Brenda Torquato: Me peguei lendo aqueles velhos textos....

Me peguei lendo aqueles velhos textos. Aqueles que eu escrevia pensando em você, na verdade escrevia pra você, na esperança de que os lesse e sentisse uma partícula do meu amor, do quanto você era importante e do quanto eu era sua, do quando você me tinha. Talvez essa tenha sido o problema. As pessoas gostam do que não tem… E eu te pertencia tanto. Deixei tão na cara que era sua. Lia texto por texto, e via cada vez mais o quanto eu era burra. Burra não, eu era mais que isso… imbecil. Lia e pensava “Acha que ele te amava idiota?”. E pelo modo como eu o descrevia parecia ser um príncipe encantado. Coitado do príncipe, ser comparado a um sapo. Sim, você era um sapo, aliás, ainda é um sapo. Sapo covarde, medroso e burro. Tinha uma princesa, não como as convencionais e perfeitinhas, aliás, princesa essa bem complicada, do jeito dela mas ainda sim era sua, tão sua, só sua… Continuei lendo e chegou na parte do ‘pra sempre’… Ah como eu queria avisar pra aquela garota que escrevia os textos “cuidado, ele vai te abandonar, como sempre, ele já fez isso e vai fazer de novo”. Quem dera se tivesse aberto os olhos, enxergado toda a verdade, aliás, toda a mentira, porque todas as palavras desse sapo rabugento tinha sido invalidadas e desmascaradas depois de tantas promessas quebradas e tantas despedidas. Não fazia sentido nenhum os seus ‘eu te amo’, porque quem ama não abandona, e foi o que fez comigo. E não foi uma vez, foram várias, você ia, logo se arrependia e voltava. Eu ingênua aceitava você de volta de braços e coração aberto, achando que iria ser diferente. Achava que nunca me livraria disso. Disso que nem eu entendo, essa vontade louca de você, talvez vontade não seja a palavra certa, era como uma necessidade … Mas isso tem passado, ás vezes volta com toda força, mas nada que o tempo e uma boa conversa com amigos não amenize. Pois é, agradeço não só a Deus, mas a meus amigos, esses que até hoje não me abandonaram e foram as bases da minha estrutura pra que eu não desmoronasse de vez. Você era meu alicerce, e isso mudou, porque o meu alicerce agora sou eu mesma. Percebeu como mudei? Vai, se esforce mais um pouco que logo perceberá como eu sou agora… Palavras secas e as vezes rancorosas e com certeza mais maduras, nesse sentido eu tenho que lhe agradecer, você com certeza me fez amadurecer, na verdade me obrigou. Desde que você se foi aprendi a me amar antes de amar qualquer outra pessoa. Não dava pra ficar se culpando por não ter dado certo, aliás, o culpado disso tudo foi você. Culpado por inúmeras noites de insônia, por várias maquiagens borradas, por várias vezes partir meu coração, por ter tanto medo de ser feliz, por ter acabado, talvez algo que nem havia começado. Não dava pra ser uma garotinha que colocava a própria felicidade nas mãos de outra pessoa. Sou eu quem tenho que carregar esse peso, esse peso de ser feliz. Tem outra também… Essa coisa de só chorar e só se lamentar, isso não serve pra nada, só piora. E por muito tempo me senti insuficiente, incapaz… besteira, porque tenho certeza que eu havia dado o meu melhor. Mas isso passa, seus pensamentos mudam e você enxerga os fatos de um outro ângulo. Talvez o melhor ângulo para se enxergá-los. E eu enxerguei… Enxerguei que tinha que te deixar ir, aliás, você nunca esteve aqui, então deixei seu caminho e destino livre pra outra pessoa tentar te fazer feliz e espero mesmo que ela consiga. Mas com um porém, antes de você realmente acertar eu quero que você erre bastante e aprenda muito. Quero que sinta uma pequena parte do que eu senti. Que sinta saudade, mas que não volte. Que lembre do dia em que nos falamos pela primeira e última vez, mas que não me procure. Que seu novo amor te leve café na cama como eu planejava, mas que ela não te mime quanto eu te mimava, pra você dar valor. Quero muitas coisas, e a principal é que a minha felicidade nunca suma de perto de mim… Foi tão difícil recuperá-lá… Então, tchau sapo.

2 compartilhamentos
Inserida por brendatorquato