Erasmo de Roterdã: Bastará olhar-me de frente, para logo...

Bastará olhar-me de frente, para logo me conhecer a fundo, sem que eu me sirva das palavras que são a imagem sincera do pensamento. Não existe em mim simulação alguma, mostrando-me eu por fora o que sou no coração. Sou sempre igual a mim mesma, de tal forma que, se alguns dos meus sequazes presumem não passar por tais, disfarçando-se sob a máscara e o nome de sábios, não serão eles mais do que macacos vestidos de púrpura, do que burros vestidos com pele de leão.

Erasmo de Roterdã ERASMUS, D. Elogio da Loucura. eBooksBrasil.com, 2002.
1 compartilhamento
Inserida por pandavonteesedois