Larissa Barone: Eu te olhei feito criança, vendo o mar...

Eu te olhei feito criança, vendo o mar pela primeira vez, enquanto você caminhava na minha direção…

Nessa eu já seria capaz de apagar do papel qualquer linha que tentasse te descrever porque, hum…
Olha, qual a chance de dividir com o mundo essa visão?
E, cara, cê vinha vindo no ritmo da música que eu ouvia, cê vinha vindo no meu ritmo, bem do jeito que eu queria .
Meio rindo, meio lento…
Todo “tô te lendo”.
Então eu perceberia, num susto, a tua mania, que deveria ser minha, de fechar os olhos pra dizer o que fica melhor em silêncio.
De baixar o tom de voz pra eu te entender melhor.
Eu perceberia com aquela calma induzida que o teu hálito ficaria mais doce na minha boca. Que a tua respiração seria particular: meu nascer de sol.
Depois eu poderia sentir o cheiro das flores que você carrega dentro dos olhos ou me olhar no espelho pra procurar a tua pose ensaiada, sozinha na sala de casa, incrédula ao não te ver. Encararia as nuvens como quem não quer nada pensando que “quem é você pra me esquecer?”.
Noutro dia a gente se esbarraria andando por aí pra eu poder te contar das vezes em que me derreteu. Das vezes em que os olhares eram os meus.
Daí você vai me olhar assim, meio-sorriso-que-é-quase-desejo, pra eu queimar num fogo sereno e te prender em mim.

Porque eu descobri um mundo, enquanto você vinha pra me dizer que a gente vai ter tudo menos fim.

1 compartilhamento
Inserida por iarllavieira