Reberika: O que há no hospital? -Só terminar...

O que há no hospital?
-Só terminar essa aqui, aí posso ir?
-Não sei Clarisse, acho que não...
-Não, mas meu plantão já acabou..
- Ah não, sim, sim pode ir, quando terminar com a paciente.
-Ok, falta pouco. Quando terminar vou encaminha-lá para o quarto.
- Sim, sim, faça isso.
Clarisse agora trabalha com a maior concentração possível, a cirurgia é complicada, precisa retirar o câncer da mama da paciente. Enfim passam-se horas é ela termina,já é escuro, ele encaminha a paciente para o quarto, e volta para sala. Estranho cadê os meus colegas, não estão mais aqui, como que deixam toda a bagunça para eu arrumar. Mas tudo bem, vou terminar é ir para casa.Pensou Clarisse. Ao fim do último esforço ela percebe que a luz se apagou, e escuta passos pelo corredor do hospital.
-Gente, que brincadeira é essa eu não tenho tempo para isso.
Não ouve resposta, mas Clarisse tem certeza que é uma brincadeira.
-ok, se vocês continuar tudo bem, tenho que ir, já são mais de 1o horas, vou tomar uma café para pegar O trânsito. Quando quiserem para com isso me avisem, tá?
Mas as luzes das salas começaram a se apagar uma a uma, ela corre em direção a luz pois fica muito escuro.
-Não gente agora é sério essa brincadeira está passando dos limites.
Ela sabia que não havia brincadeira alguma.Estava sozinha no hospital. O som de muitos passos começou a ecoar como se muitas pessoas estivessem passando, muito forte chegava até dá dor de cabeça. Saltos, tênis's, tamancos sapatos pisando, forte. E esse som incomodava a cabeça de Clarisse são machados em sua cabeça a cada pé. Preciso levantar, aiiiiiiiiiiiii, mas essa dor é insuportável!.
Clarisse andava caindo, se apoiando no que podia.E agora, agora são essas vozes que não cessam. Deixou-se cair pois não tinha forças.
-Eu tenho que levantar! Eu vou levantar! E vocês, calem a boca! Parem de falar! Parem! Parem!
Ela gritava. E em meio a fúria e o medo obteve forças para se levantar e incrivelmente chegou ate a garagem. Os barulhos cessaram.
-Meu Deus que alívio! O que é isso? Tenho de ir embora.
Então pegou a chave, que estava na sua bolsa. Porém ela ouviu:
-Vai embora querida? Nada disso vai ficar aqui comigo.
-Eduardo? Mas, mas, mas, mas como? Você ta morto! Ela diz no espanto e ele retruca:
-E por culpa de quem,eim? culpa sua! Agora é a minha vingança!
-Não, eu só estava do seu lado não tenho culpa se...
-Cale-se! Você não impediu nada! Não impediu que aquele ônibus me acertasse, não puxou não tentou me salvar. Ainda dizia que me amava. Agora, querida Clarisse você VAI SOFRER O QUE EU SOFRI.
Ele estavam em um lugar onde o mar não era aguá e sim fogo.
-Não, Não, o que você vai fazer comigo? Eduardo não faz isso, você nunca faria isso.
- Acontece que a morte me mergulhou nas escuridão, em um má escuridão. Agora só penso em você, em te fazer sofrer.
Eduardo joga Clarisse dentro daquele fogo. E seu corpo queima tudo parece arder uma dor incontrolável. O fogo a possuía por completo,é ela não tinha como gritar, Eduardo a impedia. E quando ela pensou que iria morrer,estava ali em pé sem nenhuma queimadura ilesa, mas ainda podia sentir a terrível dor, seu corpo estava em chamas.
-Que tal um choque térmico agora? Eduardo ria com o prazer em ver a dor dela.
Agora ela estava em uma aguá muito gelada, que a queimava, é choque térmico a deixou sem movimentos. Ele nem a impediu de gritar.
-Eu não aguento mais! Não aguento! Me tira daqui, te imploro! Para com isso.
Ele para com a sessão de tortura. Eles estão de volta ao hospital, ele quer a ouvir para sentir o prazer da humilhação dela.
- Quer se vingar, então mate, e me leve contigo! El grita desesperada procurando um jeito dele parar. Não importa quem em faça sofrer só não quero que seja você!
-Acho que não! Você precisa pagar! Lembra que eu admirava muito seus olhos castanhos? Agora eu quero eles para min.
-Não, não não.
Clarisse fechou os olhos e abriu, estava em outro realidade estava no seu quarto, com Eduardo seu marido.
- Meu amor o que foi?
Ela estava assustava e gritava: Sai, sai daqui sai de perto de min!
Eduardo se aproxima, e abraça.
-Calma amor, seja o que for, só foi um sonho.

1 compartilhamento
Inserida por ErikaRebeca