Beatriz Soares Bezerra: Não espere de mim muitas coisas. Na...

Não espere de mim muitas coisas. Na maioria das vezes sou solidão. Ainda que eu muito fale, pouco sinto. Nos últimos meses tem sido assim. Bastante palavras, pouco sentimentos. Ou talvez, poucas palavras e nenhum sentimento. Ta tudo tão vazio. Tão preto no branco. Um silêncio sincronizado, uma dor suavizada. Se brincar até acostumo... é esse o preço que se paga ao ser metade da sua própria metade. Você completando a si. É difícil crescer e descobrir que muitas vezes temos que ser a tampa da nossa panela, a outra face da nossa própria face. Ser a loucura, mas também a sanidade. A mentira e a verdade, ser o bom e o ruim. Meu Deus, eu jamais pensei em dizer isso, mas como é ruim ser só. Somente. Eu. Sem mas, nem mais.. entende ?! Por mais amigos que tenhamos, sempre falta alguma coisa. E ai o que fazer quando percebermos que os casos passageiros não vão te trazer resultados, só vão te deixar mais vazio?! te sugar, talvez, o resto de dignidade que te sobra e te deixar ainda pior. É assim que me sinto, amor. Sou criança com alma de adulto. Eu sinto demais para um coração e um corpo tão pequeno. Eu vivo sorrindo, mas é de tão triste que sou. E isso são coisas que você e esse mundinho no qual vivo maquiada para que eu possa participar jamais vão entender. Eu sou só. Mas não por opção ou escolha, mas sim por falta de ambos.

1 compartilhamento