Ezequiel Fagundes: O Silêncio da morte Em um dos leitos...

O Silêncio da morte

Em um dos leitos que entrei, não pudi deixar de notar um anjinho tão pequeno (prematuro), diferente de todos os outros (com uma sindrome que é fatal nessa situação), também pequenos que ali se encontravam. A maioria dos prematuros sobrevive
m (quase todos), pois tem um tratamento excelente e eficaz.
Por alguma razão desconhecida ainda, seres ( não são humanos!) passam sua gestação consumindo todos os tipos de drogas, mantendo-se ao vício sob qualquer situação. Infelizmente esses anjinhos podem nascer com vários problemas.
Enquanto olhava ele no meio de todas aquelas maquinas que o faziam sobreviver. A enfermeira que me acompanhava, olhou para mim e simplesmente me disse tão baixinho que mal pude ouvir, mas não foi preciso repetir o "NÃO".
Sei que talvêz você está se perguntando "porque ela disse NÃO?"
Realmente também me perguntei naquele momento, mas tive medo com quais outras palavras ela completaria com aquele "NÃO".
Um "NÃO" que foi dito em silêncio por ela, pois não se atreveria dizer "morte".
Voltei meus olhos para o "pequeno anjinho" e...suportei "A Vida", que me enojou naquele momento. Travei uma batalha com o caminho que meus olhos percorriam (anjinho). Como eu Ezequiel poderia aceitar "A Vida" diante da morte refletindo em meu ser?
Um "NÃO" que representava o "Chegar da Morte". Um "NÃO" que atravessou minha couraça de grafeno e alcançou minha criatura.
Um "NÃO" dito em silêncio...rompendo a barreira do som, me atingindo a alma.
Que Deus faça com que esse "NÃO" tenha valor nenhum.
Faça um milagre nesse anjo meu Senhor, que já na origem da sua vida respira a morte. Amém.

1 compartilhamento
Inserida por EzequielFagundes