontes de hidrogênio; e do além... Histórias e notícias traspõem o Universo carregadas por toda a gama de ondas não sonoras: É o infravermelho que aquece, o ultravioleta que queima, as radiações gama que penetram, a luz que ilumina e cria a necessidade ou vontade de se usar a régua do tempo. Por mais salgadas que sejam, as lágrimas não se petrificam à eternidade; volatilizam-se. O seguir em frente é tão imperioso quanto o é a vida. O (re)nascer – numa estranha espiral – é obrigatório: Estamos sempre diferentes do instante anterior, contudo ainda somos a coluna vertebral do mesmo. O diverso do estar se agrega e combina ao ser de nós.

1 compartilhamento