Beatriz Soares Bezerra: Todas as vezes que ele me aperta e fala...

Todas as vezes que ele me aperta e fala baixinho coisas fofas no meu ouvido me sinto a idiota mais feliz do mundo. Meu Deus, eu sou tudo aquilo que um dia eu odiei. Eu agora sou a menina fofa que anda nas ruas com um sorriso bobo no rosto. Eu agora sou amada, recebo carinho e sms de bom dia. E me descubro cada dia mais doce, mais leve, mais calma. Até minha TPM não é assim mais tão forte. Eu passaria horas no telefone ouvindo minha amiga reclamar da vida se ela quisesse. Eu levaria o cachorro chato da minha vó pra passear, porque nem é tão ridículo assim ver ele se enrolando nas minhas pernas. É engraçado. Tudo na vida é engraçado, o jeito que a menina da turma 'C' me olha, o meu cabelo assanhado pela manhã, o jeito como ele entrou na minha vida... Eu fecho os olhos e vejo a imagem daquele sorriso fofo na minha frente, eu sinto o abraço, o cheirinho de roupa limpa. O jeitinho doce de me tomar em seus braços como se eu fosse uma criança, o jeitinho de homem mesmo sendo só um rapaz. Deus, como ele é perfeito. Não consigo acreditar que sou merecedora disso tudo... Depois de muito pensar, arranquei do meu braço a pulseira com aquele desejo, aquele desejo antigo que deixou de ser importante. Não senti um pingo de pena, nem de remorso. Ao contrário, me senti livre. Pensei em amarrar outra fita e pedir a Deus que me deixasse com ele, o menino homem que me faz tão feliz. Pedir 3 vezes, de 3 modos diferentes, para sempre. Só meu. Mas não preciso, ele é meu agora. E tenho certeza que será meu amanhã e depois ... até quando permanecer esse misto de desejo e afeto. Essa entrega,essa doação. Até quando permanecer esse tantos de coisas boas que ele é pra mim. E se isso não for eterno, nada mais é.

1 compartilhamento